Natal 420 anos: PIB de Natal cresce 137% em 10 anos

Publicação: 2019-12-22 00:00:00
A+ A-
Ricardo Araújo
Editor de Economia

Em uma década, a soma de todas as riquezas produzidas em Natal, capital do Rio Grande do Norte, mais que dobrou. Dados tabulados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com exclusividade para a TRIBUNA DO NORTE mostram que o Produto Interno Bruto (PIB) natalense saltou dos R$ 9,8 bilhões em 2008 para R$ 23,4 bilhões em 2017. No mesmo período, o quantitativo de empresas ativas ascendeu, a arrecadação de impostos cresceu, a participação da indústria na economia do município expandiu e o setor de serviços se tornou indispensável à saúde financeira da cidade. 

Créditos: Alex RégisSegundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Natal concentra 35% do PIB estadual e 45% dos impostos sobre produtos são gerados na cidadeSegundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Natal concentra 35% do PIB estadual e 45% dos impostos sobre produtos são gerados na cidade
Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Natal concentra 35% do PIB estadual e 45% dos impostos sobre produtos são gerados na cidade

“Natal concentra 35% do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Norte, ou seja, mais de um terço de tudo que se produz em bens e serviços no Estado. Além disso, 45% dos impostos sobre produtos do Estado são gerados em Natal. Isso evidencia que a capital potiguar tem grande participação tanto para a produção quanto para a administração pública no Rio Grande do Norte”, analisa Flávio Queiroz, supervisor de Disseminação de Informações do IBGE/RN. De 2008 para 2017, a arrecadação de impostos na cidade saiu de R$ 1,4 bilhão para R$  3,1 bilhões – aumento percentual de 114,2%. Esse aumento comprova que Natal participa com 45,72% dos impostos arrecadados em todo o Estado.

Conforme o IBGE, somente o setor de Serviços representa 65% do valor adicionado bruto do Produto Interno Bruto natalense. Em 2008, esse indispensável segmento da economia local fazia girar R$ 5,1 bilhões. Dez anos depois, esse valos subiu para R$ 13,1 bilhões. “Os serviços ofertados na capital são diversos, pois Natal concentra grande parte de serviços bancários, de saúde e de educação do Estado. Ressalta-se também que os serviços na capital são mais intensivos em capital intelectual, como os da área de informática. As distintas atividades do setor de serviços contribuem de forma significativa para o PIB”, afirma Flávio Queiroz. Ele destaca, nesse cenário, o setor do Comércio, pelo fato gerar muitos empregos. Em 2017, enquanto o Comércio tinha 50 mil trabalhadores assalariados, o setor de alojamento e alimentação, por exemplo, tinha 15 mil. 

Esse número, porém, poderia ser melhor, conforme aponta Flávio Queiroz. “Em relação às atividades de alojamento e alimentação, enquanto manteve a quantidade de pessoal ocupado, de 2010 a 2017, praticamente estável, com cerca de 15 mil pessoas. João Pessoa e Fortaleza elevaram em mais de 20% o número de pessoas nessas atividades no mesmo período. Com as belezas das praias urbanas e a infraestrutura hoteleira da cidade, esta década poderia ter sido melhor, considerando as capitais dos Estados vizinhos”, destaca.

Quanto à participação da Indústria na formatação do PIB de Natal, saltou de R$ 1,4 bilhão em 2008 para R$ 2,9 bilhões em 2017 em números absolutos e de 19,69% para 27,31% na composição do PIB, segundo dados mais atuais do IBGE. Há, contudo, um longo caminho a ser percorrido para que as indústrias instaladas na capital do Rio Grande do Norte possam contribuir mais para a soma das riquezas produzidas localmente.
 
“A indústria perdeu participação no PIB de Natal ao longo dos anos. Nneste momento, podemos questionar qual a inserção da capital na indústria 4.0 e como as iniciativas públicas e privadas irão aproveitar a conjuntura de aumento da demanda por produtos e serviços baseados em tecnologia. Recife, por exemplo, tem o Porto Digital como referência, mas Natal ainda carece de mais iniciativas para aproveitar toda a força produtiva que vem dos jovens recém-formados nas nossas universidades”, frisa Flávio Queiroz. 

Natal 420 Anos

A reportagem integra uma série de matérias especiais de fim de ano na TRIBUNA DO NORTE em comemoração aos 420 Anos da Cidade do Natal, celebrados no próximo dia 25 de dezembro. A série aborda diversos temas nas editorias de Cultura, Esportes, Política, Economia e Cidades e segue até a edição impressa do próximo dia 1º de janeiro de 2020. 

Raio X
Veja abaixo as principais informações sobre a economia de Natal conforme dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

População*
803.739 habitantes 

Economia
PIB per capita: R$ 26.497,08 

Produto Interno Bruto
R$ 9,8 bilhões em 2008
R$ 23,4 bilhões em 2017

Trabalho e Rendimento
Em 2017, o salário médio mensal era de 3,0 salários mínimos. A proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era de 36,6%. 

Saúde
A taxa de mortalidade infantil média na cidade é de 13,31 para 1.000 nascidos vivos. As internações devido a diarreias são de 0,2 para cada 1.000 habitantes.

Território e Ambiente
Apresenta 61,8% de domicílios com esgotamento sanitário adequado, 44,7% de domicílios urbanos em vias públicas com arborização e 16,5% de domicílios urbanos em vias públicas com urbanização adequada (presença de bueiro, calçada, pavimentação e meio-fio).

*Estimada em 2019
Fonte: IBGE