País tão desigualdade

Publicação: 2018-12-06 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Antônio Felipe
laf@tribunadonorte.com.br

Estatísticas do IBGE, divulgadas ontem, confirmam que a informalidade cresce e atinge 37,3 milhões de trabalhadores, com dados de 2017. Os trabalhadores brancos ganham, em média, 72,5% mais do que pretos e pardos. No Brasil desigual e injusto, mais de 15 milhões de pessoas vivem com até R$ 140 por mês. Na educação, o estudante de escola particular tem o dobro da chance de entrar na faculdade, na grande maioria é a pública. E,mesmo com o fim da recessão, a concentração de renda continuou crescendo no ano passado. Considerando a renda total domiciliar por pessoa, o Índice de Gini aumentou de 0,546 em 2016 para 0,549 em 2017 – quanto mais perto de 1,0, maior a desigualdade.

Risco
O País terá problema com a geração de energia se tiver crescimento robusto, alertam os especialistas. Um crescimento médio de 4% do PIB, por anos seguidos, o risco de faltar energia é real. Estamos na situação do: se correr o bicho pega e se ficar o bicho come.

Opinião (I)
“Hoje em dia é muito difícil ser patrão no Brasil, não há dúvida”. A afirmação é do presidente eleito, Jair Bolsonaro,  ao defender um aprofundamento da reforma trabalhista em seu governo, com medidas mais favoráveis aos empregadores. Mais de 50 países adotam o décimo terceiro, um custo que tem retorno. Reduzir direitos não seria uma boa solução. A Previdência também garante retorno. Se há algum encargo pra mudar seria na tributação, com risco de perda de receita.

Opinião (II)
Em outra opinião o presidente eleito Jair Bolsonaro diz que  a reforma da Previdência como está no Congresso é “agressiva para o trabalhador”. Portanto, aguara-se com muito mais expectativa a proposta do futuro governo. Entre outras coisas, a proposta que está na Câmara prevê idades mínimas iniciais de 53 anos para mulheres e 55 anos para homens, avançando em duas décadas para 62 anos para mulheres e 65 anos homens.

Agronegócios
A conta do acordo de comércio dos Estados Unidos com o Brasil vem agora. Os EUA cobram do Brasil o fim da cota de importação para o etanol e abertura para o trigo. Sabendo que a gestão Temer está no fim, o País espera que as demandas sejam atendidas de maneira acelerada pelo governo de Jair Bolsonaro. A conversa é curta. Se deseja ser amigo, então abra o seu comércio.

Previsão de investimentos
Os empresários planejam investir mais em 2019, constata a Boa Vista SCPC. A pesquisa “Perspectivas Empresariais” também identificou otimismo por parte dos empresários quando questionados sobre a previsão de faturamento em seus negócios. O incremento  é de quatro pontos percentuais na comparação com o 3º trimestre de 2017. Outros 29% dos entrevistados acreditam que os investimentos em seus negócios serão iguais aos de 2018 (no mesmo trimestre de 2017 eram 33%) e 27% acreditam que vão investir valores inferiores em relação ao ano vigente (contra 26% apontados no mesmo período do ano passado).

Queima
O consumo de gás natural no País, em setembro, atinge o maior nível em 39 meses.  Na comparação com agosto, o crescimento foi de 9,8%. Já no acumulado do ano, a alta é de 4,4%, frente à média dos nove meses iniciais de 2017.

Petrobras
Uma roubalheira escancarada. É o que se pode deduzir do que fizeram com a Petrobras. A nova fase da Lava-Jato ontem apura a corrupção em área de  vendas da Petrobras. Nada menos do que 190 policiais cumpriram 37 ordens judiciais. Segundo analistas, a estatal ainda tem uma dívida em torno dos R$ 200 bilhões. E ontem foi lançado o Plano de Negócios da Petrobras até 2023, US$ 84 bi, em investimentos estimando recolher mais  R$ 600 bilhões em impostos em cinco anos.

Biogás
A operadora TIM anuncia que terá a maior usina de biogás do País e quer chegar a 60% da matriz energética de fontes renováveis, até 2020. Assinou contrato para colocar em operação, ainda em 2018, a primeira usina de biogás de resíduos sólidos urbanos com 5 MW de potência para autoconsumo remoto do Brasil. A planta irá atender 864 sites (antenas) na área de concessão da Eletropaulo, São Paulo.

Repasse
Mesmo com a crise ou a desarrumação nas finanças, o Governo do Estado abriu crédito suplementar para repassar mais de R$ 80 milhões ao Poder Judiciário. Dinheiro para decisões da Justiça. Enquanto isso, o salário do servidor e a saúde ficam na fila de espera, literalmente.



continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários