O novo provincialismo

Publicação: 2020-01-12 00:00:00
A+ A-
Marcelo Alves Dias de Souza
Procurador Regional da República •  Doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KCL •  Mestre em Direito pela PUC/SP

O nosso Câmara Cascudo (1898-1986) sempre aceitou de bom grado o “título” que lhe foi dado, carinhosamente, pelo amigo Afrânio Peixoto (1876-1947) – “O provinciano incurável”.

Gabava-se dele. E até escreveu uma crônica com esse título, publicada lá pelo final da década 1960: “Queria saber a história de todas as cousas do campo e da cidade. Convivências dos humildes, sábios, analfabetos, sabedores dos segredos do Mar das Estrelas, dos morros silenciosos. Assombrações. Mistérios. Jamais abandonei o caminho que leva ao encantamento do passado. Pesquisas. Indagações. Confidências que hoje não têm preço. Percepção medular da contemporaneidade. Nossa casa no Tirol hospedou a Família Imperial e Fabião das Queimadas, cantador que fora escravo. Intimidade com a velha Silvana, Cebola quente, alforriada na Abolição. Filho único de chefe político, ninguém acreditava no meu desinteresse eleitoral. Impossível para mim dividir conterrâneos em cores, gestos de dedos, quando a terra é uma unidade com sua gente. Foram os motivos de minha vida expostos em todos os livros. Em outubro de 1968 terei meio século nessa obstinação sentimental. Devoção aos mesmos santos tradicionais. Nunca pensei em deixar minha terra. (…). Fiquei com essa missão. Andei e li o possível no espaço e no tempo. Lembro conversas com os velhos que sabiam iluminar a saudade. Não há um recanto sem evocar-me um episódio, um acontecimento, o perfume duma velhice. Tudo tem uma história digna de ressurreição e de simpatia. Velhas árvores e velhos nomes, imortais na memória”.

Esse provincialismo, o de Cascudo, o de quem apenas não quer deixar a sua terra por amor a ela, era de ouro. Primeiramente porque, como disse o grande Tolstói (1828-1910), “se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia”. Em segundo lugar, porque foi duramente forjado, nas palavras do próprio Cascudo, em “Livros. Cursos. Viagens. Sertão de pedra e Europa”. Cascudo estudou muito e conhecia a “arte da viagem”.

Hoje, entretanto, vivemos um outro tipo de provincialismo, terrível, que, por incrível que pareça, é fomentado pela própria globalização, em especial a globalização digital.

Um dos que apontam isso é o filósofo e professor alemão Peter Sloterdijk (1947-). Autor da trilogia “Esferas” – composta por “Bolhas” (2011), “Globos” (“2014) e “Espumas” (2016) –, Sloterdijk pretende aí contar a história da humanidade. Uma de suas teses é a de que o homem necessita viver em “espaços íntimos”, de proteção, que funcionariam como bolhas. Primeiro é o útero materno. Depois as cavernas dos nossos ancestrais, a família e até mesmo o país ou a nação. O problema é que a atual globalização – que, de resto, para Sloterdijk, é apenas uma terceira onda, já antecipada pela globalização da filosofia grega e da globalização náutica dos séculos XV e XVI – diferentemente do megacosmopolitismo da segunda onda (a náutica dos grandes ibéricos), tem criado, a partir de suas muitas bolhas, um “provincialismo global”.

Hoje, não precisamos mais viajar, em livros ou pessoalmente, para nos inteirarmos do mundo. Online, um “mundo” chega a nós. Mas é um mundo – ou vários mundos – forjado(s) a partir de bolhas. De províncias, se quisermos ser mais chiques. Que não se comunicam. Por gente cada vez menos aberta. Cada vez menos investigativa. Cada vez mais preconceituosa. Não temos mais o homem estudado, viajado ou cosmopolita como sinônimo de cultura. Estamos, sim, vendo o “idiota da aldeia” – aquele que ganhou voz com a Internet, como anotou Umberto Eco (1932-2016) – ganhar a ribalta e espalhar as vulgaridades, deveras “provincianas”, que aprendeu na sua bolha. E, desapercebidamente, nós aceitamos isso.