Perdas do trabalhador

Publicação: 2020-12-05 00:00:00
Luiz antônio felipe
 laf@tribunadonorte.com.br

Em outubro, os brasileiros receberam efetivamente, em média, 92,8% da renda habitual, mostra um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) ao avaliar as consequências da pandemia nos rendimentos dos trabalhadores. O Ipea analisou os efeitos da pandemia sobre o mercado de trabalho e o impacto do auxílio emergencial na renda dos brasileiros. Os trabalhadores por conta própria foram os mais atingidos pela queda de renda devido à pandemia: receberam 83,2% do habitual.

DOMICÍLIOS 
Cerca de 27,86% dos domicílios pesquisados não apresentaram nenhuma renda do trabalho efetiva em outubro. De acordo com o estudo, 4,75% dos domicílios (cerca de 3,25 milhões) sobreviveram apenas com os rendimentos do auxílio emergencial. Esse resultado representa uma queda de 1,25 ponto percentual em relação ao mês de setembro e é o primeiro recuo substancial desde junho.

SERVIÇOS
Além da alta nos negócios, a recuperação judicial no setor de Serviços cresce 15% em outubro, segundo a Serasa Experian. No total de requisições houve queda de 20,2% em outubro, impulsionada pela Indústria e Comércio, no comparativo com o mesmo mês de 2019. Apenas o segmento de Serviços teve alta em outubro com relação ao ano passado, de 15%. As falências caem mais de 30% no mês. Na pesquisa da Boa Vista, as falência cresceram 10,1%.

RECUPERAÇÃO
O Brasil tem hoje mais de sete mil empresas em recuperação judicial. Pelos cálculos do Ministério da Economia, a remontagem total de créditos ligada a essas empresas alcançou R$ 285 bilhões em maio. Os dados mostram que o número de empresas que decretaram falência também cresceu. O dígito registrado em junho, puxado pela pandemia, chegou a 71,3% a mais do que se comparado ao mesmo período de 2019.

CRESCIMENTO 
Fazendo uma correção da nota de ontem sobre o crescimento do PIB, para o trimestre atual, outubro/dezembro, na verdade a expectativa do mercado é de uma expansão de apenas 1,8%. O consumo das famílias cresce 7,6% e fortalece comércio e indústria, por isso, as apostas se concentram no aumento do consumo dos lares. Mas, a demanda não deve se repetir, na visão de analistas.

PRIVATIZAÇÃO E MONOPÓLIO
A Neoenergia, controladora da Cosern, Coelba e Celpe desembolsa R$ 2,5 bilhões e vence o leilão da CEB, a Companhia Energética de Brasília, no Distrito Federal. O valor representou um ágio de 76,63% em relação ao valor mínimo de R$ 1,4 bilhão e superou as concorrentes CPFL Energia e Equatorial. O governo abre mão de estatais e concentra o poder no setor privado, uma transferência de monopólio.

COTAÇÕES 
O Ibovespa fecha em alta de +1,30% a R$ 113.750 pontos, na quinta semana de valorização seguida O dólar a R$ 5,139, queda de -0,32%, pela terceira semana seguida. Mas, a moeda americana ainda acumula alta de 27,78% em 2020. O euro por R$ 6,219, recuou de -0,35%. O preço do petróleo (spot) foi vendido a U$ 46,27, uma alta de +0,65.

PETRÓLEO (I) 
A Shell, Eneva e Enauta levam os primeiros blocos em leilão de oferta permanente da ANP. O consórcio entre a Imetame e a EnP Ecossistemas, por sua vez, obtém sete blocos. A previsão de investimentos é de R$ 160,6 milhões, inclusive na Bacia Potiguar, com a negociação de todos os 17 blocos exploratórios, por sete empresas.

PETRÓLEO (II)
 A Dinamarca anunciou ontem o fim da produção de petróleo até 2050. A maior produtora do bloco europeu suspendeu a emissão de novas licenças de exploração no Mar do Norte. Paralelamente ao anúncio, o país cancelou sua oitava rodada de licenciamento offshore após fraco interesse do mercado. Da mesma forma que o homem saiu idade da pedra sem ser por falta de pedra, vai sair da idade do petróleo não por falta dele.

DECRETO 
Está sendo alterado o Regulamento do ICMS, para implementação das disposições do Convênio ICMS 133, de 29 de outubro de 2020, editado pelo Confaz. As mudanças que incluem diversos segmentos do Estado, inclusive da agropecuária, com isenção até março de 2021. O decreto foi publicado no Diário Oficial de ontem.

VALORIZAÇÃO 
O mercado constata um aumento no preço do melão, após vários meses de desvalorização. O preço do melão amarelo subiu nas regiões produtoras nesta semana. No geral, houve pouca alteração da oferta no Rio Grande do Norte/Ceará, porém, a procura aumentou. Assim, a variedade tipos 6 e 7 foi vendida por R$ 22,36/cx de 13 kg, alta de 12%.

PROMOÇÃO 
O Natal Shopping lança a promoção Natal Mágico de Oz. A ação pretende levar a magia do clássico da literatura e do cinema para a casa dos potiguares através de almofadas dos personagens. O cliente ganhará uma almofada do Mágico de Oz a cada R$ 300 em compras, sendo limitada à quantidade de uma por CPF. 









Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.