O "Documento do Turismo"

Publicação: 2021-03-05 00:00:00
Antonio Roberto Rocha 
antonioroberto@tribunadonorte.com.br 

A Fecomércio, o Sebrae RN e as entidades que compõem a Câmara Empresarial do Turismo (CET), órgão consultivo da Federação, protocolaram nesta semana, junto ao Governo do Estado e às Prefeituras da Grande Natal, de Mossoró e dos principais municípios turísticos potiguares, um documento contendo uma série de pedidos para que possam ser minimizados os impactos negativos do endurecimento das medidas de prevenção à Covid-19 no setor de bares e restaurantes e no acesso às praias. 

“Nós entendemos que o foco de todo o RN neste momento é preservar a vida dos potiguares. E o setor produtivo não poderia destoar disso. É claro que há prejuízos, sobretudo ao nosso turismo, que é pilar econômico do estado e vive um momento bastante delicado, com praticamente 40% das empresas quebradas e um cenário bastante nebuloso pela frente. O que estamos pretendendo com estes pleitos é amenizar o sufoco e permitir que estas empresas e os empregos que elas geram possam sobreviver", afirma o presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

Bancada federal Ainda segundo ele, "também vamos buscar, junto a nossa bancada federal, uma ação para que a União possa retomar, com urgência, medidas como a MP da preservação dos empregos, linhas de crédito como o Pronampe e uma linha com foco específico neste setor. Vamos pedir até mesmo a retomada do pagamento do auxílio emergencial, que tende a irrigar o setor produtivo com recursos e reduzir a crise. O momento é extremamente difícil. E precisamos de serenidade e equilíbrio para atravessarmos juntos”, 

Além dos pleitos, o documento enumera ações imediatas que o setor produtivo está pondo em prática, como a realização de consultorias, cursos de capacitação e qualificação profissionais de colaboradores e empreendedores dos segmentos envolvidos; oferecimento de cursos por meio do Sebrae RN e Senac RN; e a estruturação de uma ação denominada “Lazer com Responsabilidade”, composta de equipes que irão circular nos principais polos de bares, restaurantes, casas de recepção e buffets das maiores cidades do estado, orientando e conscientizando empreendedores, colaboradores e clientes quanto ao cumprimento dos protocolos de biossegurança e do distanciamento social.

Signatários O pacote de sugestões foi elaborado pelas equipes técnicas da Fecomércio, do Sebrae RN e das entidades empresariais que compõem a Câmara Empresarial do Turismo da Fecomércio. É uma tentativa de evitar prejuízo maior ainda às empresas que compõem a cadeia produtiva do turismo, segmento que responde por cerca de 30% do PIB potiguar, e que gera em torno de 110 mil empregos diretos e formais.

Mais cursos online de biossegurança 
Estão abertas até domingo novas vagas para os cursos online de biossegurança, ofertados pelo Senac RN. Foram disponibilizadas 150 vagas. O curso, oferecido gratuitamente, é uma parceria entre Secretaria do Turismo do Estado e Emprotur com o Sistema Fecomércio, por meio do Senac, Sebrae e entidades do trade turístico do RN. 

Essa capacitação sobre protocolos sanitários é um pré-requisito na obtenção do selo estadual Turismo+Protegido por prestadores e profissionais do turismo. O estabelecimento precisa ter capacitado pelo menos um colaborador de cada segmento. 

A adesão ao selo, gratuita e voluntária, possibilita a participação em outros programas, como o Turismo Cidadão, que em parceria com a Nota Potiguar oferece vouchers para os usuários do aplicativo. 

Setor de eventos obtém isenções
A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira o Projeto de Lei 5638/20, que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). O texto aprovado é um substitutivo da relatora, deputada Renata Abreu (Pode-SP). A matéria será enviada ao Senado.

De autoria do deputado Felipe Carreras (PSB-PE), ex-secretário de Turismo de Pernambuco, e de outros sete deputados, o projeto prevê o parcelamento de débitos de empresas do setor de eventos com o Fisco federal, além de outras medidas para compensar a perda de receita em razão da pandemia de Covid-19.

Vantagens Haverá ainda alíquota zero do PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) por 60 meses e a extensão, até 31 de dezembro de 2021, do Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) para as empresas do setor.

As ações beneficiarão as empresas de hotelaria em geral; cinemas; casas de eventos; casas noturnas; casas de espetáculos; e empresas que realizem ou comercializem congressos, feiras, feiras de negócios, shows, festas, festivais, simpósios ou espetáculos em geral e eventos esportivos, sociais, promocionais ou culturais. Também estão contempladas as entidades sem fins lucrativos.

Turismo de proximidade em alta
Visitar lugares incríveis perto de casa, sem precisar percorrer longas distâncias de avião ou ônibus, se tornou uma opção bem-vinda em meio a uma pandemia que já se estende há um ano em todo o mundo. Na Civitatis, empresa especializada em atividades e passeios turísticos pelo mundo, a compra de passeios nacionais por viajantes brasileiros aumentou 120% ao longo de 2020, e continua em alta neste ano. 

A companhia, com sede na Espanha e que atua em 135 países, aposta no potencial do turismo de proximidade para 2021, uma tendência que se acelerou em todo o mundo após a pandemia. Passeios ao ar livre ou tours privados, para grupos da mesma família, estão entre as atividades mais procuradas no último ano. Destinos que ficam a poucos quilômetros das capitais foram muito procurados até fevereiro passado.









Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.









Leia também: