Cookie Consent
Brasil
Nomeação de Paes de Andrade é ilegal e será questionada na Justiça, diz FUP
Publicado: 16:48:00 - 27/06/2022 Atualizado: 16:48:25 - 27/06/2022
O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, afirmou que após a eleição do secretário de Desburocratização do Ministério da Economia, Caio Paes de Andrade, para a presidência da Petrobras, a entidade está ultimando, junto com a associação de acionistas petroleiros, Anapetro, uma ação judicial contra o resultado.

Divulgação
Caio Paes de Andrade foi aprovado nesta segunda como novo presidente da Petrobras. Entidades dizem que Andrade não tem a qualificação necessária

Caio Paes de Andrade foi aprovado nesta segunda como novo presidente da Petrobras. Entidades dizem que Andrade não tem a qualificação necessária

Leia Mais


As entidades classificam a nomeação como ilegal e preparam ação para entrar ainda nesta segunda-feira (27) na Justiça Federal do Rio de Janeiro.

Segundo Bacelar, "a aprovação de Caio Paes de Andrade para a presidência da Petrobras é mais um puxadinho eleitoreiro de Bolsonaro". "A decisão do Conselho de Administração da empresa é ilegal, pois o currículo e a experiência profissional do indicado são reconhecidamente insuficientes para gerir a maior empresa do Brasil, o que fere a Lei das Estatais", afirmou o sindicalista em nota, em que critica ainda a falta de uma Assembleia Geral Extraordinária (AGO) para respaldar a nomeação.

Em ata do Comitê de Elegibilidade (Celeg) da estatal, divulgada no último sábado (25), apenas o conselheiro Francisco Petros votou contra a eleição de Paes de Andrade, entre os demais quatro membros do Celeg, sendo dois de fora do Conselho da companhia.

O Celeg aprovou o executivo sem ressalvas, apenas as de praxe, como não fazer negócios entre empresas próprias e a Petrobras.

Já na votação desta segunda (27), do Conselho de Administração, o nome de Paes de Andrade foi rejeitado por três conselheiros para a presidência, segundo fontes.

Além do executivo não ter experiência no setor, como exige o estatuto, não tem reconhecimento do Ministério da Educação (MEC) dos seus diplomas de pós-graduação e nunca dirigiu uma empresa do porte da Petrobras.

Estadão Conteúdo

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte