Microempresas contribuem para arrecadação de tributos

Publicação: 2019-03-03 00:00:00
O Sebrae/RN efetivou um levantamento de informações junto ao Portal da Transparência do Governo do Estado e constatou que “em 2018, o Rio Grande do Norte também registrou um volume recorde na arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)”. Essa é a principal fonte de receita própria do Estado. Conforme dados do Sebrae/RN, a arrecadação do tributo somou R$ 5,6 bilhões ao longo de 2018.

Créditos: Ana SilvaArrecadação de R$ 5,6 bilhões em 2018 foi impulsionada pela comercialização de combustíveisArrecadação de R$ 5,6 bilhões em 2018 foi impulsionada pela comercialização de combustíveis
Arrecadação de R$ 5,6 bilhões em 2018 foi impulsionada pela comercialização de combustíveis

saiba mais

O valor representa um crescimento nominal, segundo Boletim do Sebrae/RN, de 8,9% em relação ao mesmo período de 2017. O índice é superior, inclusive, ao registrado na inflação acumulada no período analisado. Entre 2014 e 2018, o crescimento nominal da arrecadação foi de 28,69%, enquanto a inflação, em período idêntico, foi de 25,98% (medida pelo INPC – IBGE).

O setor de combustíveis foi o que mais contribuiu para o volume de arrecadação registrado pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte em 2018. Conforme disposto no Portal da Transparência, cerca de 28% do que foi recolhido a partir do ICMS veio através de empresas que atuam no segmento em questão.     O comércio varejista foi responsável por 19% da arrecadação, e comércio atacadista, juntamente com a indústria de transformação, foram responsáveis, cada um, por 16% do recolhimento do ICEM. O setor elétrico contribuiu com 11% de participação. Os demais setores, juntos, contribuíram com 15% do total arrecadado. Somando a arrecadação dos 100 principais contribuintes de ICMS equivale a 68% do total arrecadado no ano.

Municípios
Os municípios que mais geram empregos no Rio Grande do Norte são, na maioria, os que mais contribuem com a geração de impostos no Estado. Em 2018, o comportamento das vagas geradas seguiu a curva de anos anteriores. A maior parte dos postos de trabalho abertos ficou nas áreas consideradas mais desenvolvidas do Estado. Natal foi o município que registrou maior saldo de empregos no ano passado com 1.567 novas vagas.

No ranking dos maiores bolsões de empregos gerados no Estado, Parnamirim surge como o segundo município empregador com um saldo de 1.052 vagas. Mossoró finalizou o ano de 2018 com 876 empregos gerados.

Arrecadação do ICMS

Combustíveis: 24%
Comércio varejista: 19%
Indústria de Transformação: 16%
Comércio atacadista: 16%
Energia elétrica: 11%
Outros: 7%
Comunicações: 5%
Indústria Extrativa: 2%
Transportes: 1%

Empregos formais gerados no RN (saldo)
2014     +10.757
2015    -11.929
2016    -15.653
2017    +847
2018    +5.542

Geração de emprego por setor em 2018
Serviços: +4.478
Comércio: +775
Construção Civil: +336
Agropecuária: +309
Administração Pública:  +103
Extrativa Mineral:  +82

Serviços Industriais de Utilidade
Pública: +38
Indústria de Transformação: -579