Na TV, Bolsonaro e Haddad divergem sobre armamento, ministérios e Mais Médicos

Publicação: 2018-10-11 21:15:00 | Comentários: 0
A+ A-
Em entrevistas gravadas para a RedeTV! separadamente, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) entraram em rota de colisão ao defenderem ponto de vistas diferentes em relação a algumas propostas para o País. Uma das principais divergências foi em relação ao armamento da população.

Jair Bolsonaro permanece em casa e Haddad vai a Curitiba
Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, candidatos à presidência

"Todo cidadão de bem que queira ter arma dentro de casa, com alguns critérios, (que) possa tê-la", disse Bolsonaro, ressaltando que a medida caberia à análise do Congresso Nacional. "Quem tem que portar armas é a polícia para garantir direito de segurança pública", comentou Haddad.

Outra discordância foi em relação à criação ou extinção de ministérios no governo. O petista prometeu reativar as pastas de Política para as Mulheres e Igualdade Racial, além de separar das Comunicações o Ministério da Ciência e Tecnologia. O candidato do PSL, por sua vez, disse que os ministérios extintos estavam atendendo a interesses partidários. Ele prometeu nomear ministros com "competência, interesse e liberdade de iniciativa".

Sobre o agronegócio, Bolsonaro prometeu tipificar como "terrorismo" as ações do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), prometendo ainda uma legislação trabalhista diferente para o campo. Já Haddad prometeu apoiar o agronegócio, mas ponderou que é preciso agir para que toda terra seja produtiva e não fique improdutiva.

Em relação ao programa Mais Médicos, o candidato petista prometeu ampliar contratando médicos especialistas e construindo uma policlínica para cada 50 mil habitantes no País. Bolsonaro criticou o programa e disse que não manteria o modelo como está sendo feito. Para ele, o Mais Médicos não pode trazer uma suposta médica mãe cubana ao Brasil e deixar seu filho no país de origem.

Falando sobre drogas, Haddad defendeu "traficante na cadeia e usuário com tratamento". Bolsonaro afirmou que não passa por sua cabeça a liberação das drogas, mas ponderou que não vai 'perseguir' usuários.

Questionados sobre regulação da mídia, Bolsonaro afirmou que a imprensa tem que ser "livre" e disse que "a imprensa que realmente estiver voltada com a verdade vai ser valorizada", criticando a proposta do PT de regular a mídia. Haddad afirmou, por sua vez, que uma família não pode concentrar o controle de meios de comunicação em um Estado como Bahia, Alagoas ou Maranhão.

Na Educação, Haddad falou em priorizar o ensino médio em um eventual governo e fazer com que as escolas federais sejam responsáveis por melhorar o ensino das escolas estaduais. Bolsonaro pregou contra a chamada "ideologia de gênero" e defendeu "excluir" um estudante que agrida o professor.

Acenos
Os dois candidatos fizeram acenos ao eleitorado mais pobre. O petista reforçou que vai fortalecer o Bolsa Família e citou que o programa é uma das principais ações dos governos petistas. Bolsonaro citou sua proposta de conceder um 13º a quem recebe o benefício e combater a fraude, dando o pagamento para quem "realmente merece e precisa".

Os dois candidatos prometeram também acabar com o Imposto de Renda para aqueles que ganham até cinco salários mínimos.

Na entrevista, Bolsonaro reforçou que geração de energia, Banco do Brasil, Caixa e Banco do Nordeste serão preservados de privatização. Haddad, por sua vez, afirmou que Eletrobras, Correios, BB e Caixa são "estatais intocáveis".

Estadão Conteúdo




continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários