Ministério da Economia estuda programa de relocação para funcionários da Ford

Publicação: 2021-01-13 00:00:00
Adriana Fernandes
Agência Estado

O Ministério da Economia disse ter iniciado conversas para apoiar a recolocação dos 5,3 mil trabalhadores da Ford que devem perder o emprego com a saída da montadora do Brasil. Uma das possibilidades é a criação de um programa específico para ajudar esse grupo de trabalhadores altamente qualificados. Segundo apurou o Estadão, são ideias preliminares que começaram a surgir depois do anúncio da multinacional. Há outras indústrias investindo no Brasil que podem aproveitar esses trabalhadores que já estão treinados.

Créditos: rogério marques/futura press/estadão conteúdoEmpregados fizeram assembleias ontem e prometem vigílias em frente às fábricas da FordEmpregados fizeram assembleias ontem e prometem vigílias em frente às fábricas da Ford

saiba mais

O maior contingente de empregados está na fábrica de Camaçari, onde 4,06 mil trabalhadores estão envolvidos na produção dos modelos EcoSport e Ka e motores, além de áreas administrativas. Em Taubaté (SP), onde são produzidos motores e transmissões, são mais 830 funcionários, que se somam a 460 trabalhadores da fábrica dos jipes Troller em Horizonte (CE). Os números são de trabalhadores empregados diretamente pela Ford Não incluem, portanto, os empregados de fornecedores de peças da montadora, que também são afetados pela medida.

Apesar de a Ford ter sinalizado no início do governo Bolsonaro que deixaria o País, a equipe econômica acabou sendo surpreendida com o fechamento da fábrica de Camaçari (Bahia), considerada moderna e que recebeu investimentos recentes. A expectativa é que alguma das montadoras que estão investindo no Brasil possa adquirir as instalações e equipamentos dessa unidade.

Fontes da área econômica reconhecem que a notícia da Ford, divulgada num momento de recuperação das vendas em novembro, é "horrível" para o momento. Segundo essas fontes, GM, Fiat e Honda estão com planos de investimento e produção se recuperando Havia até uma preocupação com a falta de autopeças para a produção.

O anúncio da saída do País da Ford acabou colocando em debate a concessão de bilhões de incentivos tributários para a indústria automobilística. Dados do Ministério da Economia apontam que o nível dessas renúncias fiscais atingiu R$ 43,7 bilhões entre 2010 e 2020. O levantamento leva em consideração o que já foi concedido a todas as empresas do setor, já que os dados individuais são sigilosos.

A montadora, que já tinha encerrado a produção em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, comunicou que vai fechar neste ano as demais fábricas no País: Camaçari (BA), onde produz os modelos EcoSport e Ka, Taubaté (SP), que produz motores, e Horizonte (CE), onde são montados os jipes da marca Troller. Serão mantidos no Brasil a sede administrativa da montadora na América do Sul, em São Paulo, o centro de desenvolvimento de produto, na Bahia, e o campo de provas de Tatuí (SP).

A decisão da Ford terá impacto financeiro de aproximadamente US$ 4,1 bilhões em despesas não recorrentes, conforme informação divulgada pela montadora no anúncio de fechamento de três fábricas no País. Do total, cerca de US$ 2,5 bilhões terão impacto direto no caixa do grupo americano, sendo, em sua maioria, relacionados a compensações, rescisões, acordos e outros pagamentos. Outros US$ 1,6 bilhão decorrem de impacto contábil atribuído à baixa de créditos fiscais, depreciação acelerada e amortização de ativos fixos. Segundo a Ford, cerca de US$ 2,5 bilhões entram no balanço de 2020 e US$ 1,6 bilhão nas demonstrações financeiras de 2021.