Nove cidades do RN estão em colapso

Publicação: 2013-09-11 00:00:00 | Comentários: 2
A+ A-
Roberto Lucena - Repórter

A estiagem que atinge o Rio Grande do Norte, desde o ano passado, ainda causa transtornos e sofrimento no interior do Estado. Sem chuvas, os reservatórios secaram e o colapso no abastecimento d’água atinge pelo menos nove municípios no Seridó e Oeste potiguar. Não há água nas torneiras e o prognóstico não é animador. Até o fim deste ano, outros municípios devem ingressar na lista que revela os efeitos da falta de investimentos no setor hídrico. Para tentar evitar mais danos, o Governo Federal anunciou o investimento de R$ 14 milhões destinados a 36 municípios potiguares.
Sidney SilvaItans: volume de água corresponde a 17,58 por cento da capacidadeItans: volume de água corresponde a 17,58 por cento da capacidade

Reservatórios importantes e de grande porte como o açude Itans, em Caicó, e o açude em Pau dos Ferros estão com o volume de água muito baixo. O primeiro registrava, na última segunda-feira, o volume de 14.370.000m³ de água, o que corresponde a 17,58% da capacidade. No segundo, a situação ainda é mais crítica. Ontem, o reservatório contava com 7.178.516m³ de água – 12,96% do total possível.

Com a seca, o fornecimento de água feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) está comprometido. Nos municípios de Ipueira, Carnaúba dos Dantas, São José do Seridó, Água Nova, João Dias, Pilões, Riacho de Santana, São Francisco do Oeste e Equador não há água nas torneiras. O abastecimento é feito através de carros-pipa ou poços.

Em São Francisco do Oeste há um agravante: a assistência da Defesa Civil está suspensa devido à renovação de contratos.  “O mesmo acontece em outros 19 municípios. Os contratos foram encerrados e estão sendo renovados”, explicou o coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Josenildo Acioli.

Como resposta a situação caótica e preocupante, o Ministério da Integração Nacional (MI) anunciou ontem o investimento de R$ 14 milhões para  implantação de sistemas simplificados de abastecimento de água no RN. Segundo o MI, 4.320 famílias serão beneficiadas em 36 municípios.

Os recursos serão aplicados por meio do programa “Água para Todos” e repassados pelo órgão ao Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), que atenderá às prefeituras. Cada sistema custa em média R$ 130 mil. A previsão é que o projeto seja concluído no prazo de seis meses.

Entre os municípios beneficiados estão Acari, Afonso Bezerra, Alto do Rodrigues, Caiçara do Norte, Caiçara do Rio dos Ventos, Caraúbas, Carnaúba dos Dantas, Carnaubais, Cruzeta, Currais Novos, Fernando Pedrosa, Galinhos, Guamaré, Ipanguaçu, Japi, Jardim de Angicos, Jardim do Seridó, Lagoa de Velhos, Lagoa Salgada, Lajes, Lajes Pintadas, Macau, Ouro Branco, Pedra Preta, Pedro Avelino, Pendências, Pilões, Santa Cruz, São Bento do Norte, São Bento do Trairi, São José do Campestre, São Tomé, São Vicente, Senador Eloy de Souza, Sítio Novo e Tangará.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • lhhj

    Tanta água que existe no planeta. O que falta mesmo é administração correta desses e outros recursos somada a falta de planejamento consciente. Simples projetos poderiam ser adotados para o reaproveitamento contínuo da água. Por que isso não acontece ? Por que o povo sempre espera que alguém faça algo por eles mesmos, apenas por isso. O homem inteligente não fica encontrando problemas. Ele age e encontra uma saída, não fica esperando apenas a ajuda dos outros.

  • zemariarn

    Como é que o Brasil quer ser um país do 1º mundo se ainda não conseguiu nem resolver os problemas de séculos passados? Quem ganha com tanta miséria? A pobreza já está batendo a porta dos mais ricos com a violência crescente e não se sabe onde isso vai parar.