Natal tem déficit de 40 mil moradias

Publicação: 2018-05-16 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Henrique Gomes
Repórter

O Movimento de Lutas dos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) organizou um ato com cerca de 400 famílias no centro comercial de Natal, durante a manhã desta terça-feira (15). O objetivo foi chamar a atenção para o déficit habitacional do Rio Grande do Norte e cobrar ações para diminuí-lo. Os manifestantes também denunciaram uma possível reintegração de posse na ocupação Olga Benário, na zona Oeste, e pediram a entrega do restante dos apartamentos do residencial Village de Prata, no bairro do Planalto, e melhorias de infraestrutura para o local.

Famílias pediram melhorias de infraestrutura na área do Planalto e construção de mais moradias
Famílias pediram melhorias de infraestrutura na área do Planalto e construção de mais moradias

Segundo o estudo mais recente da Fundação João Pinheiro (FJP), instituição que estuda o déficit habitacional no Brasil, o déficit de moradias no Rio Grande do Norte em 2015 era de 115.558. O dado é formado por habitações precárias, coabitação familiar (famílias que se juntam em uma mesma casa para diminuir custos), ônus excessivo de aluguel (famílias com rendimento de até três salários mínimos e gasto com aluguel superior a 30% da renda) ou adensamento excessivo de moradias em imóveis alugados (mais de três moradores por dormitório).

Somente em Natal, de acordo com a Prefeitura, aproximadamente 40 mil pessoas não possuem casa própria. Mais de 70 assentamentos precários estão espalhados na cidade, alguns em áreas de risco ambiental. Além destes, existem pessoas que são considerados moradores de rua: são pelo menos 1.082 em Natal, de acordo com um levantamento feito em 2016.

Para os manifestantes, é preciso mais políticas públicas para esses números diminuírem. E isso vai além de construção de moradias. “Queremos moradias dignas, mas isso não se resume a construção de casas. Isso quer dizer escolas próximo às casas construídas, postos de saúde, linhas de ônibus”, afirmou o líder do MLB Wellington Bernardo, enquanto protestantes seguiam na avenida coronel Estevam, do Alecrim, que ficou congestionada. “Só se fala dos sem teto em tragédias, mas estamos aqui pelo direito a moradia, que consta na Constituição”.

A declaração foi direcionada ao atual quadro do condomínio Village da Prata, construído para famílias contempladas no Minha Casa, Minha Vida e para moradores dos assentamentos do Maruim, Fio e Alemão, 8 de março e Padre Sabino, todos ligados ao MLB. A crítica do movimento é que não há infraestrutura social na área– como escolas, creches, unidades de saúde e mais linhas de ônibus. Eles pedem a entrega total dos apartamentos: 448 famílias de assentamentos já moram no local, mas ainda há cerca de 400 que aguardam a entrega. O ato seguiu pacífico do Alecrim à Cidade Alta pela avenida Rio Branco e terminou no palácio Felipe Camarão, sede da Prefeitura de Natal.

A Prefeitura do Natal afirmou que pretende entregar o restante dos apartamentos do Village de Prata até o fim do ano.  O projeto de construção de uma creche e de uma escola no local, segundo a gestão municipal, foi enviado à Caixa Econômica Federal em abril, mas ainda não há data para o início das obras.

Quem são
O Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) é um movimento social nacional que luta pela reforma urbana e direito da moradia digna. A maioria dos participantes são pessoas sem casa própria ou que não possuem renda para alugar uma residência. Apesar de ser focado na ocupação de terrenos, o movimento afirma lutar pelo direito da moradia digna para todos.

Números
Déficit Habitacional em 2015

Rio Grande do Norte

Em 2015, haviam no RN mais domicílios vagos ou em construção com potencial de serem ocupados do que habitações deficitárias

115.558 habitações é o déficit do Rio Grande do Norte, formado por residências precárias, coabitação familiar, ônus excessivo de aluguel e adensamento excessivo de moradias em imóveis alugados

10,6%
é o número relativo do déficit aos domicílios particulares permanente e improvisados.

190.032 domicílios do estado estavam vagos ou em construção e com potencial de serem ocupados em 2015

Déficit por subgrupo no RN
Habitação precária:  9.890
Coabitação familiar:  49.160
Ônus excessivo aluguel:  49.444
Adensamento excessivo:  7.064
Total:  115.558

Fonte: Fundação João Pinheiro

Natal
40 mil pessoas não têm casa própria
70 é o número  aproximado de assentamentos precários existentes na cidade
1.082 é a quantidade de pessoas moradoras de rua na capital, em 2016

Fonte: Prefeitura do Natal


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários