O arauto das pequenas histórias

Publicação: 2014-05-27 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Itaércio Porpino
Repórter
Colaborou: Cinthia lopes
Editora

O jornalista sai de cena (não inteiramente) e entra o escritor. E assim Marcelo Tavares dá lugar a Paneloviski, autor fictício que ainda está longe de ser um daqueles fenômenos literários nascidos na web, mas que a cada novo texto publicado no Facebook vê crescer o número de admiradores de sua literatura e, num certo sentido, vai desmentindo pouco a pouco o epíteto da fanpage criada por ele há três meses: “Um arauto de histórias que ninguém conhece”.
Carlos HenriqueVocê pode chamá-lo de Paneloviski, ‘Magro de Natal’ ou  simplesmente Marcelo Tavares Panela. Todos eles cabem dentro  desta figura de alta sensibilidade literária, que escreve, burila  histórias ignoradas pela maioria das pessoas, e as transforma em microcontos que fazem sucesso na Internet.Você pode chamá-lo de Paneloviski, ‘Magro de Natal’ ou simplesmente Marcelo Tavares Panela. Todos eles cabem dentro desta figura de alta sensibilidade literária, que escreve, burila histórias ignoradas pela maioria das pessoas, e as transforma em microcontos que fazem sucesso na Internet.

Diretos, concisos e curtos, os textos têm a cadência precisa e o tamanho exato - nem sobra, nem falta nada. Daí, o casamento perfeito com as ferramentas de mídias socais. Geralmente, eles são publicados junto a fotos, como se fossem postais, mas o motivo do sucesso do autor não está no canal e formato, e sim no conteúdo. Observador atento do cotidiano, Marcelo Tavares vê e ouve coisas que passam totalmente despercebidas a outras pessoas. É daí, principalmente, que ele extrai a matéria-prima e, com uma boa dose de sensibilidade e criatividade, transforma na literatura publicada em sua fanpage sob o pseudônimo Paneloviski, atualmente com mais de 1.400 fãs.

“O que eu normalmente faço é transformar a realidade. Os textos nascem de bate-papos na internet, em situações e conversas em pontos de ônibus e também dentro de transportes públicos, assim como em botecos e nos mais diversos lugares onde há gente”, diz Tavares.

O jornalista e escritor recusa o título de poeta – como foi descrito recentemente no quadro Cores e Nomes do RN TV -, mas admite que há alguma poesia em sua prosa. “Não sou poeta. Nem faço versos! Minha mãe viu o programa na televisão e veio me perguntar: ‘Meu filho, e você é poeta é?’ Eu respondi: Mãe, não acredite em tudo que passa na TV não”, brinca Marcelo Tavares.

Agora - falando sério -, ele concorda quando os leitores identificam a sensualidade como uma das características de seus textos. Aliás, chama atenção (e até desperta ciúmes) o fato das figuras  femininas nos posts serem sempre descritas como morenas. Por que e como essa história de morena surgiu, Marcelo Tavares não sabe dizer, mas ele comenta que a situação já está causando ciumeira nas leitoras – que respondem por 70% do público de Paneloviski. “Sou sempre cobrado para criar alguma coisa para loiras e ruivas e nunca faço, mas já estou com uma ideia e em breve espero que saia”.

O mais importante para Marcelo Tavares é saber que muita gente já identifica um estilo em sua escrita. “Estão dizendo que reconhecem meu texto, que criei um estilo próprio. Isso é muito bom”, diz ele, que também comemora o crescimento da visibilidade – boa parte, em função de seu aparecimento na TV – e a ótima receptividade. “Quando são apenas os amigos elogiando, a gente fica meio assim. Mas vindo de pessoas desconhecidas, é diferente, mais isento”, completa.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários