Esportes
O Brasil é um país machista, racista, homofóbico e xenofóbico, desabafa Joanna Maranhão
Publicado: 16:15:00 - 09/08/2016 Atualizado: 16:29:27 - 09/08/2016
Após ficar fora das semifinais dos 200 m borboleta, nos Jogos Olímpicos, Joanna Maranhão desmoronou e foi aos prantos. Não pelo resultado, que ela já aprendeu a lidar em sua vida esportiva, seja com os fracassos ou as muitas vitórias. Mas pelas reações perversas de muitos torcedores, que pegaram pesado nas redes sociais.
Joanna disse que processará aqueles que usaram a rede social para denegrir sua imagem
"Não é possível alguém desejar que você seja estuprada ou que morra. Não precisa gostar de mim, mas é necessário ter respeito", desabafou a atleta, chorando bastante. "O que eu puder fazer pra melhorar meu país de alguma forma, eu vou fazer. As pessoas têm todo o direito de discordar, mas não pode desejar essas coisas horríveis. Desejar que eu seja estuprada? Falar que eu inventei a história do abuso na minha infância para aparecer na mídia? Isso é pesado, sabe? Eu recebo tantas mensagens bonitas e pesadas de crianças, mulheres e homens que passaram pela mesma história que eu. Como alguém pode imaginar que eu inventei?"

Leia Mais

Joanna comparou a situação ao caso de Rafaela Silva, que foi chamada de macaca após perder em sua estreia no judô nos Jogos de Londres, mas deu a volta por cima e ganhou o ouro olímpico no Rio. "Todo mundo já passou por uma decepção. Eu já pensei em tirar a minha própria vida. Já busquei quatro vezes o índice olímpico para estar aqui, sou a melhor atleta do Brasil nas provas que disputo desde os 14 anos de idade. Eu me orgulho muito da minha trajetória. A Rafaela não merecia escutar as provocações", completou.

Posicionamentos
Joanna sempre teve uma postura política de esquerda e isso incomoda muita gente com o pensamento diferente do dela. A atuação discreta no Rio reforçou as críticas e muita gente ofendeu e insultou a nadadora, que avisou que pretende tomar medidas legais contra isso. "O Brasil é um país machista, um país racista, um país homofóbico, um país xenofóbico. Não estou generalizando, mas essas pessoas existem, infelizmente. E aí quando elas estão atrás de um computador, se acham no direito de fazer essas coisas. Todo mundo tem direito de concordar dos meus posicionamentos políticos, que eu sei que são da minoria. Eu não faço parte da maioria. Mas a minha formação e a minha história me fez com que eu tivesse a necessidade de me posicionar politicamente. E eu não vou parar".

A atleta acha que as cobranças devem existir em relação à performance dos nadadores, mas que todos estão lá para dar o seu máximo. Infelizmente para a natação brasileira, os bons resultados ainda não vieram, inclusive para a melhor nadadora do País nos últimos anos. "Ninguém entra na piscina para nadar mal. Todo mundo aqui tenta fazer o seu melhor. Nos Mundiais estou sempre ali, brigando por uma semifinal e isso para mim é do caramba. Se de alguma forma eu não conseguir melhorar meu quinto lugar dos Jogos Olímpicos, eu continuo sendo a mesma Joanna", concluiu.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte