Ministério da Saúde nega caso de coronavírus no Brasil

Publicação: 2020-01-23 00:00:00
O Ministério da Saúde informou, por meio de nota, que “não há detecção de nenhum caso suspeito no Brasil" de infecção por coronavírus. A nota do ministério contradiz a Secretaria Estadual de Saúde do Estado de Minas Gerais, que classificou como “caso suspeito de coronavírus" o de uma mulher de 35 anos que está internada em Belo Horizonte.

Créditos: Flávio TavaresSecretaria de Saúde de Minas Gerais informou que mulher foi internada com sintomas provenientes do coronavírus. Ministério negaSecretaria de Saúde de Minas Gerais informou que mulher foi internada com sintomas provenientes do coronavírus. Ministério nega
Secretaria de Saúde de Minas Gerais informou que mulher foi internada com sintomas provenientes do coronavírus. Ministério nega

“O caso noticiado pela SES/MG não se enquadra na definição de caso suspeito da Organização Mundial da Saúde (OMS), tendo em vista que o paciente esteve em Xangai, onde não há, até o momento, transmissão ativa do vírus. De acordo com a definição atual da OMS, só há transmissão ativa do vírus na província de Whuan", explicou o ministério da Saúde.

Segundo a pasta, o governo federal faz “monitoramento diário da situação junto à OMS, que acompanha o assunto desde as primeiras notificações de casos, em 31 de dezembro de 2019".

A paciente suspeita para o coronavírus em Belo Horizonte está internada no Hospital Eduardo Menezes (HEM). Segundo a Secretária de Saúde mineira, a mulher desembarcou na capital do Estado no último sábado, 18, apresentando “sintomas respiratórios compatíveis com a doença respiratória viral aguda".

Na China, o número de infectados chegou a 550 pessoas, com 17 mortes confirmadas.

Brasil aguarda definição da OMS
O governo federal já notificou a área de portos, aeroportos e fronteiras da Agência Nacional de Vigilâncias Sanitária (Anvisa) para as medidas de prevenção à entrada do coronavírus no País. A doença já causou mortes na China e foi confirmado o primeiro caso nos Estados Unidos, em um viajante vindo do país asiático.

A área de Vigilância Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde também foram notificadas para seguir as medidas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O ministério informou, em nota, que está monitorando a situação e, assim que houver definição da situação de emergência pela OMS, a pasta tomará as medidas cabíveis e passará novas orientações, assim que forem definidas.

Conforme a Pasta, são recomendadas cautelas para se evitar medidas restritivas e desproporcionais em relação aos riscos para a saúde e trânsito de pessoas, bens e mercadorias. A nota acentua que, até o momento, não há detecção de nenhum caso suspeito no Brasil de pneumonia indeterminada relacionado ao evento da China.

“A pasta tem realizado monitoramento diário da situação junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), que acompanha o assunto desde as primeiras notificações de casos, em 31 de dezembro de 2019", declarou o ministério. "As informações disponíveis até o momento são limitadas para determinar risco geral de surto relacionado à doença. Os casos estão restritos a trabalhadores ou visitantes de um mercado atacadista de peixes e animais vivos na cidade Wuhan, na China."

Sintomas
Os sinais e sintomas da pneumonia indeterminada são principalmente febre, dor, dificuldade em respirar em alguns pacientes e infiltrado pulmonar bilateral.

Embora a causa da doença e do mecanismo de transmissão sejam desconhecidos, no Brasil, o Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de infecções respiratórias agudas.

Entre as orientações estão:
1) Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;

2) Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;

3) Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas e criações.