Economia
Passaporte vacinal começa a ser exigido e sindicato diz que pequenos empresários podem fechar
Publicado: 10:06:00 - 21/01/2022 Atualizado: 10:59:35 - 21/01/2022
Os bares, restaurantes e shoppings de Natal começam a exigir o passaporte vacinal a partir desta sexta-feira (21). Mesmo com a orientação de cumprimento da medida, o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes Bares e Similares do Rio Grande do Norte (SHRBS), Habib Chalita, fez duras críticas à medida e diz que a determinação do Governo do Estado pode contribuir para o fechamento de pequenos estabelecimentos.
Reprodução/YouTube
Presidente do SHRBS, Habib Chalita, criticou postura do Governo do Estado

Presidente do SHRBS, Habib Chalita, criticou postura do Governo do Estado

Leia Mais

"Nós do setor privado, como sempre, temos que fazer das tropas coração para se adequar a essa nova etapa, que é obstáculo para o setor privado. Estamos sendo penalizados, trabalhando em cima de decretos", disse Habib Chalita, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan News Natal.

Pela determinação de decreto do Governo do Estado,  com vistas a conter a atual onda da covid-19 pela variante Ômicron, passa a valer a partir desta sexta-feira a exigência de apresentação do passaporte vacinal em estabelecimentos fechados como shoppings, bares e restaurantes. No entendimento de Habib Chalita, a decisão do Governo do Estado não levou em consideração as dificuldades dos pequenos e micro empresários.

"Essa obrigatoriedade é uma forca para os pequenos. Grandes estabelecimentos podem ter um custo e montar um bloqueio para que você chegue a entrar e mostrar o passaporte vacinal, mas os pequenos não. O passaporte vacinal não impede a transmissibilidade da covid. Se não cumprir, podemos deixar de funcionar. É justo para o pequeno, micro, médio, que trabalha todos os dias e faz parte da base da cadeia econômica? 98% são micros. Se não tiver (como cumprir), podemos passar por essa guilhotina econômica porque pode ser suspenso nosso alvará de funcionamento. Mais uma vez sobra a conta para o setor privado", criticou Habib Chalita.

Definindo as penalidades como "ditatoriais", Habib Chalita disse que é preciso focar na conscientização da população e ampliar a fiscalização por parte do Poder Público. "Quem fiscaliza os parrachos, o transporte público, o Beco da Lama?", questionou. 

Apesar da crítica, o representante do setor de bares, restaurantes, e hoteis disse que, no momento, vai esperar o posicionamento dos associados para saber se a questão poderá ser judicializada. Ele ainda criticou o que definiu como falta de sensibilidade do Governo do Estado com os pequenos empresários.

"Quando se fala em comitê científico e decreto, todo mundo se treme porque a conta sempre sobra para nós. O Governo é marcado por imposição, não por diálogo", disparou.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte