No RN, lojas deverão contratar 3,1 mil trabalhadores temporários

Publicação: 2019-10-20 01:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ricardo Araújo
Editor de Economia

Com perspectiva de um fim de ano recheado com mais vendas, o Comércio do Rio Grande do Norte deverá ampliar as contratações temporárias em 24% em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo estimativas da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Natal) serão abertas, aproximadamente, 3,1 mil postos de trabalho temporário. Grande parte deles – 1.750 – serão abertos em Natal. A maioria das lojas, inclusive, já começou o processo de seleção dos candidatos às funções, majoritariamente, de vendedor, caixa, estoquista e embalador. Os contratos temporários são uma oportunidade para um a cada quatro trabalhadores, inseridos nesse contexto, ser efetivado. 

Vendas de fim de ano são as mais esperadas pelos lojistas e movimentam bilhões em recursos

“As vendas, geralmente, aumentam ao longo de dezembro, mas as lojas já começaram o processo de contratação para que tenham tempo de treinar os temporários. O Comércio é mais forte nesses contratos temporários, pois as vendas demandam número maior de trabalhadores”, comenta Augusto Vaz, presidente da CDL Natal. Questionado se há um perfil padrão procurado pelas empresas nessa fase, Augusto Vaz destaca que não, mas faz uma ressalva. “Não existe um perfil padrão, mas precisa ser alguém que goste de trabalhar, de lidar com pessoas. É importante lembrar que parte das vagas temporárias acabam se tornando efetivas. O trabalhador temporário que obtiver destaque, pode ser efetivado”, diz Augusto Vaz.

O presidente da Associação Viva o Centro, Delcindo Mascena, declara que apesar de algumas incertezas que ainda rondam o comércio varejista local, os empresários das lojas da Cidade Alta iniciaram o processo de contratação de trabalhadores temporários nos primeiros dias de outubro. Esse procedimento deverá se estender até a próxima semana. “A expectativa é que o dinheiro entre até o fim do ano. Mas não temos garantia do pagamento do 13º Salário das Prefeituras e Governo do Estado, o que impulsiona significativamente o consumo no fim do ano. Mesmo assim, as empresas já estão se movimentando e muitas delas deverá dobrar o número de funcionários até dezembro”, argumenta Delcindo Mascena.

Num dos mais tradicionais shoppings centers da capital, o Natal Shopping, a expectativa é positiva. Ao longo deste ano, o empreendimento ampliou o número de operações com a instalação de lojas como a Shoulder, Reserva, Tok&Stok, L’occitane en Provence e Kipling, entre outras. “Especialmente com instalação da nossa Alameda Gourmet, inaugurada com a chegada do restaurante japonês local Nemo e, recentemente, com a inauguração do Madero, marca forte nacional, estamos esperando um bom incremento no movimento para o final do ano”, lista Felipe Furtado, superintendente do Natal Shopping.

 Indagado sobre a projeção de crescimento nas vendas, Felipe Furtado também demonstra otimismo. “A nossa expectativa de vendas para o período natalino é de 5% a mais em relação ao mesmo período do ano passado. Os primeiros sinais desse aquecimento já devem aparecer com as vendas da Black Friday, que acontece no período de 29 e 30 de novembro e 1º de dezembro, quando os consumidores que se programam com antecedência já tratam de garantir boa parte das compras de final de ano. E este ano estamos com uma estratégia de vendas para a Black Friday bastante atrativa”, antecipa o superintendente do Natal Shopping.

Salário médio
O salário médio de admissão deverá alcançar R$ 1.263, avançando, portanto, 4,2% em termos nominais na comparação com 2018. O maior salário deverá ser pago pelas de produtos de informática e comunicação (R$ 1.576), seguidas pelo ramo de artigos farmacêuticos, perfumarias e cosméticos (R$ 1.516). Contudo, esses segmentos deverão responder por apenas 1,5% das vagas totais a serem criadas.






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários