Quadrantes
Numismática na coleção do instituto
Publicado: 00:00:00 - 10/10/2021 Atualizado: 14:54:24 - 09/10/2021
Igor Oliveira
Sócios do IHGRN

As moedas sempre fizeram parte da vida dos impérios desde a antiguidade clássica. Ao destacar os seus aspectos históricos, forjou-se no final do século XVIII e início do XIX, o termo “numismática” para nomear uma “ciência auxiliar da história” que busca estudar as inscrições cunhadas em moedas relacionando-as com a história. A expressão vem do latim numus, “moeda”, e significa estudo das moedas cunhadas.

Capazes de construir um mito político, sistema de crenças que possibilita o engrandecimento do retratado na coletiva, permitindo que sua imagem se perpetue, nas esfinges, é possível conhecer imperadores, chefes de estados e demais personagens que lutaram por suas nações e que se tornarem parte da memória de um país. 

É possível também conhecer a diversidade dos recursos da natureza que se encontram numa região: como a fauna e a flora. Assim, as moedas se tornam fontes de informações indispensáveis para produção do conhecimento histórico desenvolvido por historiadores e antropólogos.

No cenário potiguar, o Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte possui uma singela coleção de moedas e medalhas em seu museu. A partir dos registros encontrados, percebe-se a coleção de moedas começou a partir do ano de 1920, por doações como as de Nestor Lima (1887-1959) que ofertou ao Instituto um conjunto de moedas argentinas e uruguaias e medalhas comemorativas do centenário da revolução republicana, da Independência do Brasil e do Congresso Internacional de Americanistas de 1922.

Ao longo dos anos, a coleção foi se desenvolvendo de forma que atualmente o museu do Instituto possui moedas e medalhas as mais diversas em sua exposição permanente. Todas as peças possuem uma descrição dos emblemas, inscrições e dos bustos das personalidades que apresentam, proporcionado ao visitante um conhecimento amplificado para além do que as peças apresentam.

Esta exposição possui um maior enfoque para as moedas brasileiras que compreendem os períodos Imperial e Republicano. Sendo possível encontra moedas comemorativas do centenário da abolição (1888-1988) e da independência (1822-1922), além de outras, com representações e emblemas próprio da cultura brasileira.

A partir desses indícios, pode-se perceber que moedas, medalhas e cédulas, possuem um importante valor documental que pode contribuir com a produção do conhecimento histórico em torno de certas épocas e que as instituições de memória devem atentar para a preservação das fontes numismata para proporcionar às futuras gerações o usufruto das fontes que se constituem verdadeiros patrimônios culturais.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.


Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte