Cookie Consent
Natal
Natal está fora da situação de epidemia, segundo SMS
Publicado: 00:00:00 - 20/05/2016 Atualizado: 21:45:49 - 19/05/2016
Não há mais epidemia de dengue em Natal. É o que afirma a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Ainda assim, 10.118 casos foram notificados na capital do dia 1º de janeiro até o dia 13 deste mês. De acordo com os padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde, a curva estatística que mostra os casos de dengue está há seis semanas abaixo do limite máximo esperado para esta época. O titular da SMS, Luiz Roberto Fonseca, explicou que a diminuição no número de casos é atribuída a metodologia de trabalho do programa Vigia Dengue e a força tarefa montada entre as secretarias da prefeitura no combate ao Aedes aegypti.

Leia Mais

“Antes do Vigia Dengue, dispersávamos os esforços de forma homogênea na  cidade. Após o programa, conhecemos as áreas de maior intensidade de proliferação e pudemos trabalhar em cima delas. Natal pode dizer que saiu da epidemia graças a um trabalho de muito compromisso das equipes do Centro do Controle de Zoonoses e do Departamento de Vigilância em Saúde, o engajamento dos agentes de endemias e da população”, avalia.

De acordo com o diretor do Centro de Controle de Zoonoses, Alessandre Medeiros, ações diferenciadas e monitoramento dos casos humanos de doenças relacionadas ao mosquito Aedes aegypti foram as responsáveis pela diminuição dos casos notificados na capital e a consequente saída da epidemia.

“O sistema que a gente utiliza, de detecção e o sistema de monitoramento tanto dos casos humanos como da situação do vetor, e as ações desencadeadas a partir da identificação das áreas de maior risco, contribuíram”, disse Alessandre Medeiros. O trabalho conjunto do Centro de Controle Zoonoses com a Urbana, Semurb e Semsur também foram importantes para o controle vetorial.

Falta conscientização
O diretor do CCZ comentou que a população ainda não contribui da forma que deveria, pois continua jogando lixo em locais inadequados, contribuindo para o acúmulo de água em pneus, garrafas plásticas e outros inservíveis. Os maiores índices de infestação foram identificados nos bairros Potengi e Lagoa Azul, na zona Norte; Mãe  Luiza, Ribeira e Rocas, na zona Leste; e Felipe Camarão e Planalto, na zona Oeste.

“São bairros com pontos de estrangulamento. Seja do ponto de vista do saneamento, do descarte de lixo, do abastecimento de água irregular. Mãe Luiza tem problemas de abastecimento, o que induz a população acumular água de forma irregular”, comentou diretor do Centro de Controle de Zoonoses, Alessandre Medeiros.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte