Momento atual da pandemia no Rio Grande do Norte é preocupante, diz Sesap

Publicação: 2021-02-18 00:00:00
Cláudio Oliveira
Repórter
Preocupante, delicado e complexo. É assim que o Governo do Estado está definindo o momento atual da pandemia do novo coronavírus no Rio Grande do Norte, considerando o aumento no número de casos confirmados, as constantes aglomerações intensificadas durante os dias de carnaval e a ocupação dos leitos na rede hospitalar. Se a população mantiver o mesmo comportamento, gerando aglomerações como as ocorridas no carnaval na praia de Pipa, por exemplo, a expectativa dos gestores é de que a situação deverá se agravar.

Créditos: ReproduçãoComo se a pandemia fizesse parte do passado, milhares de pessoas disputaram espaço na principal avenida de Pipa no fim de semanaComo se a pandemia fizesse parte do passado, milhares de pessoas disputaram espaço na principal avenida de Pipa no fim de semana

Até a tarde desta quarta-feira (17), a ocupação de leitos críticos no Estado estava em 75,10%, sendo que nove dos 19 hospitais com leitos críticos estavam sem vagas. A Região Metropolitana de Natal continuava sendo a mais preocupante com 87,4% de ocupação, segundo o Portal Regula RN, que armazena as informações sobre o sistema de regulação de leitos para o tratamento da covid-19.

“O cenário atual é preocupante. Aumentou o número de casos confirmados, aumentou a ocupação. Houve investimento na estruturação de leitos em todas as regiões, mas este é um momento em que se registra uma sobrecarga nos leitos da Região Metropolitana. A taxa de permanência dos pacientes internados também tem se elevado”, relatou a secretária adjunta de Saúde Pública  do Rio Grande do Norte, Maura Sobreiro.

O Boletim Epidemiológico com dados da covid-19 divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN) nesta quarta-feira, mostrou que o Estado já confirmou 157.422 casos da doença e há outros 73.756 suspeitos. Já foram confirmadas 3.424 mortes ocasionadas pelo coronavírus e há 651 em investigação. 

Para avaliar a situação e adotar medidas que contenham o avanço do vírus, Maura Sobreira relatou que a governadora Fátima Bezerra reuniu, na terça-feira (16), prefeitos e secretários de saúde dos municípios da Grande Natal, bem como representantes do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (MPRN). 

“O cenário foi avaliado e um conjunto de medidas foi definido, como a expansão de leitos e a retomada de forma mais efetiva das ações do programa Pacto Pela Vida, que fiscaliza as ações acerca do isolamento social”, explicou Maura Sobreira.

Aos representantes dos municípios, a governadora Fátima Bezerra propôs trabalhar em conjunto para reforçar essas medidas e se comprometeu a abrir mais leitos. “O quadro é delicado e complexo, com taxa de hospitalização beirando 100%. Por isso, o foco é na expansão de leitos críticos. Vamos alinhar o conteúdo dos decretos, chamando a população a cumprir medidas restritivas e protocolos sanitários. Levando em consideração, especialmente, o uso de máscaras e não aglomerar”, disse Fátima Bezerra.

Além disso, o trabalho visa fortalecer ações de vigilância para identificar os casos de covid e fazer com que a Atenção Básica esteja mobilizada para promover o isolamento de pessoas com sintomas, realizar testagem e garantir ofertas de leitos. Porém, o titular da Sesap, Cipriano Maia, ressaltou que nada disso resolve o problema se não contiver a transmissibilidade do vírus. “Quanto mais pessoas contaminadas, mais casos e mais internações”, frisou.

Leitos
Segundo Cipriano Maia, o Governo implantou leitos para pacientes com covid-19 desde o início da pandemia em todas as regiões, totalizando 600. Entre setembro e outubro, com a redução na taxa de ocupação, alguns desses equipamentos foram desinstalados, mas foi preciso reabri-los em dezembro, após as aglomerações provocadas pelas movimentações das campanhas eleitorais elevarem o número de casos.

“A estratégia de nova expansão de leitos inclui o Hospital Giselda Trigueiro, em Natal; o Belarmina Monte, em São Gonçalo do Amarante; a Maternidade Divino Amor, em Parnamirim; e o Hospital Universitário Onofre Lopes, solicitando que a UFRN disponibilize os leitos que atenderam os pacientes de Manaus”, explicou o secretário. Além disso, o plano conta com o remanejamento de pacientes de regiões com leitos ocupados para aquelas onde ainda houver vagas.

Maia disse que o Governo está mobilizando recursos disponíveis do “orçamento covid” para investir nos hospitais. Natal, por exemplo, tem dificuldade com equipamentos e a disponibilização dessa verba, que restou do que foi enviado pelo Governo Federal no ano passado vai garantir a abertura de mais 10 leitos no Hospital Municipal de Campanha.

Cipriano Maia pontuou que não há, no momento, a previsão da chegada de mais recursos da União para garantir a assistência na rede que foi estruturada. O dinheiro é utilizado para pagar equipes, comprar Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e insumos, por exemplo. “Mas é preciso ressaltar que a discussão não se restringe a leitos, mas a intensificar medidas de controle para evitar aglomerações, reduzir transmissibilidade e evitar mais casos e internações e mortes”, destacou Cipriano Maia.

Créditos: Divulgação/SesapMaura Sobreira, secretária adjunta de Saúde Pública do Rio Grande do Norte, chamou atenção para riscos das aglomerações ao RNMaura Sobreira, secretária adjunta de Saúde Pública do Rio Grande do Norte, chamou atenção para riscos das aglomerações ao RN

Governo e Municípios tentam conter aglomerações
Retirar o ponto facultativo dos dias de carnaval, foi uma medida do Governo do Estado para evitar aglomerações, porém, em algumas áreas, a movimentação saiu do controle, como no litoral Sul. Na praia de Pipa, por exemplo, foi preciso enviar reforço policial para conter aglomerações na avenida principal do vilarejo que a governadora Fátima Bezerra considerou como um “atentado contra a vida”.

Aos municípios, o Governo do Estado disponibilizou as forças de segurança para fazer cumprir as medidas de mitigação do avanço da pandemia. Barreiras sanitárias deverão ser para instaladas para coibir aglomerações.

A Prefeitura de Tibau do Sul, informou que desde a sexta-feira (12) vem promovendo uma ação educativa em vários pontos da cidade, na expectativa de que a população, em especial os turistas, respeitem as orientações e os protocolos de saúde. “Porém, essas orientações não foram seguidas, o que causou um grande transtorno em nossa cidade e por conta disso medidas mais rígidas foram adotadas”, informou.

No início desta semana, a Prefeitura de Tibau do Sul publicou  novo decreto estabelecendo que o horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais nas avenidas e ruas da praia da Pipa, local de maior concentração de turistas, encerrará às 22h.

A utilização de qualquer sistema que propague som de música e que possa promover aglomeração, está expressamente proibida em todo o município, sejam em vias públicas ou em propriedades privadas de qualquer natureza, podendo os agentes municipais promoverem a sua imediata interdição, na hipótese de descumprimento do decreto.

Novas vacinas devem chegar dia 22 ao Estado
Para a próxima segunda-feira (22) está prevista nova remessa de doses da vacina contra o coronavírus. A Sesap/RN ainda não sabe quantas doses chegarão, de qual laboratório será e nem o horário que chega. Segundo a pasta, isso ainda será informado em ofício pelo Ministério da Saúde.

Até esta quarta-feira (17) a plataforma RN Mais Vacina registrava que 76.949 pessoas tinham sido vacinadas no Estado, o que corresponde a pouco mais de 2% da população potiguar.

A Sesap também esclareceu que o cronograma de vacinação proposto na Nota Informativa Conjunta Nº 01/2021, publicada no último dia 7, não determinava a vacinação de idosos a partir de 90 anos para os dias 17, 18 e 19 deste mês, mas que apresentava apenas uma orientação, que obedeceria a um cronograma passível de mudança pelos municípios dependendo do número de doses disponíveis  enviadas pelo Ministério da Saúde.

A menção da data na nota confundiu algumas pessoas que levaram idosos de tais faixas etárias para receberem a vacina em Natal, sendo que na capital a vacinação ainda não está aberta para esse público e, por isso, as pessoas saíram de casa e esperaram em vão.

“De acordo com o número de idosos dessa faixa etária no município, pode haver necessidade de mais dias ou menos dias para proceder a cada etapa referente à vacinação específica para essa idade. Assim, os municípios têm autonomia para elaborar cronograma próprio desde que respeite a ordem decrescente de idade para a vacinação, isto é, do mais idoso para o menos idoso”, diz o documento da Sesap.

Pressionado pela escassez de doses de vacina da covid-19, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, repetiu nesta quarta-feira, 17, que toda a população será imunizada em 2021 contando com vacinas ainda não autorizadas no Brasil.