Mais de 19 por cento dos natalenses usam o celular enquanto dirigem

Publicação: 2019-06-25 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ler, digitar, falar e usar o fone de ouvido pode tirar completamente a atenção de motoristas. Segundo pesquisa do Ministério da Saúde, divulgada nesta segunda-feira (24), o percentual de pessoas que usam celular ao volante em Natal é de 19,30%, seguindo a média nacional entre as capitais brasileiras, que é 19,3%. Nos últimos anos, segundo o inspetor de trânsito da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU), Carlos Eugênio, é crescente o número de pessoas que utilizam aparelho celular ao conduzir veículos na capital potiguar, devido ao uso constante de redes sociais. 

Multas por uso de celular ao volante podem chegar a R$ 293,47 como infração gravíssima
Multas por uso de celular ao volante podem chegar a R$ 293,47 como infração gravíssima
O uso de celular no trânsito também é um risco para os pedestres. É cada vez mais comum o registro de atropelamentos de pessoas que estavam distraídas com o seu smartphone no momento de atravessar uma rua ou um cruzamento. “O cenário no trânsito é muito dinâmico. Uma cena que ocorre em um minuto pode mudar completamente em segundos. É preciso estar alerta 100% , tanto os condutores de veículos quanto pedestres usando  aparelho celular”, alertou o inspetor de trânsito.

A pesquisa mostra que de cada cinco indivíduos, um comete esse ato que é um risco para acidentes de trânsito. A divulgação do dado inédito é do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018 que também aponta que as pessoas com idade entre 25 e 34 anos (25%) e com maior escolaridade (12 anos de estudo ou mais  -  26,1%) são as que mais assumem esse comportamento de risco.

As capitais que apresentaram maior percentual de uso de celular por condutores foram Belém (24,1%), Rio Branco e Cuiabá (24,0%), seguido por Vitória (23,7%), Fortaleza (23,5%), Palmas (22,4%), Macapá e São Luís (22,6%). Por outro lado, as capitais com menor uso de celular durante a condução de veículo foram: Salvador (14,2%), Rio de Janeiro (17,2%), São Paulo (17,4%) e Manaus (18,0%).

O Vigitel é uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde que desde 2006 monitora diversos fatores de risco e proteção relacionados à saúde, incluindo a temática de trânsito, em todas as capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal. Nesta edição foram entrevistadas por telefone 52.395 pessoas, maiores de 18 anos, entre fevereiro e dezembro de 2018.

Gravíssima
Classificada “gravíssima” pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a infração por uso de celular ao volante pesa no bolso. São R$ R$ 293,47, além de sete pontos anotados na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A multa pode ainda ser combinada com outro tipo de infração, a condução de veículo sem as duas mãos ao voltante, que custa R$ 130,16 e rende mais cinco pontos na carteira.

O acúmulo de 20 pontos ou mais, em um período de até 12 meses, implica na suspensão da CNH. Mesmo com o carro parado no semáforo ou no engarrafamento, o manuseio de aparelhos eletrônicos continua sendo infração passível de multa.

Os  riscos vão além do bolso e da possibilidade de ter o direito de dirigir suspenso. De acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, o uso de celular ao volante já é a terceira maior causa de fatalidades no trânsito do Brasil. Anualmente, o trânsito tira a vida de mais de 37 mil pessoas no país.

Estudos internacionais indicam que manusear o celular durante a direção é tão perigoso quanto dirigir sob o efeito de álcool. Estima-se que teclar ou atender uma ligação ao volante amplia em 400 vezes a chance de provocar um acidente.

Até 2016, o uso de celular ao volante era uma infração média. O crescente número de acidentes fez com que uma alteração no CTB a transformasse em infração gravíssima. Mesmo com maior rigor, os números sugerem que a prática segue ocorrendo.

Álcool
A proporção de adultos que informaram que conduziram veículos após consumo de qualquer quantidade de bebida alcoólica foi de 5,3%, sendo maior entre homens (9,3%) do que mulheres (2%). A associação entre consumo de álcool e direção ocorreu principalmente em indivíduos com idade entre 25 e 34 anos (7,9%). Natal figura entre as capitais com menor índice nessa questão(4,2%).

Adultos (maior ou igual a 18 anos) que afirmaram utilizar aparelho celular ao conduzir veículos motorizados nos 30 dias anteriores à entrevista, em 2018:
Natal    19,30

Aracajú    19,83

Belém    24,09

Belo Horizonte     21,51

Boa Vista    19,45

Campo Grande     19,84

Cuiabá     24,00

Curitiba     18,22

Florianópolis    22,15

Fortaleza     23,46

Goiânia    21,43

João Pessoa      19,57

Macapá     22,47

Maceió     22,34

Manaus     18,04

Palmas     22,55

Porto Alegre      21,58

Porto Velho    21,14

Recife    20,49

Rio Branco     24,04

Rio de Janeiro     17,23

Salvador     14,18

São Luís    22,65

São Paulo    17,39

Teresina     20,27

Vitória     23,68

Distrito Federal     21,35

Dirigir veículo manuseando celular – multa R$ 293,47, infração gravíssima e perda de 7 pontos na carteira de habilitação;

Dirigir veículo segurando telefone celular -  multa R$ 293,47, infração gravíssima e perda de 7 pontos na carteira de habilitação;

Dirigir veículo utilizando-se de telefone celular – multa R$ 130,16, infração média e perda de 4 pontos na carteira de habilitação.



Fonte: CTB





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários