Meteoritos caem na Rússia e deixam 1.100 feridos

Publicação: 2013-02-16 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
Moscou (AE) - A queda de um meteorito sobre os Montes Urais na manhã de ontem deixou cerca de 1.100 pessoas feridas, provocou pelo menos uma forte explosão e causou pânico entre a população. A maioria dos feridos foi atingida por estilhaços de vidro que se quebrou em razão da onda expansiva provocada pela queda do corpo celeste. “Às 9h20 (horário local, 1h20 em Brasília), um objeto em alta velocidade foi observado nos céus de Chelyabinsk, deixando um grande rastro atrás de si. No prazo de dois minutos houve dois estrondos”, disse Yuri Burenko, funcionário do setor de emergência, por meio de nota. “A onda de choque quebrou vidros em Chelyabinsk em uma série de cidades da região”, disse ele.
associated press/estadãoReprodução de vídeo fornecido pela Nasha Gazeta mostra o rastro deixado no céu por um meteoro, em um território da RússiaReprodução de vídeo fornecido pela Nasha Gazeta mostra o rastro deixado no céu por um meteoro, em um território da Rússia

Um meteoro de peso estimado em 10 toneladas ingressou na atmosfera terrestre a uma velocidade hipersônica de 54 mil quilômetros por hora na manhã de hoje, segundo a Academia Russa de Ciências. O objeto estilhaçou-se quando estava a entre 30 km e 50 km da superfície da Terra. A energia liberada foi de “vários quilotons”, segundo a academia.

De acordo com o Ministério de Interior da Rússia, cerca de 1.100 pessoas procuraram cuidados médicos por cortes causados pelos estilhaços de vidro. Não há até o momento relatos de pessoas feridas ou mortas por fragmentos do meteorito. Das cerca de 1 100 pessoas feridas, 48 precisaram ser hospitalizadas, disse Marina Moskvicheva, secretária de saúde de Chelyabinsk.

As vítimas viviam em Chelyabinsk e em localidades próximas. A região situa-se a cerca de 1.500 quilômetros de Moscou. Os sistemas de comunicação móvel ficaram temporariamente fora do ar

O Ministério da Defesa da Rússia informou que enviou soldados para “locais de impacto”, sem fornecer mais detalhes. Mais de 3 mil imóveis sofreram algum tipo de dano. Escolas foram fechadas e apresentações de teatro canceladas na região após a onda de choque ter quebrado janelas. As temperaturas locais chegam a -18ºC.

“Houve pânico. As pessoas não tinham ideia do que estava acontecendo. Todos começaram a verificar as casas ao redor para ver se estava tudo certo”, disse Sergey Hametov, morador de Chelyabinsk, a maior cidade da região a ser afetada, que fica a cerca de 1.500 quilômetros a leste de Moscou.

“Nós vimos uma grande explosão quando saímos para fora e ouvimos o som de um trovão muito forte”, disse ele à Associated Press por telefone. Outro morador de Chelyabinsk, Valya Kazakov, disse que algumas idosas de seu bairro começaram a gritar que o mundo estava acabando.

Alguns meteoritos - fragmentos de um meteoro - caíram num reservatório nas proximidades de Cherbakul, informou o escritório do governo federal, segundo a agência de notícias Itar-Tass. Meteoros costumam causar grandes estrondos sônicos quando entram na atmosfera, porque viajam a uma velocidade muito maior do que a do som, mas ferimentos com a escala dos relatados ontem são extraordinariamente raros.

O porta-voz do Ministério do Interior, Vadim Kolesnikov, disse que o teto de uma fábrica de zinco, que media 600 metros quadrados, caiu, embora não tenha sido esclarecido se o acidente foi causado pelos meteoritos ou pela onda que choque resultante da explosão. Um vídeo amador transmitido por uma emissora de televisão russa mostra um objeto em alta velocidade cruzando os céus por volta das 9h20 (horário local, 1h20, em Brasília), deixando um rastro branco seguido por uma luz muito intensa.

Donald Yeomans, gerente do Programa de Monitoramento de Objetos Próximos à Terra, da agência espacial norte-americana (Nasa), acredita que o que aconteceu foi provavelmente um “evento de explosão de bola de fogo”. “Se os danos em solo puderem ser verificados, podem indicar que um objeto cujo tamanho original tinha a extensão de vários metros antes de entrar na atmosfera terrestre, fragmentando-se e explodindo em razão da diferença de pressão”, afirmou ele por e-mail à Agência.

Asteroide passa perto da Terra sem causar problemas

Cabo Canaveral (AE) - Um asteroide de 46 metros de diâmetro passou perto da Terra na tarde de ontem sem causar problemas. Trata-se da maior aproximação de que se tem notícia de uma rocha deste tamanho por nosso planeta.

A agência aeroespacial norte-americana (Nasa, por suas iniciais em inglês) calculou que o asteroide 2012 DA14 passou a 27.357 quilômetros da Terra, um “raspão” em termos astronômicos.

A trajetória do asteroide o levou a uma área mais próxima do que a orbitada por muitos dos satélites artificiais de comunicação e meteorologia que servem à Terra.

Pequeno demais para ser observado a olho nu, o asteroide passou sobre o Oceano Índico, perto da ilha indonésia de Sumatra, por volta das 17h30 de hoje, no horário brasileiro de verão. Na Austrália, o rastro do corpo celeste pôde ser visto no céu noturno com a ajuda de binóculos e de telescópios.

A passagem do 2012 DA14 ocorreu apenas algumas horas depois de um meteorito ter atingido a região dos Montes Urais, na Rússia.

A onda expansiva da explosão do meteorito estilhaçou vidros, ferindo mais de mil de pessoas, mas cientistas descartaram relação entre o objeto que caiu na Rússia e o asteroide que cruzou os céus do Oceano Índico.

Astrônomos consideraram uma coincidência o fato de os dois eventos terem acontecido no mesmo dia, uma vez que o asteroide e o meteoro viajam em direções opostas. As informações são da Associated Press.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • marcelo_belo06

    isso é o fim do mundo se aproximando