No RN, 10% mais ricos ganham 46 vezes mais que os 10% mais pobres

Publicação: 2019-10-16 15:31:00 | Comentários: 0
A+ A-
A desigualdade entre ricos e pobres no Rio Grande do Norte alcançou o nível mais alto dos últimos sete anos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os rendimentos da população 10% mais rica em relação aos 10% mais pobres no RN são 46 vezes maiores. Os números foram divulgados na tarde desta quarta-feira, 16, pelo Instituto e estão contidos na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, a PNAD Contínua.

Salário
Em 2012, os 10% mais ricos ganhavam 32 vezes mais que os 10% mais pobres; já em 2018, essa razão subiu para 46 vezes, um recorde

Em uma comparação com 2012, a mesma porção da população mais rica do RN ganhava 32 vezes do que os 10% mais pobres. Em um recorte mais recente, em 2017, a razão foi de 36 vezes. Enquanto os 10% mais pobres da população tiveram um decréscimo de 7,7% no rendimento médio mensal, entre 2017 e 2018, passando de R$168 para R$155; o rendimento dos 10% mais ricos aumentou 18,2%, variou de R$6.060 para R$7.161.

Porém, a desigualdade não está presente apenas no RN. No Piauí, por exemplo, onde foi registrada a maior disparidade entre os dois grupos populacionais, os 10% mais ricos ganham 72 vezes mais que os 10% mais pobres. No caminho inverso está o estado de Santa Catarina, que apresentou uma diferença de 12 vezes, a menor do Brasil.

Bolsa Família no RN
O percentual de domicílios do Rio Grande do Norte com recebimento de dinheiro do programa social do governo Bolsa Família é o menor do Nordeste, 23,3%. Enquanto o Maranhão representa a unidade da federação com maior proporção de domicílios com recebimento do Bolsa Família no Brasil, 37,4%, o Rio Grande do Norte tem a menor do Nordeste, mas ainda muito superior às médias dos estados do Sudeste e Sul, entre os quais Minas Gerais é o estado com maior percentual, 10,3%. Santa Catarina é a unidade da federação com menor percentual de domicílio com recebimento do Bolsa Família, 2,5%.






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários