No RN, número de pedidos de seguro-desemprego recua 13,15% na 1ª quinzena de setembro

Publicação: 2020-09-25 00:00:00
O número de pedidos de seguro-desemprego,  na modalidade trabalhador formal, no Rio Grande do Norte, somou 2.264 na primeira quinzena de setembro deste ano e caiu 13,15% ante igual período de 2019, que registrou 2.607 requerimentos. O percentual está 3,85 pontos percentuais acima da queda registrada no País, no mesmo intervalo de tempo. Nos 15 primeiros dias do mês, o total de pedidos recuou 9,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Desde o início de junho, o indicador está em queda, tanto no País, quanto no Estado. Após altas significativas nos meses de abril e maio, o número de pedidos caiu de 10.528 no mês de maio para 7.020 no mês de junho, registrando queda de 33,32%. Nessa primeira metade de setembro, no País, 218.679 benefícios de seguro-desemprego foram requeridos, contra 241.102 pedidos registrados nos mesmos dias de 2019. Ao todo, 62,9% dos benefícios foram pedidos pela internet na primeira quinzena do mês, contra apenas 2,8% no mesmo período de 2019. No RN, 66,7% dos pedidos foram feitos pela web.

O levantamento foi divulgado nesta quinta-feira (24) pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, e considera os atendimentos presenciais – nas unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine) e das Superintendências Regionais do Trabalho – e os requerimentos virtuais.

Apesar da queda na primeira quinzena de setembro, os pedidos de seguro-desemprego continuam em alta no acumulado do ano, tendo somado 5.203.736, de 2 janeiro a 15 de setembro de 2020. O total representa aumento de 6,7% em relação ao acumulado no mesmo período do ano passado, que foi de 4.876.556.

Em relação ao perfil dos requerentes do seguro-desemprego na primeira quinzena de setembro, no Rio Grande do Norte, a maioria é do sexo masculino (64,49%). No País esse percentual é de 59,9%). A faixa etária com maior número de solicitantes está entre 30 e 39 anos (39,13%). Nacionalmente, 33,4%. E, quanto à escolaridade, 58,25% têm ensino médio completo (no País, 59,4% estão nessa mesma faixa).

Em relação aos setores econômicos, no Estado, os serviços representaram 40,55% dos requerimentos, seguido pelo comércio (25,18%), pela indústria (18,46%) e pela construção (13,3%). O setor agropecuário registrou 2,52%.

Os estados com o maior número de pedidos foram São Paulo (65.358), Minas Gerais (24.129) e Rio de Janeiro (17.420) e os que tiveram maior proporção de requerimentos via web foram Acre (96,4%), Sergipe (87,1%) e Tocantins (85,7%).