Ocupação hoteleira no Rio Grande do Norte cai 45% em 2020

Publicação: 2021-02-14 00:00:00
Ricardo Araújo
Editor

A pandemia do novo coronavírus acertou em cheio a engrenagem do Turismo no Rio Grande do Norte. Um dos setores que mais emprega no Estado sentiu os efeitos devastadores do avanço da covid-19 nos números relacionados à hospedagem ao longo de 2020: queda de 45,24% em relação ao ano anterior. Conforme dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte (ABIH-RN), o volume de ocupação de janeiro a dezembro do ano passado não superou os 30,5%.  No mesmo período, o Turismo em todo o Brasil perdeu R$ 274 bilhões conforme levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Créditos: Alex RégisHotéis no Rio Grande do Norte passaram seis meses fechadosHotéis no Rio Grande do Norte passaram seis meses fechados

saiba mais


Não bastasse a pandemia, que já matou mais de 236 mil pessoas no Brasil, e provocou o fechamento de praticamente todas as atividades comerciais por pelo menos seis meses ao longo de 2020, o Rio Grande do Norte ainda sofre com o alto custo das passagens aéreas. Esse pode ter sido mais um dos fatores que culminou na queda significativa no  quantitativo de ocupação de leitos dos hotéis e pousadas conveniados à ABIH no Estado. O Aeroporto Int. Gov. Aluízio Alves registrou recuo de 49% na movimentação de passageiros ao longo do ano passado.

 “A pandemia trouxe uma peculiaridade para o turismo regional. Muita gente está deixando para comprar em cima da hora, pelo menos nos últimos 10 dias ou última semana, então muitas vezes quando achamos que vai dar uma ocupação de 50% / 60%, quando vê ela chega a cerca de 65%, que foi o que aconteceu agora no final de ano”, comenta Abdon Gosson, presidente da ABIH/RN.

Para este Carnaval, cujas festas públicas e privadas estão suspensas em todo o Rio Grande do Norte conforme decreto assinado pela governadora Fátima Bezerra, a expectativa também é de queda na movimentação turística, diferente do registrado no mesmo período de 2020, poucos dias antes da decretação da pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O Carnaval 2020 foi um dos últimos grandes feriados antes do início da pandemia no Estado do Rio Grande do Norte, e nessa época foi registrado uma ocupação de quase 90% tanto na hotelaria de Natal quanto de Pipa. Em 2021, com as festividades canceladas, ponto facultativo suspenso e o feriado revogado por motivos de precaução a segurança sanitária, a ocupação na hotelaria dos dois maiores destinos turísticos do Estado beira aos 68%”, afirma a Associação em nota.

Em janeiro de 2020, período pré-pandemia, conforme dados da ABIH/RN, a ocupação hoteleira na capital foi de 82%. Em Pipa, chegou a 83%. Para janeiro passado, Natal e Pipa apresentaram 68% de ocupação, cada. “Uma queda de aproximadamente 17%, o que é considerado um número ruim visto que janeiro é um dos meses mais movimentados e lucrativos para o setor de turismo no geral”, continua a ABIH/RN.

A esperança de dias melhores está na vacinação em massa. “Esperamos que a população esteja vacinada o mais rápido possível. A economia precisa retomar, não podemos perder outros feriados. A crise da pandemia já deixou muitos prejuízos para o setor. Precisamos também continuar intensificando cada vez mais a divulgação do nosso destino a nível regional e, consequentemente, nacional, que são os principais focos de turistas que estamos recebendo nesse momento, para que tenhamos uma retomada gradativa e consistente do turismo potiguar, a indústria que mais gera empregos no Rio Grande do Norte", ressalta  Abdon Gosson.

Ocupação hoteleira
Veja abaixo os percentuais de ocupação de hotéis e pousadas conveniados à ABIH/RN.

2014: 48%

2015: 55,4%

2016: 52,8%

2017: 56%

2018: 56,2%

2019: 55,7%

2020: 30,5%

Fonte: Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte (ABIH-RN)