O bardo de Brejo do Cruz

Publicação: 2012-06-23 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Jotabê Medeiros

“Venus” é uma canção de 1969 do grupo holandês Shocking Blue que alcançou o número um nas paradas do mundo todo no final dos anos 1960 e início dos anos 1970. É com uma citação instrumental de “Venus” que é aberta “A Noite Branca”, a melhor faixa do novo disco de Zé Ramalho, “Sinais dos Tempos” (Avôhai Music). Em seguida, outra citação, dessa vez de Luiz Gonzaga (“É lampa, é lampa, é lampa, é lamparina é Lampião. .”).
Júnior SantosZé Ramalho legou parte da melhor música nordestina produzidaZé Ramalho legou parte da melhor música nordestina produzida

O coquetel que gestou Zé Ramalho da Paraíba é conhecido: seitas apocalípticas, cantores de feira, Dylan, forró de pé de serra, alquimistas, Beatles, extraterrestres de Quixadá, Gonzagão, pregadores do fim do mundo. Foi assim que ele legou, em quase 50 anos de carreira, alguma da melhor música moderna nordestina, como “Chão de Giz” e “Vida de Gado”. O bardo de Brejo do Cruz retorna agora com novo lote de canções inéditas, um pacote autoral. A produção é do seu parceiro siamês, Robertinho do Recife.

“Sinais dos Tempos” examina os 62 anos de vida de Zé na mesma via pela qual ele construiu sua carreira: a do misticismo e do delírio. “Tudo o que sonhei atravessa o cristal”, ele canta, em Anúncio Final. Guitarras bluesísticas se unem à zabumba e sanfona e cogumelos de esterco se misturam à memória do LSD num álbum que inventaria a trajetória de um herói popular. Zé Ramalho está numa vibe meio nostálgica. “Lembre as escadas e os porões das ditaduras/Lembre as histórias/de paixões e de loucuras/De canções e aventuras/Que não voltam nunca mais.” Até a fase negra, ele confessa, está em foco. As letras, um dos seus trunfos, estão irregulares: há achados memoráveis e há pisadas de bola. Mas é um novo lote de profecias do Zé. Não é de se perder.

ZÉ RAMALHO SINAIS DOS TEMPOS - Avôhai Music - Preço: R$ 30.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários