Nova coletânea da arte potiguar

Publicação: 2017-11-29 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Dione Caldas está exausta. Afinal, são quatro dias consecutivos empenhada na montagem do 2º Salão Dorian Gray de Artes Visuais, que reúne cerca de 300 obras de um total de 150 artistas potiguares. “Dá trabalho montar uma exposição desse porte, com trabalhos nas mais diversas linguagens. Sou suspeita pra falar, mas o resultado está ficando muito bonito”, diz Dione, curadora da grande mostra que ficará abrigada no Museu Café Filho (Cidade Alta). A abertura acontece nesta quarta-feira (29), a partir das 18h30, com entrada franca.

Pinturas inéditas de Jayr Peny são novidade. ''Quintal de Newton'' é uma homenagem a Navarro
Pinturas inéditas de Jayr Peny são novidade. Quintal de Newton é uma homenagem a Navarro

Promovido pela Sociedade  Amigos da Pinacoteca (SAP), o Salão chega a Natal depois de ficar três meses em cartaz no Fórum das Artes, em Mossoró. As obras são basicamente as mesmas e foram selecionadas por meio de chamada pública realizada no primeiro semestre. A estrutura da exposição será semelhante a que foi montada em Mossoró. As mudanças feitas se devem a adaptação ao Museu Café Filho. Todos os trabalhos estão disponíveis para comercialização.

O Salão dá um panorama amplo das Artes Visuais no Rio Grande do Norte, abrangendo trabalhos da capital, do interior e de artistas potiguares que vivem fora do país. Dentre alguns nomes estão Azol, Mocó, Marília Bulhões, Guaraci Gabriel, Clarissa Torres, Andruchak e Ery Medeiros.

Retratos de EdyDeus também integram a coletânea
Retratos de EdyDeus também integram a coletânea

A novidade na exposição em Natal é a presença de obras de Jayr Peny. Ele participa com as pinturas “Menina de Natal, caju e  tapioca I e II”, ambas em acrílico sobre tela, com dimensão de 50 x 40 centímetros, além de uma terceira tela em homenagem a Newton Navarro: “O quintal de Newton”. As linguagens contempladas na mostra também são múltiplas, indo da gravura até a fotografia. De acordo com Dione, os trabalhos estão distribuídos no espaço de modo a facilitar a apreciação do visitante.

“A exposição está bem didática. Dividimos as obras em blocos temáticos. Há trabalhos que se enquadram no clássico, na arte popular, cubismo, outros são abstratos”, detalha a curadora. Para ela, o formato funcionou muito bem na terra de Santa Luzia. “Em Mossoró tivemos mais de 7 mil visitas. Foi um resultado bastante satisfatório pra gente. Além das visitas convencionais, recebemos muitos professores com alunos. O que mostra que a exposição é acessível aos mais diversos públicos”.

Dione ainda ressalta o sucesso da temática desta edição do Salão: o cangaço. Segundo a curadora, cerca de 80% das obras estão identificadas com esse assunto. Alguns artistas foram ainda mais específicos e enveredaram pela história da resistência de Mossoró ao bando de Lampião, que em 2017 completa 90 anos.

A tradição da cerâmica de Ana Antunes
A tradição da cerâmica de Ana Antunes

O 2º Salão Dorian Gray de Artes Visuais também dispõe de uma sala para exibição dos 17 trabalhos ganhadores do Prêmio Aquisição, além de espaço em homenagem ao artista que nomeia a exposição coletiva. A exposição ficará em cartaz no Museu Café Filho até o final de fevereiro de 2018. As visitas podem ser feitas de segunda a sexta, das 8h30 às 17h, com entrada gratuita.

Sociedade Amigos da Pinacoteca
Entidade civil e comunitária, a Sociedade Amigos da Pinacoteca está há três anos trabalhando em conjunto com a Fundação José Augusto na promoção de eventos culturais no campo das Artes Visuais, em especial, no que concerne às ações da Pinacoteca Potiguar.

Serviço
Abertura do 2º Salão Dorian Gray de Artes Visuais

Dia 29 de novembro, às 18h30

Museu Café Filho (Rua da Conceição, s/n, Cidade Alta)

Entrada gratuita

Visitação até fevereiro de 2018

Funcionamento: segunda a sexta, das 8h30 às 17h.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários