Outubro Rosa 2017 - Elas tiveram câncer de mama ...

Publicação: 2017-10-15 00:00:00
A+ A-
Rosalie de Arruda Câmara
Interina - rosaliearruda@uol.com.br

Olá queridos..

Abro a coluna deste domingo para falar sobre  as mulheres que, como eu, tiveram câncer de mama e conseguiram superar a doença com um olhar otimista em relação à vida e as pessoas.

Conselho? O que li em algum lugar…

“Não deixe nunca de fazer planos
Planos nos impulsionam ao futuro
E nos dão forças para continuar...”


Idaisa Cavalcanti, 54 anos - Procuradora do RN aposentada

Tive o diagnóstico de câncer de mama em 2010, e terminou em uma mastectomia. Fiquei curada. Durante esse período escrevi “O  Manual do Câncer de Mama – Dicas e Direitos para uma melhor qualidade de vida. 

Em 2012, fundamos o Grupo Reviver para levar informação sobre prevenção, diagnóstico precoce do câncer de mama e direitos a mulheres do RN; desde 2015, fazemos mutirões de mamografia e, desde junho deste ano, ultrassonografias.  Agora em julho de 2017 descobri novo tumor entre a axila e a mama direita. Foi um grande susto.  Este mês ainda iniciarei novo tratamento.

É isto, acontece... afinal uma vez paciente oncológico sempre paciente oncológico. “Simbora” se tratar e ser feliz, mesmo com uma doença grave.”

Ariadna Rocha Ribeiro Dantas, 53 anos - Advogada

Descobri que estava com câncer de mama com metástase nos linfonodos e fígado em junho de 2012. Fiz quimioterapia.  Passei por 3 cirurgias. Em janeiro de 2014 tive recidiva nos pulmões. Voltei a químio, agora com outras drogas. A resposta foi excelente. Agora já estou sem medicação há quase um ano. Desde o primeiro diagnóstico, conjugo o verbo SUPERAR para rever o passado e viver o agora. O futuro não é mais planejado. É só o momento que vivo. Se for de dor, ponho na última gaveta da paciência e resiliência. É lá que ela é tratada por um Deus misericordioso. Se for de alegria, digo: obrigada, Senhor, tudo valeu a pena para viver esta felicidade! Acredite! É possível ser feliz depois do câncer, mas é preciso aceitar a inconstância das coisas. O sentido nunca virá ser o sentir. Família e amigos sempre juntos é fundamental

Graça Nascimento, 53 anos - Servidora Pública

“A vida é única e tem que ser vivida intensamente. Cada dia é um recomeço e vale muito a pena viver. Hoje em dia dou mais valor à vida, vivo um dia de cada vez sem muita expectativa, vivo o momento.”

Fez mastectomia geral e passada a dolorosa experiência, recomenda sempre as mulheres a terem precaução. Quanto mais cedo souber do diagnóstico, maior a chance de cura.

Amanda Albuquerque, 27 anos - Universitária

“Não é fácil enfrentar o câncer e o tratamento, mas não é impossível vencê-lo, é preciso ter muita fé e se entregar até o fim. Sempre procuro olhar o lado positivo do que acontece. Meu cabelo era grande, nunca cortei, o câncer o levou. Passei então a sentir o vento na careca e gostar. Não deixei de ser mulher por não ter uma mama. Quando você se aceita, os outros também aceitam.”

Sandra Melo, 41 anos - Professora

“Tudo posso em Cristo que me fortalece. Quem me nutre diariamente é Deus e Nele eu posso tudo. Deus montou um exército para cuidar de mim. Tenho muita gratidão desde aos médicos até ao profissional que varre o chão, todos fazem tudo para nos ajudar”.

Arrumei-me para ir a uma guerra, tinha dia que queria fraquejar, mas não me entreguei. No final do tratamento chorei de todo o cansaço pela passagem no vale. Fica agora uma comunhão maior com Deus.”

Giovanna Sinedino, 47 anos - Administradora

“A fé é mais preciosa que a saúde. Com fé, até nos momentos sem saúde você consegue ser feliz. Sou grata a Deus por cada dia a mais. Digo e repito quantas vezes for importante dizer: o câncer foi um presente em minha vida. Só quem tem a honra de passar por um momento que nos coloca no limite tem o prazer de saborear este sentimento de amor palpável. Além dos amigos, me sentia literalmente vivendo a letra da música ‘Pegadas na Areia’. Naqueles momentos, Jesus me levou no colo, tenho a mais absoluta certeza.”

Giovanna descobriu por acaso o carcinoma in situ da mama. 

Rochelle de Lima Farias, médica oncologista da Oncocentro e Liga Norte Rio-grandense contra o Câncer

Fomos ouvir uma especialista  que convive cotidianamente com mulheres com câncer. Ela  alerta sobre a forma de combatê-lo.

“Sabemos que o câncer de mama tem acometido grande parcela da população feminina e, infelizmente, em pacientes cada vez mais jovens. Quanto mais precocemente o câncer for diagnosticado, maior será a chance de cura e de melhor resultado estético para a paciente, já que os seios são órgãos que expressam a beleza e a sensualidade feminina. O outubro rosa é uma campanha que tem a mulher como foco e é uma data comemorada mundialmente, tendo como objetivo principal o incentivo à população a procurar um profissional da saúde, anualmente, a fim de que seja diagnosticado, cada vez mais precocemente, esse grande vilão que tem assustado as mulheres.”

Frase
Ei, medo.
Eu não te
Escuto mais.

(Jota Quest)