Mutuários da antiga Cohab têm até final de julho para negociar dívidas dos imóveis

Publicação: 2019-07-11 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
Com o objetivo de regularizar a situação dos imóveis dos conjuntos habitacionais de Natal, a Companhia de Processamento de Dados do Rio Grande do Norte (Datanorte) está convocando os mutuários e inadimplentes para que eles possam negociar as dívidas e obter o título da casa própria.

Rosângela Fonseca diz que intenção é regularizar os imóveis dos conjuntos habitacionais de Natal
Rosângela Fonseca diz que intenção é regularizar os imóveis dos conjuntos habitacionais de Natal

Durante todo o mês de julho uma equipe de funcionários estará atuando na sede da Companhia, na Ribeira, das 8h às 14h irá atender a todos que buscarem o serviço para regularizar as pendências de seus imóveis. De acordo com a presidente do Datanorte, Rosângela Fonseca, apesar de não haver atualmente um inventário de que indique quantos imóveis estão irregulares, sabe-se que o problema da maior parte dos proprietários é a inadimplência.

"Em 90% dos casos, os proprietários estão inadimplentes. Os valores são baixos, e muitos acabam não procurando porque têm medo de perder a casa, mas a nossa intenção é o contrário: garantir que as pessoas possam obter o título da casa própria, e que esse imóvel saia das mãos do Estado", afirma a diretora. Atualmente, de acordo com ela, a Companhia está trabalhando para tentar contabilizar o total de imóveis irregulares e inadimplentes.

Entre o fim da década de 1960 e o início dos anos 1990, a extinta Companhia de Habitação Popular do Rio Grande do Norte, a Cohab, construiu os primeiros conjuntos habitacionais populares do Estado. Ao fim desse período, foram quase 40 mil moradias entregues às famílias, que pagavam prestações abaixo dos valores de mercado ao Estado.

Em 1995, a Cohab foi extinta, e seu acervo imobiliário passou a ser gerido pela Datanorte. Além dessa empresa, o Datanorte também é responsável por gerir o patrimônio de outras sete empresas estatais que também foram extintas no mesmo período.

De acordo com o Balanço Patrimonial da Companhia de 2018, publicado no Diário Oficial do Estado, a maior parte dos valores a receber diz respeito a prestações de mutuários em atraso que, somadas, correspondem a R$ 125.915.273,00. Apenas da Cohab, seriam R$ 190.990,00 devidos.

"Em muitos casos, o que acontece é que o proprietário original do imóveis passou ele para terceiros e deixou de efetuar o pagamento. Com a extinção da Cohab, muitos também ficaram sem saber a quem procurar, e pararam de pagar", afirma Rosângela. De acordo com ela, o Estado tem interesse em fazer acordos para que as dívidas sejam quitadas de forma rápida.

"Os valores são muito diversos, porque cada imóvel tem o seu tamanho e especificidade. Mas, como a Cohab tinha a função social, não são parcelas altas. Também não há uma zona específica da cidade onde eles estejam concentrados: há inadimplência nos conjuntos da zona Norte à zona Sul", completa.

Aqueles que residem em conjuntos Datanorte e têm interesse em regularizar o imóvel para obtenção do título da casa própria devem se dirigir à sede do Datanorte, que fica em frente à antiga rodoviária da Ribeira, próximo ao largo do Teatro Alberto Maranhão, munidos de carteira de identidade, CPF e comprovante de residência. O serviço vai funcionar das 8h às 14h, ao longo de todo o mês de julho.




continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • serginho.todosossantos

    Bom dia! seria muito interessante que isto fosse mesmo regularizado, pois ja se arrasta por muitos anos, alem do problema dos mutuarios existe tambem dos ex funcionarios que foram tirados da suas situaçoes de empregados para ex, foram redistribuidos em empresas do governo e ate hoje convivem com a incerteza. triste realidade, sabendo-se que esta situação foi criada por mais uma tentativa do governo de resolver problemas e acaba criando outros e ainda por cima uzando pessoas. estes funcionario foram submetido a um nivel de strees tao grande que ate hoje deposi de varios anos ainda carregam as sequelas.