Monitor do PIB recua 0,4% em fevereiro ante janeiro

Publicação: 2019-04-18 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro encolheu 0,4% na passagem de janeiro para fevereiro, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e divulgado nesta quarta-feira, 17. Na comparação com o segundo mês de 2018, porém, a atividade econômica avançou 2,3% em fevereiro deste ano.

Um dos setores mais impactados com a redução do PIB no mês em referência foi a agricultura
Um dos setores mais impactados com a redução do PIB no mês em referência foi a agricultura

“O recuo de 0,4% do PIB em fevereiro, de acordo com o Monitor do PIB-FGV, é consequência das retrações nas três grandes atividades econômicas (agropecuária, indústria e serviços). Apesar disso, os resultados interanuais mostram melhora substancial da economia, tanto pelo lado da oferta quanto pelo lado da demanda. Essas variações opostas retratam o cenário econômico vivido atualmente no País: a economia ainda evolui positivamente com relação ao ano de 2018, porém não consegue reagir em 2019 dada a grande incerteza com relação ao cenário político e às reformas necessárias para que a economia deslanche.  Aparentemente, a economia está em modo de espera", avaliou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, em nota oficial.

Na passagem de janeiro para fevereiro, o PIB agropecuário diminuiu 3,0%, o PIB industrial encolheu 1,3% e o PIB dos serviços caiu 0,1%.

Na comparação com fevereiro de 2018, houve perdas apenas nas atividades agropecuária (-0,2%) e indústria extrativa mineral (-8,8%), como consequência do rompimento de uma barragem da Vale na região de Brumadinho, em Minas Gerais, no fim de janeiro. A indústria de transformação cresceu 3,4%, o comércio teve expansão de 5,0%, e os transportes tiveram avanço de 3,2%.

Sob a ótica da demanda, ainda em relação a fevereiro do ano passado, as quedas ocorreram no consumo do governo (-0,6%) e nas importações (-10,0%). O consumo das famílias aumentou 3,8%, enquanto a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) teve elevação de 5,1%. Em termos monetários, o PIB totalizou aproximadamente R$ 1,154 trilhão em valores correntes no primeiro bimestre do ano.

Recuperação de crédito
O indicador de recuperação de crédito da Boa Vista SCPC recuou 6,5% no primeiro trimestre do ano em relação a igual período do ano anterior, revelou nesta quarta-feira, 17, a instituição de proteção ao crédito. Já em março, houve queda de 3,3%, com ajuste sazonal, em relação o número de pedidos registrado no mês anterior. Já na análise interanual, foi verificada queda de 10,2% ante março de 2018.

“O movimento negativo em 12 meses resulta ainda das dificuldades enfrentadas pelos consumidores, com lenta retomada da atividade e mercado de trabalho ainda fragilizado", aponta a Boa Vista em nota. “Espera-se que com a diminuição da desocupação e melhora na renda, as famílias encontrem situação financeira mais favorável, que permitirá uma evolução mais consistente na recuperação de crédito", explica.

Por região, apenas a Norte registrou alta na recuperação de crédito, com expansão de 1,8%. Já a região Sul teve o pior resultado, com queda de 14,8%, seguida por Centro-Oeste (-7,6%), Sudeste (-5,1%) e Nordeste (-5,0%).








continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários