Cookie Consent
Natal
Natal não tem leitos de UTI neonatal suficientes para absorver demanda da Januário Cicco
Publicado: 00:00:00 - 30/01/2020 Atualizado: 23:25:48 - 29/01/2020
A cidade de Natal não tem, atualmente, disponibilidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de classificação Neonatal, reservado para atendimento de prematuros e de recém-nascidos que apresentam problemas graves de saúde. Com a  superlotação da Maternidade Escola Januário Cicco, na zona Leste de Natal, a Secretaria de Estado da Saúde Pública do RN (Sesap) anunciou medidas para desafogar a ala, uma das principais do Estado, até o final da semana. Entre leitos públicos e privados com convênio com o SUS, o Rio Grande do Norte possui 94 leitos.

Alex Regis
Maior maternidade do RN, a Januário Cicco, ligada à UFRN está sem vagas para novos pacientes

Maior maternidade do RN, a Januário Cicco, ligada à UFRN está sem vagas para novos pacientes

Maior maternidade do RN, a Januário Cicco, ligada à UFRN está sem vagas para novos pacientes

A reportagem da TRIBUNA DO NORTE procurou as duas maternidades administradas pela gestão de Natal e foi informada que, em ambos os locais, não há leitos de UTI Neonatal. É o caso do Hospital Municipal da Mulher e Maternidade Leide Morais, na zona Norte da capital. São 43 leitos, sendo 11 suítes pré-parto, parto, pós-parto humanizado, 28 enfermarias, três prontos-socorros obstétrico e um leito de observação.

“Se for feita uma cardiografia, um sofrimento fetal, algum tipo de sofrimento que ponha em risco a mãe ou a criança, ela é regulada nos hospitais da rede que têm alta complexidade”, comenta o diretor da unidade, Paulo Cardoso.

O mesmo acontece com a Maternidade Araken Irerê Pinto, no Tirol. A unidade conta com 36 leitos, sendo 23 de alojamento conjunto (onde a mãe fica com o bebê), sete de pré-parto e outros seis de observação.

“O médico analisa, faz os exames necessários e quando identifica que o bebê está com risco, sempre pede o encaminhamento. Nem sempre, imediatamente, tem essa vaga”, explica Aílton Lima, administrador da unidade.

Atualmente, os 23 leitos de UTI Neonatal da Januário Cicco estão ocupados e a equipe médica da unidade precisou improvisar outros cinco leitos em locais como salas de parto, salas de cirurgia e em locais de recuperação anestésica. A situação levou a unidade, vinculada à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a suspender o recebimento de novas internações.

Diante dessa situação, uma reunião foi convocada entre autoridades nesta quarta-feira (29) para adotar providências de imediato. A Sesap busca a abertura de dois leitos. Eles receberão duas crianças em condições da UTI Neonatal. Essas vagas abertas irão para as crianças nas alas improvisadas.

Alex Regis
Aílton Lima, administrador da maternidade Araken Pinto

Aílton Lima, administrador da maternidade Araken Pinto

Aílton Lima, administrador da maternidade Araken Pinto

“Esses sete bebês estavam procurando vaga e não tinha. Fechamos porque não tinha onde fazer um parto, para fazer uma cesárea, não tinha alternativa”, explica à TRIBUNA DO NORTE a Gerente de Atenção à Saúde da Januário Cicco, Maria da Guia.

“Vem muito bebê prematuro para cá, mais de 80% dos bebês que estão aqui atualmente são prematuros. Mais de 50% das nossas pacientes são do interior do Estado e a quantidade grande requer uma quantidade de leitos de UTI”, acrescenta.

Os dois leitos que a Sesap estuda abrir ficam localizados na Maternidade do Divino Amor, em Parnamirim, e outro no Hospital Maria Alice Fernandes, na zona Norte de Natal. A expectativa do secretário estadual Cipriano Maia é que essas demandas sejam resolvidas até o final da semana, normalizando a situação da Januário Cicco.

“Nós sabemos que há uma oferta insuficiente na área de leitos de UTI Neonatal e por isso nos comprometemos em realizar a transferência dos recém-nascidos, mas também em viabilizar a ampliação de leitos”, disse o secretário de Saúde, Cipriano Maia.

Atualmente, o Estado conta com 91 leitos de UTI Neonatal disponibilizados ao Sistema Único de Saúde (SUS), sendo 61 deles estaduais e outros 27 com acordos com instituições filantrópicas, totalizando o serviço em oito unidades. Há ainda três leitos com a rede privada. Os leitos estão disponíveis em Natal, Parnamirim, Mossoró e Santa Cruz. Pela rede Sesap, no entanto, leitos UTI Neonatal só existem no Hospital Santa Catarina, na zona Norte, e no Hospital Coronel Pedro Germano, o Hospital da PM. Nos dois casos, não há leitos disponíveis.

A reportagem da TRIBUNA DO NORTE apurou que, além da Januário Cicco, não há vagas disponíveis de UTI Neonatal em pelo menos cinco das oito unidades no Rio Grande do Norte.

A expectativa da Sesap é abrir 10 leitos, sendo cinco deles UTI Neonatal, em Currais Novos, Seridó potiguar. A pasta espera abrir leitos também no Maria Alice Fernandes e na Maternidade de São José de Mipibu.

A reportagem tentou contato com o secretário municipal de Saúde, George Antunes, para saber de eventuais providências quanto a leitos de UTI Neonatal na capital potiguar, mas não conseguiu retorno por questões de agenda.

Raio-x das UTIs Neonatais do Rio Grande do Norte

Natal
Maternidade Januário Cicco
Leitos: 23

Hospital Coronel Pedro Germano (Hospital da PM)
Leitos: 6

Hospital Pedro Bezerra (Santa Catarina)
Leitos: 20

Incor Natal (Privado conveniado com o Sus)
Leitos: 3

Hospital Varela Santiago
Leitos: 10

Mossoró
Maternidade Almeida Castro/Apami Governador Dix Sept Rosado
Leitos: 17

Parnamirim
Maternidade Divino Amor
Leitos: 10

Santa Cruz
Hospital Universitário Ana Bezerra
Leitos: 5
Total: 94 leitos


Fonte: Sesap/Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde







Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte