O que levo na partida?

Publicação: 2018-09-13 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
“Nada aqui me resta” (‘Vou-me embora’, música de Paulo Diniz).

Carlos Alberto Josuá Costa

Engenheiro Civil, Escritor, Membro da Academia Macaibense de Letras

Quando vamos viajar, uma das providências é tirar a mala do armário, limpá-la e abrir a tampa. Talvez nela tenha ficado alguma coisa que lembre a última que foi feita: uma sacola, um folheto turístico, uma fitinha do Senhor do Bonfim, o ticket da passagem aérea com o destino em três letras maiúsculas ou alguma emoção que não se repetirá, ou sim?

E você o que tem encontrado?

Bem, em um ponto concordamos: não deixamos para arrumar a mala minutos antes da viagem, ou deixamos?

“Minha mala é diferente da sua” - me diz você. Mesmo que o destino seja comum, as necessidades são personalizadas e, como tal, temos que organizar utilmente para não levar coisas desnecessárias, que certamente nos aborrecerão, por não termos avaliado seus usos e desusos compatíveis com o lugar, o clima, os eventos, enfim.

Assim também ocorre com a mala mais especial - aquela que vamos arrumando com a alma, para a viagem mais importante: a de volta ao Pai.

Essa mala não pode ser ocupada com atitudes que imprimam peso, pois não teremos força para transportá-la e, certamente, não haverá espaço no bagageiro do ‘expresso’ que vagueia pelo caminho até a nossa nova morada.

Essa mala, diferente daquela primeira, requer que diariamente seja revista, esvaziada e preenchida com coisas úteis - amor, gratidão, reconhecimento, perdão, boas ações, solidariedade, respeito, dores superadas, mágoas esquecidas, laços reatados.

Esses itens nunca serão suficientes para encher a mala e seu peso se tornará leve, pois eles, em si, não serão fardos e sim bônus para uma viagem tranquila.

Seu passaporte talvez não receba nenhum visto, pois na ‘alfândega dos méritos’ será exigido apenas o olhar sereno e confiante que os ‘descartes’ foram feitos de forma consciente e que seguiram todas as bem-aventuranças que moldaram nossa vida.

Talvez neste momento você entenda que erros cometidos foram confessados; orgulho de nada serviu; mentiras foram dissolvidas em verdades; medos foram superados; traumas não deixaram marcas, desavenças foram conciliadas e isso é perceptível quando passamos no ‘Raio D’ e lá, na aura do espírito, está gravado com letras divinas: PERDÃO.

Opa! Um detalhe: a partir da passagem pelo ‘Raio D (de Deus)’ sua mala de tão vazia e sem necessidade será reciclada e transformada em matéria prima para mostrar aos que ainda estão juntando ‘troços’ terrenos, que a única valia para transportar até aqui - amor - já vem gravada ‘digitalmente’ no coração.

E o dia da viagem?!
O bilhete está em aberto. E por isso fique vigilante com sua mala. Talvez não dê tempo arrumá-la de última hora.

Coloque um aviso na agenda da vida: “vigiai e orai”

Esse alerta certamente aliviará fardos desnecessários na mala. Com isso, ela estará sempre pronta para a viagem mais importante da sua vida.

Paulo Diniz canta em “Vou-me embora”:

“Vou-me embora / vou-me embora / vou buscar a sorte /caminhos que me levam / não tem Sul nem Norte / mas meu andar é firme / meu anseio é forte / ou eu encanto a vida / ou desencanto a morte…”.

Eu digo, encante a vida!

Mas... Cuide da mala, revisando diariamente seu conteúdo.






continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários