Parque Aristófanes Fernandes lota no feriado nacional

Publicação: 2011-10-13 00:00:00
O feriado nacional em homenagem a Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, e Dia das Crianças foi o dia mais movimentado da 49ª edição da Festa do Boi, de acordo com a organização da Festa do Boi. Até o início da tarde, mais de 30 mil pessoas já haviam passado pelo Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim, local da festa. O público aproveitou o feriado e levou as crianças para passear de cavalo e aproveitou outras atrações. No tatersal, foi a vez do Leilão União Potiguar de ovinos e caprinos.

Fabiano Santos, 12 anos: venda de frutas em troca de ingressos para o parque de diversõesJá o leilão promovido pela Associação Norte-Riograndense de Criadores de Cavalos Quarto de Milha (ANQM), na noite da terça-feira, não atingiu a expectativa de aumento em 20% com relação ao ano passado. De acordo com Marcelo Abdon, diretor de comunicação da Associação dos Criadores de Gado do Rio Grande do Norte (Anorc), o leilão movimentou R$ 1,4 milhão. Mesma cifra registrada em 2010. “O valor total do leilão da ANQM foi de R$ 1 milhão e 422 mil. Nos outros três leilões ocorridos nos primeiros dias de festa, tivemos uma movimentação de pouco mais de R$ 450 mil”, disse.

Nem só de leilões e exposições vive a Festa do Boi. Pequenos comerciantes e ambulantes aproveitam o evento para faturar com a venda de bebidas, comidas, brinquedos e demais bugigangas. Há também aqueles que prestam serviço de passeio com pôneis e outros animais de pequeno porte. Apesar da quantidade de pessoas que visitavam o parque durante todo o dia de ontem, alguns ambulantes reclamavam do movimento. “Este ano está fraco. Só hoje [ontem] que deu uma melhorada. Tomara que continue assim”, disse a vendedora de maça do amor e batata frita, Nalva Menezes. Ela culpa o valor do ingresso (R$ 4,00) pela baixa nas vendas. “Esse valor é muito caro. Nem todo mundo pode pagar”.

Já era quase 18h30 quando o motorista Paraguaçu Fernandes conseguiu entrar no local da Festa. “O trânsito estava muito engarrafado”, explicou. Paraguaçu levou a mulher e duas filhas que escolheram um passeio na charrete para brincar. “Como é o dia das crianças, a gente tem que trazer elas para se divertir, não é mesmo?”, disse.

SERVIÇO

Quinta-feira:  20h
Leilão da raça dos bovinos Sindi.
Ingressos: R$ 4,00 (inteira), R$ 2,00 (estudante).

Trabalho duro no Dia da Criança

O dia de ontem não foi de diversão para todas as crianças que estavam na Festa do Boi. Apesar do dia ser dedicado a elas, enquanto muitos meninos corriam em meio aos animais ou brincavam nas opções de lazer que o evento oferece, outras crianças trabalhavam. Era o caso do pequeno Fabiano dos Santos, 12 anos, que colocava uvas em palitos de pau numa barraca do parque. Pelo serviço, o garoto receberia ingressos para o parque de diversões instalado no local. “Eu trabalho para poder brincar depois”, disse.

Segundo Fabiano, a tarefa de espetar uvas nos palitos de pau começou às 15h e só iriar acabar depois das 19h. O menino de olhar tímido disse que não queria ganhar nenhum presente no Dia das Crianças. “Queria viajar para encontrar com minha mãe”, afirmou. A mãe do garoto está em “uma cidade do interior” e o deixou sob os cuidados do pai.

Do lado de fora do Parque, no meio de barracas e do trânsito caótico, outras crianças também trabalhavam. Não era difícil encontrar meninos e meninas colhendo latas de alumínio do chão. “Eu tô aqui com minha mãe. A gente sempre vem quando tem essa festa porque é bom para catar lata. Depois vamos vender”, disse Diego de Assis, 13 anos. Além do trabalho braçal e o semblante de cansaço nos rostos, as crianças dividiam o mesmo desejo: brincar no dia dedicado a elas.

Leia também: