Natal tem 40% dos poços fechados por contaminação

Publicação: 2017-12-01 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Aura Mazda
Repórter

A contaminação da água por nitrato atingiu 40% dos poços perfurados em Natal. Dos 133 existentes, 53 – a maioria na zona Sul  da capital - estão desativados e outros 12 parados por problemas técnicos. Esses poços, caso estivessem em operação, produziriam 68 milhões de litros de água por dia. A substância é considerada nociva ao ser humano e tem relação direta com a falta de saneamento básico. As informações são da Companhia de Águas e Esgoto do Rio Grande do Norte (Caern).

O poço P7, no San Vale, é um dos que está desativado pelo alto grau de contaminação por nitrato
O poço P7, no San Vale, é um dos que está desativado pelo alto grau de contaminação por nitrato

Um exemplo está na região do San Vale. Considerada há uma década como a região com os poços com menor teor de poluição por nitrato, o San Vale apresenta, atualmente, índices “alarmantes” e que beiram o teor máximo permitido, que é de 10 mg/l. Em um levantamento elaborado pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), com base em dados fornecidos pela Caern, foi constatado que em 13 anos, os níveis de nitrato encontrados nos sete poços do Sistema San Vale passaram de 1,8 miligramas por litro, em 2004, para até 9,72 mg/l em 2017. 

O poço que apresenta o menor teor é o P1, com 3,05 mg/l, já os que apontam os piores índice são o P2 e P5, com 9,7 mg/L. O P7, que está atualmente com nível de 7,58,  foi desativado, por ser considerado inviável para o abastecimento. A promotora de justiça do Meio Ambiente, Gilka da Mata, alerta que o sistema de poços do San Vale é considerado o mais importante de Natal, por abastecer uma quantidade significante da população. De acordo com a Caern, 30% da população da capital, cerca de 200 mil pessoas, consomem as águas que saem desses poços, nas zonas Oeste e parte da Sul.

Para tentar diminuir os índices de poluição, a Caern dilui a água dos poços com a de mananciais que estão na superfície, como é o caso do P1 do San Vale, em que a água é levada para um reservatório em Candelária. “Quando foram perfurados, era a melhor bateria de Natal, tanto em vazão como de qualidade, hoje atua dentro do limite, por isso fazemos esse processo de diluição”, explicou o superintendente de Operações e Manutenção da Caern, em Natal, Lamarcos Teixeira.

Lamarcos Teixeira, da Caern
Lamarcos Teixeira, da Caern

Os bairros com a maior contaminação, de acordo com Lamarcos Teixeira, são os de Felipe Camarão, na zona Oeste da capital, e Capim Macio, na Zona Sul. O primeiro é abastecido exclusivamente pelo sistema de poços.  Para a área de Capim Macio foi feita uma adutora, que leva água até o reservatório do conjunto de Pirangi, que recebe água da Lagoa do Jiqui, que ajuda na diluição. Após isso, a água retorna para o bairro de Capim Macio.

“Está sendo feita uma adutora, com 70% de execução, que sai de um reservatório em Candelária para Felipe Camarão, para diluir a quantidade de nitrato e melhorar a oferta de água. Serão aproximadamente 400 m³ que chegarão a essa área, possibilitando a diluição e até desativar algum poço que esteja com um índice do poluente”, disse o Superintendente. 

Os poços desativados (a imensa maioria por causa do nitrato) não chegam, entretanto, a prejudicar a distribuição de água. O superintende frisa que o sistema de água é dinâmico, e que a desativação de um poço não é uma situação permanente. “É uma situação que pode mudar a qualquer momento, porque a dinamicidade do sistema é muito alta. O nosso critério para desativar um poço é a capacidade que temos de diluir a água contaminada”, enfatizou Lamarcos Teixeira.

Sobre o nitrato
Explicações sobre a substância e níveis permitidos:
O nitrato é considerado um dos contaminantes de ocorrência mais frequente em águas subterrâneas. A água só é considerada potável quando a concentração dessa substância é inferior a 10mg por litro. O nitrato chega aos poços e aquíferos principalmente em decorrência da falta de redes de esgoto.  A população utiliza fossas sépticas, onde a substância é produzida durante os estágios finais da decomposição do material biológico. O nitrato penetra no solo e chega ao lençol freático. Há suspeitas de que o acúmulo de nitrato possa provocar câncer e outras doenças no ser humano.

Quadro
Situação do abastecimento por poços em Natal
133 é o total de poços perfurados
68 estão ativos e em operação
53 estão desativados devido à contaminação por nitrato
40% dos poços perfurados estão contaminados e desativados

Saneamento básico
37,58% da população de Natal é atendida pela rede de esgoto*
76º é a colocação de Natal entre as 100 maiores cidades do Brasil em relação ao saneamento básico

*de acordo com a Caern, todo esgoto coletado é tratado

Fonte: Caern e Instituto Trata Brasil


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários