Passeios de Catamarã pelos rios potiguares atraem pela beleza de novos ecossistemas

Publicação: 2020-01-05 00:00:00
Tádzio França
Repórter

Colaborou: Cinthia Lopes, Editora 

As águas tranquilas, as belezas  naturais, as histórias às margens: navegar pelos rios é uma experiência para quem gosta de contemplar e relaxar. Apesar de ainda ser uma categoria pouco explorada pelo turismo potiguar, as iniciativas despontam para os que desejam cruzar águas mais calmas nas férias de verão. Uma novidade na área é o passeio do catamarã Sambaqui,  embarcação moderna que desliza pelas paragens fluviais mais bonitas de Canguaretama. Outra opção, pioneira e mais conhecida, são os catamarãs da Potengi Tur, que há cinco anos apresenta Natal pela ótica do rio Potengi. Embarcar nessas viagens é preciso. 

Créditos: Fabrício MedeirosA apresentação do ecossistema de Cunhaú aos navegantes é o grande chamariz do passeio, que visita o encontro entre os rios Cunhaú, Curimataú e GaratubaA apresentação do ecossistema de Cunhaú aos navegantes é o grande chamariz do passeio, que visita o encontro entre os rios Cunhaú, Curimataú e Garatuba
A apresentação do ecossistema de Cunhaú aos navegantes é o grande chamariz do passeio, que visita o encontro entre os rios Cunhaú, Curimataú e Garatuba

Sambaqui, na língua tupi, significa “amontoado de conchas”. Uma menção à fauna marinha da região que durante séculos alimentou os nativos originais de Canguaretama, e inspirou o nome da embarcação. O passeio está operando há dois meses, partindo da praia de Barra de Cunhaú e navegando pelas áreas onde os rios Cunhaú, Curimataú e Garatuba se encontram. São três horas de jornada pelas águas fluviais, com direito a paradas, banho de rio, e contato com as ricas fauna e flora da região. 

A apresentação do ecossistema de Cunhaú aos navegantes é o grande chamariz do passeio. O catamarã adentra o manguezal, um berçário para variadas espécies de peixes e moradia natural de moluscos, crustáceos e aves nativas como a rara garça azul. Esse encontro acontece no 'Meral', ponto onde os três rios se encontram. Uma das paradas oferece aos clientes a chance de ver como os nativos capturam os caranguejos, de uma forma artesanal e tradicional. As pessoas descem do barco e andam pelo manguezal, vivenciando a experiência. Os guias também explicam curiosidades sobre a pesca e os animais. 

Após o manguezal, o passeio segue pela margem direita do rio Cunhaú e segue a praia da Restinga, lugar de águas calmas, ideais para um banho refrescante e relaxante. No retorno à Barra de Cunhaú podem ainda apreciar o vilarejo de um panorama privilegiado. O passeio pode ser feito em duas alternativas de horários, o matinal e o vespertino – este, privilegia o pôr do sol e não conta com a parada no manguezal. 

O catamarã também propõe inovações pela própria estrutura. O Sambaqui é feito de uma tecnologia nova no Nordeste, que utiliza uma matéria-prima similar a das garrafas PET, leve e reciclável. O barco comporta até 130 pessoas: 92 sentadas no convés inferior, com mesas ideais para petiscos e bebidas servidas à bordo, e 28 passageiros no  'sun-deck' com opção de espaço livre ou com mesas e cadeiras, além de espaço de lazer à proa e popa. A embarcação navega silenciosa pelo rio, sem barulho de motor, com a leveza que o ambiente pede. 
A estrutura conta ainda com sistema de som para entrada USB e bluetooth, iluminação noturna (de led), banheiros individuais (masculino e feminino), bar para drinks e preparo de buffet, além de equipamento de salvatagem e segurança moderno e completo – extintores, coletes salva-vidas e bóias flex-prim para 50 passageiros cada.

Sonho fluvial 
Juarez Rabello, proprietário do Sambaqui e idealizador do passeio, já conhece bem aquelas águas: ele costumava atravessá-las na canoa de seu avô quando era criança. O que a avô fazia por farra com amigos, ele sonhou em levar para outras pessoas. A propriedade da família, a fazenda Casqueira, é margeada pelo rio Garatuba, que deságua no Curimataú. A fazenda também conta com diversos hectares preservados de mata atlântica e manguezal, sendo referência agrícola na região, campo de estudo e pesquisa arqueológica devido a sua riqueza cultural, histórica e natural. 

“É um rio bem largo e com águas tranquilas, boas para banho e ideais para receber crianças e idosos”, afirma Juarez. Ele pretende que no futuro o trajeto do barco seja similar ao que fazia na canoa do avô. Enquanto isso, o Sambaqui mostra a versatilidade de sua estrutura; além dos passeios convencionais, o barco pode ser alugado para variados eventos, como palestras, festas, desfiles, casamentos, etc. Para agendar o passeio, é preciso de no mínimo um grupo de 20 pessoas. 

Créditos: Fabrício MedeirosUma novidade na área é o passeio do Catamarã Sambaqui,  embarcação moderna que desliza pelas paragens fluviais mais bonitas de CanguaretamaUma novidade na área é o passeio do Catamarã Sambaqui, embarcação moderna que desliza pelas paragens fluviais mais bonitas de Canguaretama
Uma novidade na área é o passeio do Catamarã Sambaqui, embarcação moderna que desliza pelas paragens fluviais mais bonitas de Canguaretama

Visão do rio Potengi 
Quem embarca num passeio pelo rio Potengi vê Natal de outras formas e novos ângulos. Esta é a fascinação que a Potengi Tur já registrou em sua clientela durante cinco anos de existência. “A gente sente isso principalmente entre os moradores de Natal que fazem o passeio. Todo mundo está acostumado a ver o Potengi com os pés na cidade. Mas quando se vê a cidade pelo Potengi, o impacto é outro. É como se vissem a cidade pela primeira vez, de verdade”, afirma Ytallo Araújo, gerente administrativo da empresa. 

O passeio da Potengi Tur se define como “uma viagem náutica, histórica e ecológica”. O ponto de partida é o Iate Clube. A partir daí o barco circula por pouco mais de uma hora entre gamboas e pequenas ilhas, passando por alguns lugares chave da história natalense. Em destaque, pontos como o Forte dos Reis Magos, a ponte Newton Navarro, a praia dos militares  do  Exército, a Rampa, Canto do Mangue, o porto e terminal marítimo, a área de pescados do cais da Tavares de Lyra, Pedra do Rosário, Passo da Pátria, a base naval da Marinha com seu deque flutuante, entre outros. O instrutor a bordo explica cada local histórico e também sobre o mangue.

“O passeio é acima de tudo, didático. As pessoas aprendem sobre a importância do Potengi, e também lições de educação ambiental”, ressalta Ytallo. A atividade pode ser realizada em dois horários: às 9h e às 16h. O passeio vespertino é o favorito dos turistas pelo fator pôr do sol. Segundo o diretor, o público de fora ainda é o que mais procura a Potengi Tur. São na maioria gente do sudeste e do sul, e também argentinos e uruguaios. Mesmo assim, ele enfatiza que tem crescido o número de natalenses e potiguares que têm curiosidade pelo passeio. 

A Potengi Tur conta com dois catamarãs, um para 97 passageiros, e outro menor para 47. Os barcos podem ser alugados para variados eventos, festas, confraternizações. É preciso no mínimo oito pessoas para fechar um passeio. Segundo Ytallo, está sendo pensado para 2020 um novo projeto voltado pro horário do almoço, com direito a pausa para banho, a princípio apenas para os fins de semana. Mais uma alegria nas águas do Potengi. 

Serviço:
Catamarã Sambaqui. Reservas pelo @sambaqui.catamara / e-mail:  sambaqui.reservas@hotmail.com / tel.: (84) 99991-2748 
Potengi Tur. Passeios pelo rio de terça a domingo. Agendamentos pelo Whatsapp: (84) 99926-6311.