Nordeste mais pobre

Publicação: 2019-04-09 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Antônio Felipe
laf@tribunadonorte.com.br

Nos últimos anos, o  Nordeste vem enfrentando uma crise maior do que o esperado, com o  PIB local crescendo metade da média do país.  Em 2018, o PIB nordestino cresceu apenas 0,6%, enquanto o do Brasil subiu 1,1%. Em 2017, a região também ficou abaixo: 0,8% (no país todo, também foi de 1,1%). Alguns fatores que fizeram o Nordeste perder fôlego em 2017 e 2018 foram: Exposição reduzida da economia regional ao mercado externo; Cancelamento ou adiamento de grandes projetos de investimentos previstos para entrarem em operação no curto prazo e a forte dependência de programas de transferência de renda (Bolsa Família e aposentadoria).

Dinamismo
Os analistas lembram que “a retomada da atividade econômica no Nordeste vem sendo mais desfavorável do que na média no Brasil por conta do peso relativamente modesto de setores mais sensíveis ao ciclo econômico. Já o economista Alberto Ramos, do banco Goldman Sachs, diz que o motor de crescimento da economia do País sofreu dano estrutural. O baixo nível de investimento, endividamento mais elevado de famílias, empresas e governo e má alocação de recursos provocada pela Nova Matriz Econômica são fatores que causaram dano à economia.

Mercado
Pela 6ª vez seguida, o mercado revê a projeção de crescimento do PIB. A estimativa de expansão da economia em 2019 ficou em 1,97% na pesquisa semanal Focus do Banco Central e, mesmo pequena a diferença para o levantamento anterior mantém a sequênia de queda. A previsão do mercado para a inflação oficial (IPCA), para 2019, passa de 3,89% para 3,90%.

Previdência
O senador e ex-ministro José Serra, vê um erro do governo Bolsonaro ao aposta em uma única na reforma da Previdência Social. Para ele, "algo será aprovado", mas não a proposta do Executivo. O senador tucano diz em entrevista ao jornal Valor, que há várias medidas que podem ser tomadas para organizar as contas fiscais e anuncia um projeto para instituir o parlamentarismo a partir de 2022.

Inflação
A taxa de inflação pelo IGP-DI de março fica em 1,07%, ante alta de 1,25% em fevereiro, com os preços no atacado contribuindo para a queda. Espera-se o repasse ao preço no varejo.

Recessão x indústria
 A recessão profunda fez a indústria registrar a menor fatia do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, desde o final dos anos 40. Em 2018, a participação da indústria de transformação no PIB chegou a 11,3%, menor patamar desde que esse dado começou a ser medido e ainda não dá sinais de reversão. No primeiro bimestre, a atividade industrial recuou 0,2% em relação ao ano passado. Esse fraco desempenho reforça uma tendência que vem se verificando desde os anos 80.

Participação
No fim dos anos 80, a indústria de transformação (que exclui a indústria extrativa) chegou a ter uma fatia próxima de 30% do PIB, mas  diminuiu rapidamente. Segundo economistas, é provável que 2019 registre um número ainda mais baixo que o de 2018. "É um risco que corremos e uma tendência que vem de longo prazo. Os países continuam avançando na indústria mais sofisticada, e o Brasil não", diz o economista Rafael Cagnin, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial.

Aquisição
Por R$ 12 milhões, o grupo Hapvida anuncia aquisição da empresa Infoway Tecnologia e Gestão de Saúde Ltda, uma healthtech com atuação em Healthcare BPO (business process outsourcing), nas regiões Nordeste e Norte do País.  Com a compra, o Hapvida agora será sócio de uma Holding de Tecnologia, que será proprietária de 75% das duas empresas: Infoway e Haptech.

Chuvas
Mais chuvas no fim de semana no Nordeste e previsão otimista para o Rio Grande do Norte, a partir de quinta-feira. Com as chuvas quase que diariamente, os rios levam água ara os açudes e barragens garantindo uma elevação do nível dos reservatórios. Aos poucos as reservas aumentam para a travessia do período seco.

Anorc
A diretoria da Anorc vai realizar hoje à noite, no parque de exposições em Parnamirim, uma reunião de associados para prestação de contas das ações, inclusive, da redução do ICMS. Também será   apresentado o grupo vencedor da concorrência para administrar o matadouro de Ceará-Mirim concluído recentemente.

Conselho
O Conselho de Corretores de Imóveis (Creci), do RN, empossa o seu novo presidente, oe empresário Roberto Peres. O diretor nacional para Assuntos Pedagógicos do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci) e conselheiro federal, Oscar Hugo e o representante do Cofeci, Ruy Pinheiro estiveram na posse.





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários