Negociação sobre greve começa hoje no TRT/RN

Publicação: 2018-03-13 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O impasse trabalhista que motivou a greve dos vigilantes poderá ser superado na manhã desta terça-feira (13) durante a primeira audiência para tratar sobre o dissídio da categoria no Tribunal Regional de Trabalho (TRT-RN). A greve, iniciada no último dia 26 de fevereiro por tempo indeterminado, afetou o funcionamento da rede bancária em todo o Rio Grande do Norte. A rotina em órgãos públicos e hospitais também foi alterada com a paralisação. Os vigilantes reivindicam 3% de reajuste e a manutenção de direitos trabalhistas como auxílio alimentação e descanso semanal remunerado.

Greve, que chega nesta terça-feira ao 15º  dia, tem reflexos no comércio e na rede bancária
Greve, que chega nesta terça-feira ao 15º dia, tem reflexos no comércio e na rede bancária

A categoria também é contra a implantação do sistema de trabalho intermitente, que passaria a remunerar os vigilantes de acordo com as horas trabalhadas, enquanto os empresários do setor de segurança privada querem negociar dentro das regras da nova legislação trabalhista aprovadas após a reforma.

Ontem a tarde, os trabalhadores ainda tentaram retomar a negociação com os empresários na sede da Procuradoria Regional do Trabalho, em audiência mediada pelo procurador Fábio Romero Aragão Cordeiro, sem êxito: representantes do Sindicato das Empresas de Segurança Privada (Sindesp-RN) não compareceram. “Essa foi mais uma tentativa frustrada para se buscar solução pacífica e amigável, mas os empresários se mostraram avessos à negociação”, criticou o advogado Roberto Fernando, do Sindicato Intermunicipal dos Vigilantes (Sindsegur-RN) que representa vigilantes em 27 municípios do Estado.

No último dia 7 de março, de acordo com a assessoria de imprensa do Sindsegur-RN, patrões e empregados estiveram reunidos em João Pessoa (PB) para buscar entendimento, “mas não houve nada de novo. Os empresários tentam a todo custo retirar direitos conquistados pela categoria”.

Ainda conforme o Sindsegur-RN, “diante de várias tentativas frustradas de negociação” a questão foi encaminhada para dissídio coletivo com audiências intermediadas pelo Tribunal Regional do Trabalho.

Na sexta-feira (9), houve reunião entre empresários do setor, representantes do Banco do Brasil e do Procon/RN para buscar formas de contornar a situação. O Sindesp-RN assegurou que os vigilantes que prestam serviço em agências bancárias não serão afetados pelas novas regras trabalhistas, permanecendo a escala 5/2 – cinco dias de trabalho por dois dias de folga. Nesse caso, a única mudança seria com relação ao intervalo de almoço, que seria reduzido de 60 para 30 minutos.

Hoje completam 15  dias que a rede rede bancária do RN amanhece de portas fechadas devido a greve dos vigilantes. No último dia 6 de março, a juíza Daniela Lustoza Marques de Souza Chaves, titular da 11ª Vara do Trabalho de Natal, determinou o “restabelecimento imediato do trabalho de 70% do efetivo que atua nos hospitais” para normalização dos horários de visitas aos pacientes internados nas enfermarias.

No final de semana, quem precisou sacar dinheiro encontrou dificuldades para fazê-lo. No domingo, um casal de idosos que foi aos caixas eletrônicos no Bompreço da Prudente de Morais. Eles reclamavam que aquele era o quarto local que visitavam. Dos três caixas eletrônicos do Banco 24 horas, dois não tinham dinheiro e um estava inoperante.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários