Para ver e ouvir as Tribos

Publicação: 2018-02-03 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Símbolos de um povo que teima em manter vivas suas origens, as Tribos de Índios são parte tradicional do Carnaval de Natal. Para dar maior visibilidade a essa manifestação antiga, a Prefeitura de Natal resolveu mudar o local do desfile dos grupos. Depois de anos desfilando na Ribeira, as tribos irão desfilar em Ponta Negra, de modo semelhante aos blocos de rua. Outra mudança neste ano é que pela primeira vez não haverá competição. Todas as tribos sairão em sequência, mostrando a música, dança e indumentária, realçando rituais e outros elementos de raízes indígenas. O desfile das Tribos de Índios acontece na segunda de carnaval, dia 12, com trajeto pela rua Praia de Ponta Negra até o Palco Principal (Praça Ecológica). A concentração será a partir das 15h, em frente a Feirinha de Artesanato.

Tribo Tabajara trocará a Ribeira pelo desfile no Polo Ponta Negra, na segunda-feira de carnaval. Transição para novo formato agrada as agremiações
Tribo Tabajara trocará a Ribeira pelo desfile no Polo Ponta Negra, na segunda-feira de carnaval. Transição para novo formato agrada as agremiações

Poucos descendentes
Nove Tribos foram credenciadas pela Fundação Capitania das Artes (Funcarte) para desfilar este ano. Todas possuem a declaração de reconhecimento público emitida pelo Departamento de Patrimônio Cultural da fundação. As tribos do carnaval não possuem relação direta como os grupos indígenas remanescentes no território potiguar. São na verdade agremiações que surgiram brincando o carnaval de modo simples, alegre e fazendo referência aos primeiros habitantes do país.

“Em algumas das tribos do carnaval até tem descendentes de índios. Mas os grupos surgiram mais valorizar a cultura indígena enquanto brincam na festa. A gente sai pra homenagear os índios, as danças deles, os batuques”, diz Paulo Lira, um dos fundadores da Tribo Tabajara, do bairro Felipe Camarão.

“Por trás de cada desfile há estudo. A gente pesquisa a cultura indígena, vai atrás de ritmos e temas. O carnaval é bacana porque é uma festa de todas as culturas. E da nossa parte a gente valoriza a história daqueles que são os verdadeiros donos dessas terras”.

Além da Tabajara, as outras tribos que desfilam nesse carnaval são: Saterê Mawê (São Gonçalo do Amarante), Apache (Ceará-Mirim), Guaraci (Mãe Luiza), Mobralino Mapabu (São José de Mipibu), Tupi Guarani (São Gonçalo do Amarante), Gaviões Amarelo (Igapó), Tapuias (Redinha) e Potiguares (Rocas).

Assim como as Escolas de Samba, as Tribos de Índios recebem ajuda de custo da Prefeitura de Natal. Cada uma das nove tribos credenciadas pela Funcarte receberão apoio no valor de R$ 9 mil. Os recursos são do orçamento geral da fundação. O credenciamento das tribos se deu por meio de Seleção Pública.

Pela primeira vez as tribos não competirão entre si pela escolha do melhor desfile. Para Ana Catarina, da Tribo Tapuia, essa novidade não muda muita coisa. “Nosso cuidado com o cortejo continua o mesmo. Vamos mostrar traços representativos da cultura indígena por meio da encenação do ritual do caçador, trazendo vários personagens, como pajé, feiticeiro, cacique, todos puxados pelo som do tambor”, diz Catarina, que nos primeiros anos da tribo, há mais de 40 anos atrás, acompanha os pais na brincadeira pelas praias do litoral norte. “A gente saia da Redinha batendo tambor e ia à pé até Genipabu, Santa Rita. Nosso carnaval sempre foi por aqui”.

Segundo Paulo Lira, a mudança para Ponta Negra pode ser benéfico no sentido de valorizar a tradição das tribos. “Teremos mais visibilidade. Lá é um pólo cheio de gente. Vamos sair como os blocos. Teremos mais contato com os foliões. Poderemos mostrar nossas raízes para mais turistas e imprensa”, comenta.

Grupos Folclóricos também terão lugar 
Outras tradicionais manifestações da cultura potiguar terão espaço no Carnaval de Natal. No dia 12 de fevereiro, a partir das 17h, no Largo do Atheneu, o Pólo Petrópolis recebe grupos folclóricos, como Congo de Calçola, Lapinha, Araruna, Reis Magos, Boi de Reis, Ladrões do Sorriso, Pastoril de Cabeceiras, além dos projetos Filarmônica E. M. Ferreira Itajubá e Grupo Parafolclórico.

Desfiles
Tribos de Índios (Polo Ponta Negra) – Dia 12/02
Das 17h às 19h – Av. Praia de Ponta Negra
Tribo de Índios Saterê Mawê (São Gonçalo do Amarante)
Tribo Apache (CEará-Mirim)
Tribo Guaraci (Mãe Luíza)
Tribo de Índios Mobralino Mapabu (São José de Mipibu)
Tribo de Índios Tabajara (Felipe Camarão)
Tupi de Índios Guarani (São Gonçalo do Amarante)
Tribo Gaviões Amarelo (Igapó)
Tribo Tapuias (Redinha)
Tribo Potiguares (Rocas)
 
Grupos folclóricos
Dia 12 de fevereiro – Polo Petrópolis. Largo do Atheneu
Congo de Calçolas
Lapinha
Araruna
Reis Magos
Boi de Reis
Ladrões do Sorriso
Pastoril de Cabeceiras


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários