Morre Hélio Câmara, o ícone do rádio esportivo do RN

Publicação: 2019-01-20 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O radialista Hélio Câmara, famoso pelas narrações de jogos que marcaram a história do futebol potiguar, foi velado e sepultado na tarde deste sábado (19), na capital potiguar, aos 78 anos de idade. Natural de Rio do Fogo, o radialista, que passou 44 anos atuando como narrador e comentarista, faleceu em decorrência de um câncer nos ossos, na madrugada do sábado. 

Hélio Câmara (camisa escura) fez parte da era de ouro da Rádio Cabugi, integrando a equipe do ‘Escrete de Ouro’
Hélio Câmara (camisa escura) fez parte da era de ouro da Rádio Cabugi, integrando a equipe do ‘Escrete de Ouro’

Hélio Câmara fez parte da era de ouro da Rádio Cabugi, a "Escrete de Ouro", como foi intitulada a equipe esportiva da rádio, composta, além de Hélio, por Assis de Paula, Marco Antônio, o garotinho da Copa, José Carlos de Oliveira e os comentaristas Rubens Lemos e Adeotado Reis. Além da Rádio Cabugi, Câmara passou também, ao longo de suas quase 5 décadas de carreira, pelas rádios Rural, Poti, Tropical, Globo e 95 FM. Sua primeira narração foi em 1961, em uma partida entre Alecrim e ABC, pela Rádio Cabugi. Em 2013, teve sua última passagem pelo rádio natalense, na 95 FM. 

Além de comentarista, Hélio chegou a atuar como zagueiro, entre os anos de 1964 e 1967 no Potiguar. Seus programas, de acordo com colegas como Santos Neto, diretor da Rádio Globo Natal, eram líderes de audiência, e as reproduções de suas narrações são algumas das mais requisitadas até hoje. "Todos sabiam de sua preferência pelo América mas, acima disso, sabiam do respeito que ele tinha por todos os times. Isso fez com que ele também fosse muito respeitado entre todas as torcidas, e seus programas eram líderes de audiência”, afirma Santos Neto. 

Uma narração em particular marcou a história de Hélio Câmara e, também, do futebol brasileiro: o gol de 1996 que deu o acesso ao América para a Série A, feito aos 47 minutos de jogo. Americano de coração, Hélio não conseguiu conter a emoção ao narrar o acontecimento. Após anunciar o Gol, é possível ouvir o narrador gritando: "Meu Deus! Obrigado, meu Deus! Obrigado! A justiça divina!", transmitindo a emoção que tomou conta não apenas dele, mas de milhares de torcedores do time alvirrubro. 

A paixão pelo esporte foi relatada pelo próprio Hélio, em entrevista na Rádio Globo em 2013. "O futebol antes de mais nada aproxima, mas também abre polêmicas extraordinárias, em busca de uma verdade que não existe, porque não sendo ciência exata, a verdade não paira, são na verdade acidentes de percurso. Mas é o futebol minha paixão, e é também a paixão de bilhões de outros seres humanos", disse Hélio. 

Marcos Lopes, atual narrador da Rádio Globo, ressalta a importância de Hélio para o futebol potiguar. "Era um narrador diferenciado, ele tinha algumas tiradas e situações ao longo do jogo. Ele criou apelidos que acabavam pegando, como Moura, de Príncipe Negro da Pousada, que ficou até hoje e virou título da biografia do jogador. Mesmo sendo declaradamente americano, era respeitado por todos os times. O Hélio foi a grande referência do rádio esportivo aqui no Estado, aquele nome que fica imortalizado na história, é uma perda enorme", afirma Lopes. 

O repórter esportivo Chico Inácio, que também foi parceiro de Hélio na rádio Cabugi/Globo, e que hoje atua na 98FM, também destacou a importância do narrador. "Suas narrações tinham um brilho especial, ele criava bordões e apelidos que entraram para a história do futebol". 

O editor de esportes da TRIBUNA DO NORTE, Itamar Ciríaco, ressalta a emoção provocada pelo radialista em suas narrativas. "O som, mais que a imagem, toca a alma. A voz de Hélio Câmara foi, durante anos, a responsável por levar emoção à alma dos que são apaixonados por futebol. É mais uma lenda do nosso esporte que nos deixa. Mas as lendas não morrem, elas se eternizam", declara o editor. 

Além da carreira consolidada como radialista, Hélio teve passagens por outros setores: na década de 1980, tentou ingressar na carreira política. Em 1982, foi candidato a Deputado Estadual, tendo conquistado 6.151 votos, porém não foi eleito. Em 1988, tentou novamente eleição para outro cargo, desta vez na Câmara Municipal de Natal, onde também não obteve votos suficientes para se eleger. No mesmo período, atuou como presidente da Federação Norte-riograndense de Futebol. 

A FNF também emitiu uma nota de pesar pelo falecimento de Hélio. "Hélio tinha mais de 40 anos de profissão, narrou e contou diversas histórias que emocionaram os torcedores potiguares. Neste momento de dor e consternação, a FNF se solidariza e deseja o conforto à família para que possam enfrentar esta imensurável dor, com a certeza de Deus em seus corações", diz a nota. 


continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários