Ocupação hoteleira sofre estagnação no Rio Grande do Norte

Publicação: 2019-12-08 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ricardo Araújo
Editor de Economia

O setor hoteleiro do Rio Grande do Norte busca, na alta estação que está prestes a iniciar, uma reversão do quadro de estagnação enfrentado ao longo deste ano nos principais destinos turísticos do Estado: Natal e Pipa. Nessas localidades, a taxa de ocupação de leitos de hotéis e pousadas conveniados à Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Rio Grande do Norte (ABIH/RN) se manteve quase a mesma de janeiro a novembro em comparação com o mesmo intervalo do ano passado. Em 2019, nos onze meses, foi registrada média de  64,14% de ocupação em Natal, inferior aos 65,45% no passado no mesmo período. Em Pipa, a taxa no acumulado de janeiro a novembro deste ano ficou em 55,82% ante 55,66% de 2018.

Conforme o presidente da ABIH/RN, José Odécio Júnior, essa estagnação ainda é reflexo dos altos custos das passagens aéreas cobrados para Natal antes da modificação do decreto estadual que impôs a redução da alíquota do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o querosene de aviação. A expectativa, porém, é que o cenário mude a partir deste mês de dezembro e o ano encerre com um saldo positivo de ocupação de leitos.
A ABIH aponta que queda no percentual de ocupação de leitos em hotéis e pousadas ainda é reflexo do valor das passagens caras
A ABIH aponta que queda no percentual de ocupação de leitos em hotéis e pousadas ainda é reflexo do valor das passagens caras

“A expectativa do setor para o verão é muito positiva, tendo em vista o aumento do número de voos na alta estação e também do aumento do número de voos para Natal em face das mudanças realizadas no ICMS de querosene de aviação, bem como o trabalho que desenvolvemos na ABIH com nossos parceiros funcionais, ações de promoções como a que a fizemos com a Azul (Linhas Aéreas) recentemente. Enfim, a expectativa é positiva e espero, realmente, que tenhamos um bom verão. Vale ressaltar, também, as medidas que o governo federal vem adotando para melhorar o ambiente de negócios no Brasil e, com isso, tem aumentado a confiança do empresariado para investir no país e a do consumidor, para consumir”, destaca José Odécio Júnior.

As possíveis mudanças poderão ocorrer por duas vias: maior movimentação de turistas nacionais e internacionais com destino ao Rio Grande do Norte. Conforme dados da Inframérica, administradora do Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, o terminal terá para os meses de dezembro e janeiro cerca de 668 voos extras para atender a demanda da alta temporada. No mesmo período do ano passado, o número de voos extras previstos era de 558.

Para o bimestre, a concessionária prevê um fluxo entre 550 mil e 595 mil passageiros. A movimentação aérea esperada para o período é de 3.687 pousos e decolagens.

Os dias de maior fluxo de passageiros devem ser 20, 21 e 22 de dezembro, vésperas das comemorações de Natal, e 27 e 28 de dezembro, saída para o Ano Novo. A maioria dos voos que chegam a Natal vem de São Paulo, Recife, Rio de Janeiro e Brasília. O movimento internacional também deve aumentar.

A expectativa é que 28 mil embarques e desembarques aconteçam no período. A TAP aumentou a frequência e a Corendon está realizando voos charters de Amsterdã para a capital potiguar.

Serviços em queda

O Ministério do Turismo, através da Subsecretraria de Inovação e Gestão do Conhecimento aplicou a Pesquisa de Sondagem Industrial nos meios de hospedagem do Rio Grande do Norte. A pesquisa, realizada em julho/2019, é referente à percepção dos empresários quanto ao desempenho e à perspectiva de seus estabelecimentos e de seus destinos.

No que tange ao desempenho dos estabelecimento, uma comparação do segundo trimestre deste ano com o mesmo período do ano passado mostra que 48,5% dos empresários de meios de hospedagem do Rio Grande do Norte declararam estabilidade no número de empregados.

Quanto à demanda pelos serviços ofertados, 42,4% desses empresários afirmaram que houve queda, enquanto que para 33,4% houve estabilidade. Para o faturamento da empresa, 57,6% desses empresários informaram queda, e 21,2% aumento ou estabilidade.

Perspectivas


Com relação à perspectiva para os próximos meses, 48,5% dos empresários de meios de hospedagem do Rio Grande do Norte esperam estabilidade no número de empregados. Quanto à demanda por serviços ofertados, 45,5% desses empresários têm a expectativa de aumento e 27,3% de queda. Para o faturamento da empresa, 39,4% dos empresários esperam aumento enquanto 33,3%, queda.

Veja abaixo o percentual de ocupação em Natal e Pipa

Natal
Janeiro 2018     79,17%
Janeiro 2019     80,06%

Fevereiro 2018     75,18%
Fevereiro 2019     69,24%

Março 2018     69,25%
Março 2019     69,30%

Abril 2018     59,87%
Abril 2019     63,44%

Maio 2018     47,34%
Maio 2019    50,41%

Junho 2018     46,39%
Junho 2019     46,3%

Julho 2018     76,2%
Julho 2019     66,91%

Agosto 2018     56,43%
Agosto 2019     58,72%

Setembro 2018     66,69%
Setembro 2019     62,92%

Outubro 2018     69%
Outubro 2019     70,39%

Novembro 2018     74,49%
Novembro 2019     67,86%

Média 2018    65,45%
Média 2019     64,14%

Pipa

Janeiro 2018     85,72%
Janeiro 2019     81,25%

Fevereiro 2018     71,86%
Fevereiro 2019     59,63%

Março 2018     63,76%
Março 2019     63,8%

Abril 2018     49,72%
Abril 2019     51,25%

Maio 2018     34,35%
Maio 2019     42,96%

Junho 2018     35,83%
Junho 2019     40,2%

Julho 2018     62,8%
Julho 2019     59,85%

Agosto 2018     47,77%
Agosto 2019    52,46%

Setembro 2018     53,21%
Setembro 2019     49,51%

Outubro 2018     52%
Outubro 2019     55,99%

Novembro 2018    55,29%
Novembro 2019     57,20%

Média 2018     55,66%
Média 2019     55,82%





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários