Cookie Consent
Quadrantes
O bispo Dom Joaquim
Publicado: 00:00:00 - 24/04/2022 Atualizado: 12:20:24 - 23/04/2022
Igor Oliveira
IHGRN

Joaquim Antônio de Almeida tornou-se uma das personalidades mais memoráveis do Estado do Rio Grande do Norte. Natural da cidade de Goianinha, nasceu em 17 de agosto de 1868. Durante sua juventude, estudou no Colégio Diocesano de Olinda/PE, e, com forte inclinação à vida religiosa, ingressou, em 1889, no Seminário Maior de Fortaleza/CE onde passou a se dedicar aos estudos teológicos, recebendo a ordenação sacerdotal no ano de 1894. Sua primeira missa foi celebrada na igreja de Nossa Senhora dos Prazeres de Goianinha, que havia sido elevada à categoria de paróquia em 1698, por Dom Matias Figueiredo, bispo de Olinda.

Logo em seguida, o padre Joaquim de Almeida passou a assumir suas funções na província eclesiástica da Paraíba. Lá, tornou-se professor do Seminário Arquidiocesano e, posteriormente, diretor espiritual e reitor do mesmo seminário. Nomeado pela bula papal de Pio X, foi sagrado bispo em 1906, na catedral de Nossa Senhora das Neves, em João Pessoa/PB, sob o lema latino in cruce vita, que significa, “a vida está na cruz”.

Dom Joaquim de Almeida assumiu a província eclesiástica do Piauí e, posteriormente, a recém-criada província de Natal, que havia sido desmembrada da Paraíba, tomando posse como primeiro bispo da Diocese de Natal, em 11 de junho de 1911. No entanto, seu pastoreio teve uma curta duração, pois, em decorrência de um acidente vascular cerebral, ficou impossibilitado de continuar as atividades, vindo a renunciar em 15 de junho de 1915.

De acordo com Nestor Lima, Dom Joaquim de Almeida é uma das figuras marcantes do episcopado, dentro das três dioceses que compõem a província potiguar. Além disso, Nestor Lima afirma que Dom Joaquim de Almeida também foi o primeiro bispo do Piauí, que resignou por doença a sua diocese, tornando-se bispo titular de Lari, na Ásia Menor. Já para Antônio Fagundes –  autor de uma biografia do religioso – Dom Joaquim de Almeida foi imprescindível, como homem de Deus, na comunhão com a fé cristã e na obra evangelizadora, que jamais deixou de realizar pelos lugares por onde passou.

Após sua renúncia, Dom Joaquim de Almeida mudou-se para a Paraíba, e, em seguida, para Pernambuco. Porém, retornou ao Rio Grande do Norte para as comemorações das bodas de ouro de sua ordenação sacerdotal, onde passou a residir com sua irmã, Ana Almeida de Macedo, no município de Macaíba. Sem exercer atividades pastorais de forma ativa, ficou apenas celebrando missas aos domingos em sua comunidade local. Ele faleceu no dia 30 de março de 1947.

Este artigo faz parte da série “Nossas velhas figuras” do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte (IHGRN), coordenada por Gustavo Sobral e André Felipe Pignataro, alusiva às comemorações dos 120 anos da mais antiga instituição cultural potiguar, fundada em 29.03.1902.


Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte