Na falta da coleta, lixo vai parar em frente à Prefeitura

Publicação: 2012-12-29 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A falta de coleta de lixo em Natal e as ruas tomadas por dejetos e sujeira gerou mais uma manifestação popular na cidade. Na tarde de ontem, dezenas de manifestantes foram ao prédio da Prefeitura do Natal em protesto contra os problemas na coleta. Na manifestação, o grupo colocou sacos de lixo em frente ao Palácio Felipe Camarão e em meio à rua Ulisses Caldas, interrompendo o trânsito na via. A polícia foi convocada e o prefeito em exercício Ney Lopes Júnior conversou com os manifestantes. O gestor garantiu que a coleta seria retomada ainda na noite de ontem.
Magnus NascimentoNa manifestação, o natalense jogou sacos de lixo em meio à rua Ulisses Caldas, interrompendo o trânsitoNa manifestação, o natalense jogou sacos de lixo em meio à rua Ulisses Caldas, interrompendo o trânsito

O protesto foi organizado via redes sociais. Os manifestantes levaram sacos de lixo que estavam depositados em esquinas das ruas do Centro e jogavam na calçada do prédio da prefeitura e na rua Ulisses Caldas. Os guardas municipais, porém, realizaram o isolamento da porta que dá acesso ao interior do prédio, impedindo que o lixo também fosse jogado dentro da Prefeitura. Uma moradora de rua foi aplaudida quando trouxe duas carroças de coletar material reciclável cheias de lixo. “Um homem pediu para ajudar e eu trouxe. As ruas estão sujas mesmo e a prefeitura não faz nada. Tem que protestar”, disse Ângela Maria da Silva.

A manifestação começou por volta das 15h de forma tímida. Aos poucos, outras pessoas foram unindo-se ao grupo e pouco tempo depois já não era possível transitar de carro pelo local. O trânsito foi desviado e causou um pequeno engarrafamento. “Moro em Mãe Luiza e a situação de lá está muito precária. Não há coleta há muito tempo. Corremos o risco de pegar doença se o lixo não for recolhido”, reclamou o radialista Joarez Pereira.

Apesar da aglomeração e da quantidade de lixo despejada, não houve conflitos entre manifestantes e policiais durante o protesto. Por volta das 16h, um caminhão da empresa Líder e garis foram levados ao local para recolherem o lixo da rua Ulisses Caldas. A Polícia Militar também foi ao local para garantir a continuidade do serviço de limpeza, sob protestos dos membros da manifestação.

Por volta das 16h45, o prefeito em exercício Ney Lopes Júnior chegou ao local para conversar com os manifestantes. O atual prefeito garantiu que fez os pagamentos às empresas responsáveis pelo recolhimento de lixo (Marquise, Braseco, Líder e Trópicos), no valor de cerca de R$ 5 milhões, referentes a valores em atraso, de vários meses do segundo semestre deste ano. A operação de limpeza prevista para ontem seria iniciada ainda à noite.

Em conversa com a imprensa, o prefeito explicou que o pagamento foi possível graças a liberação de R$ 3,5 milhões proveniente de uma ação judicial no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). “Havia uma pendência judicial contra a  A. Marca e o Município tinha direito a esse ressarcimento. O juiz Cássio Oliveira Manoel ordenou a liberação dessa verba”, contou Ney Júnior. O restante, R$ 1,2 milhão, veio da arrecadação própria do município. O repasse total para a Companhia de Serviços Urbanos de Natal (Urbana) foi de de R$ 4,703 milhões.

Ney Júnior disse que, com isso, efetuou o pagamento de todas as pendências junto à Urbana. “Com relação às despesas com o lixo, fizemos o pagamento na ordem de quase R$ 5 milhões na tarde de hoje [ontem] e condicionei o pagamento à retomada imediata do recolhimento de lixo”, afirmou. Apesar do pagamento, a Urbana não retirou o pedido feito à Justiça no bloqueio nas contas da Prefeitura. Com o pagamento, a Urbana solicitou à Justiça o bloqueio apenas da diferença entre o valor pago e o valor pedido anteriormente, que foi de R$ 5,002 milhões. A petição foi encaminhada ao plantão do judiciário.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários