Outra crise do petróleo

Publicação: 2019-09-17 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Alex Medeiros
alexmedeiros1959@gmail.com

Menino de 14 anos, lembro do alarmado noticiário durante a primeira crise do petróleo, em 1973. Dos exageros com a confusão dos mercados internacionais, não esqueço a campanha da Petrobras pedindo para os adultos reduzirem o consumo de gasolina, nem muito menos a iniciativa extravagante da prefeitura de Cuiabá que diminuiu a coleta de lixo. Minha atenção era para o Campeonato Nacional, a estreia do Secos & Molhados e a trágica morte de Bruce Lee.

Seis anos depois veio a segunda crise, e eu achei que era sacanagem comigo. No ano que a gente faz 20 anos, feliz da vida num modesto emprego de professor de segundo grau, apto financeiramente a comprar os LPs de rock que bem entender, aí vem de novo o terrorismo mercadológico para assustar o mundo. Naquele 1979, era maioridade mesmo da minha geração, representada no primeiro álbum solo de Michael Jackson, que fez 21 anos em agosto.
Aprendi a não levar a sério a tal crise do petróleo. Não por entender das consequências geopolíticas e econômicas inseridas nela, mas por escapar incólume todas as vezes, inclusive na terceira vez, onze anos atrás, em 2008.

Meu pai já tinha me avisado diversas vezes ao longo do tempo da nossa convivência: “desde minha mocidade que tem crises, umas grandes, outras não, mas em todas a vida segue do mesmo jeito”, dizia numa calma peculiar.

Ontem, a imprensa do mundo inteiro tratou de batizar de “quarta crise do petróleo” as consequências econômicas do bombardeio por drones de algumas refinarias árabes. O ataque foi no sábado, e as bolsas despencaram ontem.

Donald Trump tratou de culpar o governo do Irã. Os terroristas do grupo Houthis, do Iêmen, assumiram o atentado. O ministro do Irã, Javad Zarif, disse que o ataque é culpa da política de pressão dos EUA. A OPEP pode se reunir.

A Morgan Stanley já faz previsão de um barril a US$ 150 até o fim do verão na Europa. A petroleira russa Gazprom é mais drástica e aponta um barril a US$ 250. E a cotação Brent disparou em 10% o aumento na Europa e na Ásia.

A petroleira Aramco, alvo do bombardeio, disse que sua produção caiu em 5,6 milhões de barris por dia. Já no Texas, o preço subiu mais 9%, indo agora para US$ 59,82. O Exchange Futures negociou ontem nas alturas, a US$ 66,56.

Um especialista português tratou de botar fogo na relação de Israel com a vizinhança, prevendo que a maior alta, coisa de 20%, será no Oriente Médio. Por culpa da política belicosa de Trump e Netanyahu, segundo o lusitano.

Estou acompanhando a cobertura da mídia de Pindorama, especialmente GloboNews, CBN, BandNews e Folha de S. Paulo. Quero ver o que mais os assusta, se essa nova alta do petróleo ou a alta hospitalar de Jair Bolsonaro.

artigo


Plano Diretor
Na coletiva do prefeito Álvaro Dias, os empresários Flávio Azevedo e Ricardo Alves anunciaram a cobertura total dos veículos do grupo Tribuna nos debates sobre a cidade e que institucionalmente estarão alinhados com a prefeitura.

Visões distintas
Flávio deixou claro que todas as posições a respeito da reforma do Plano Diretor terão espaço na Tribuna, na FM 93.5, na TN Online e no Portal No Ar. Mas pontuou que as empresas têm um posicionamento editorial sobre o tema.

Ainda o Bandern
Com apoio do Sindicato dos Servidores Públicos, 90 antigos empregados do Bandern irão sexta-feira à Governadoria para pedir um desfecho digno para o limbo em que foram jogados, sem qualquer direito há quase trinta anos.

Debate
Próximo dia 27 acontecerá em Natal o Fórum Regional de Discussão da Reforma Anticrime, promovido pela Justiça Federal seção RN e Associação de Magistrados. Palestrantes de âmbitos nacional e regionais em destaque.

Debate II
Na discussão os juízes Ricardo Tinoco e Walter Nunes (RN), procuradores Thaméa Danelon (SP) e Marcelo Alves (RN), advogado Fabrizio Feliciano (RN) e dois defensores de presos na Lava Jato, José Eduardo Cardozo e Kakay.

Destaque
O economista natalense Tiago Melo ganhou espaço na revista Você S/A, referência das publicações sobre profissionais em destaque. O motivo foi sua rápida especialização na gestão de empresas do ramo de pesca oceânica.

Racine
Na quinta-feira, 19, Racine Santos lança na Academia de Letras, às 19h, seu novo romance, “De Susto, de Bala e Vício”, onde conta a aventura juvenil da geração de 1968 em Natal. Ele foi testemunha e personagem muito especial.

Berilo
Será no próximo dia 26 o lançamento do livro “Memória Emoldurada”, do escritor e médico Berilo de Castro, um dos craques do futebol potiguar na era Juvenal Lamartine. A partir das 18h no salão do Restaurante Nemesio.

Neymar
Mesmo com o gol no final do jogo, a situação do jogador no PSG segue em conflito. As vaias e palavras agressivas da torcida foram contemporizadas pelo técnico: “Ele também não foi justo com a torcida na janela de transferência”.

Um zé mané
Figura abjeta que beira a escatologia ambulante, Jean Wyllys cuspiu desrespeito aos artistas que ganham a vida se apresentando em bares, restaurantes e similares. Sem argumento para explicar a farsa sobre Harvard, disse “Vou dar aula, sim. Esperavam o quê, que eu cantasse em bares?”. Ah, se o bosticroide soubesse da honradez que tem um músico.






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários