Na Bolívia, interina vai aos militares

Publicação: 2019-11-14 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
La Paz (AE) - Um dia depois de se declarar presidente interina da Bolívia, a senadora Jeanine Áñez aproximou-se nesta quarta-feira, 13, dos militares. Além de empossar o novo comando das Forças Armadas, ela passou em revista a guarnição da polícia e foi ao velório do coronel Heybert Antelo, comandante da tropa de elite que morreu na terça-feira. Em discurso, ela negou a tese de golpe de Estado e anunciou que convocará eleições gerais "no menor tempo possível".

Fora do palácio presidencial, apoiadores do ex-presidente Evo Morales e forças militares voltaram a entrar em choque, transformando a região central de La Paz em uma praça de guerra. Também foram registrados confrontos em outras regiões da Bolívia Uma pessoa morreu no Departamento de Santa Cruz. Segundo fontes bolivianas, a decisão de iniciar seu governo dando posse ao novo comando militar foi uma demonstração de força de Jeanine. Na cerimônia, o novo governo voltou a usar a Bíblia e a cruz, banidos durante a presidência de Evo, e excluiu a saudação "Pátria ou morte" usada pelo antecessor.

No pronunciamento, a presidente contestou a tese de golpe de Estado defendida por Evo e disse que o objetivo do governo de transição é "mudar o regime que fez desaparecer na Bolívia a separação entre poderes e a liberdade de imprensa". Jeanine anunciou também que vai agir para que seja anulada a sentença que deu a Evo o direito de concorrer ao quarto mandato, em 2017, contrariando um artigo da Constituição e o resultado de um referendo realizado naquele mesmo ano. A insistência em forçar um novo mandato é vista como a origem da crise que levou à renúncia.

Nesta quarta, Jeanine voltou a prometer novas eleições em breve, mas não fixou um prazo. Enquanto a presidente falava, a polícia e as Forças Armadas lançavam bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes pró-Evo que vieram de El Alto, região metropolitana de La Paz, e de pequenas aldeias do altiplano, atendendo à convocação de sindicatos de trabalhadores rurais.





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários