Natal terá palestra sobre pessoas com deficiência

Publicação: 2019-12-07 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
‘Como empoderar pessoas com deficiência”. É com esse tema que o Educador Social e diretor de cinema Alex Duarte realiza palestra em Natal, na Arena das Dunas, no dia 9 de dezembro. O evento que será iniciado às 18h, contará também com a exibição do documentário “Expedição 21”, dirigido por Alex. As inscrições estão abertas através do site do estádio e o acesso se dará através da doação de 1kg de alimento não perecível.

Alex Duarte: “Infelizmente temos uma sociedade que exclui”
Alex Duarte: “Infelizmente temos uma sociedade que exclui”

Segundo o próprio Alex Duarte, a palestra promete uma experiência sobre como lidar com as diferenças, julgamentos e fortalecer o estado emocional. Alex é conhecido por trabalhar o “empoderamento pessoal” onde estimula uma visão diferente da deficiência como algo que alavanca as oportunidades e jamais segrega as pessoas. O conteúdo da Expedição 21, traz um estudo na prática sobre como o ambiente favorece o desenvolvimento de pessoas com deficiência.

O Expedição 21 traz bastidores do reality Primeira Imersão de Pessoas com síndrome de Down da América Latina, criado justamente para estimular a independência de pessoas com deficiência intelectual. Na experiência, 18 adultos com síndrome de Down ficaram sem a presença dos pais, para aprenderem como é morar sozinho e ter uma vida mais independente.

Alex Duarte também foi diretor do longa-metragem Cromossomo 21, que traz a história de amor entre uma mulher com síndrome de Down, e um rapaz sem a deficiência. O filme também deu origem a um livro onde Alex conta toda a experiência nas gravações e das histórias que inspiraram a narrativa.

“É um mergulho pelos nossos limites. De todas as pessoas. Nós como seres humanos, temos limites. Quando a gente tem limite para ensinar, para empoderar e respeitar, não conseguimos praticar a inclusão social. Infelizmente ainda temos uma sociedade que ainda exclui. Então a palestra é uma oportunidade pra revisar quais são os nossos limites e preconceitos, para que possamos de fato enxergar a pessoa com deficiência pelo seu real potencial.” revela Alex sobre o principal objetivo do evento.

A palavra “Empoderamento”, que é peça central no tema da palestra, tem incentivado diversos fenômenos visando a inclusão social no mundo. Citando Paulo Freire, Alex enfatiza a importância desses movimentos e da expressão em si;  “Muito se estudou o que é o empoderamento no Brasil através do educador social Paulo Freire, que defende o empoderamento como forma de encorajar uma pessoa mesmo sem passar o que ela passa. Infelizmente as pessoas com deficiência passam por esse rótulo de ser algo limitante. Nos ensinaram assim, mas precisamos mudar esse conceito. Muitas vezes a dificuldade da pessoa em aprender está relacionada a esse estigma e não apenas a deficiência.”

No Experimento 21, Alex busca os exemplos para provar que a pessoa com Síndrome de Down pode e deve ser independente, sem ser tratada como incapaz ou ter a deficiência como limitante para suas possibilidades de vida. “Nós não focamos na Síndrome de Down. Nós demos a oportunidade de descobrir quais são as atividades dos integrantes, e a partir disso eles conseguiram enxergar que são adultos e são capazes. Após o Experimento 21 tivemos resultados impressionantes, onde a maioria deles tem uma vida com mais independência. Um dos jovens até mora sozinho e outra vai casar. Todo isso em apenas quatro dia de experimento.” revela o educador com entusiasmo.

“Hoje nós estamos vivendo uma nova era. Uma era onde as pessoas com deficiência podem ser protagonistas da sua própria vida, defendem suas ideias, são ativistas. Não querem ser mais chamadas de 'especiais', 'aninhos',  'portador'... Por isso nós temos que rever o tratamento que damos a essas pessoas mesmo quando elas não estão.” Reafirma Alex, celebrando o avanço no tratamento dessas pessoas por parte da sociedade, mas sinalizando que ainda existe um longo caminho a ser percorrido.

Inspiração
Alex revela que a sua trajetória em busca do empoderamento das pessoas começou há 11 anos, quando conheceu uma jovem com síndrome de Down que mudou sua percepção sobre a deficiência; “Eu era redator de jornal e fui fazer uma entrevista com essa garota. Eu já cheguei com preconceito para a entrevista, achando que ela não daria conta. Quando fui fazer a primeira pergunta, foi ela quem me entrevistou. Ela me convidou para ser seu melhor amigo, e me ensinou que a forma como a sociedade trata essas pessoas é completamente equivocada.”

“A gente começou a conviver de igual pra igual e ali escrevi meu primeiro filme, o Cromossomo 21, que recebeu várias premiações no Brasil e fora do país. Dali comecei a ser convidado a fazer palestras sobre inclusão, e nessas palestras surgiram as ideias de novos projetos, onde hoje a gente trabalha focando na autonomia da pessoa com síndrome de Down e com outras deficiências.” finaliza Alex, revelando as motivações e inspirações para seu trabalho.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários