PIB projeta avanço

Publicação: 2020-01-17 00:00:00
Luiz Antônio Felipe
laf@tribunadonorte.com.br

O IBC-Br, que mede a Atividade Econômica acelera e sobe 0,18% em novembro. A chamada “Prévia do PIB” do Banco Central, está m linha com outros indicadores, mesmo com dados fracos na indústria, no varejo e no setor de serviços. Em outubro subiu 0,09% (dado revisado), aumentando o ritmo agora. Na comparação entre novembro de 2019 e novembro de 2018 a alta foi de 1,10% na série sem ajustes sazonais, melhor resultado para o mês desde 2014 (144,92 pontos). O IBC-Br acumulou alta de 0,95% em 2019 até novembro, na série sem ajustes sazonais e de 0,90% nos 12 meses encerrados em novembro.  A ONU está sendo mais cautelosa prevendo uma expansão de 1,7% para o PIB brasileiro em 2020. Segundo o documento da ONU, a aceleração do nível de atividade no Brasil deve vir na esteira da retomada da confiança dos empresários.

Em baixa
A inflação pelo IGP-10 desacelera de 1,69% em dezembro para 1,07% em janeiro, com os preços no atacado exercendo menor pressão, diz a Fundação Getulio Vargas. Para o consumidor, o ano também começa com menor pressão. O (IPC-10), que responde por 30% do índice geral, desacelerou a alta a 0,51% em janeiro, ante 0,75% no mês anterior.

Moedas
Mais um dia de movimentos cautelosos no mercado. O Ibovespa fechou em baixa e o dólar teve leve alta.  O euro também apresentou ligeira alta. O preço do barril de petróleo fechou em alta.  A arroba do boi gordo ficou em R$ 196,00, mostrando mais um dia de equilíbrio no mercado.

Dívidas
Os calotes de estados e municípios crescem 73,2% em 2019, incluindo o RN. Relatório do Tesouro Nacional mostra que a União honrou R$ 8,35 bilhões de dívidas não pagas pelos entes federativos no ano passado, o maior volume da história. O Rio de Janeiro é o maior devedor e já fez a reforma da Previdência estadual. É um desgoverno total.

Confiança
O índice de confiança do comércio sobe 2% em janeiro ante dezembro, diz a Confederação Nacional do Comércio (CNC). Já é um bom indicador para começar o ano.

Futuro pouco atraente?
Recua para 23% o número de empresas brasileiras que estão se preparando para a Indústria 4.0. Em 2017, 30% das empresas estavam adotando medidas para a revolução tecnológica. A implantação da indústria 4.0 no País está perdendo cada vez mais força, como mostra o relatório da Federação das Indústrias de São Paulo(Fiesp). Desde 2017 houve uma queda de 30% para 23% no número de empresas que estão instituindo ações rumo ao desenvolvimento tecnológico. Além disso, apenas 3% dos empresários se sentem preparados para a quarta revolução industrial.

Números
O relatório mostra que a expectativa dos empresários é que haja um crescimento de 1,7% nesse tipo de investimento. Analistas consideram que a indústria brasileira ainda está muito atrasada para os avanços da indústria 4.0 em relação à outras potências mundiais.

Energia (I)
A empresa Vestas finaliza a instalação da mais potente turbina do Brasil, a V150-4.2MW. Esta é a primeira de 24 unidades que vão fazer parte do parque eólico de 101 MW da Echoenergia, na Serra do Mel/RN. Com pás de 73,3 metros de comprimento e a torre de aço mais alta do país, a V150-4.2MW é primeira turbina acima de 4 MW do Brasil.

Energia (II)
A Central Geradora Solar Fotovoltaica Jurupaiti está requerendo ao Idema a Licença Prévia para Geração de Energia da Central Geradora Solar Fotovoltaica Jurupaiti, na Zona Rural de Currais Novos. Mais um parque fotovoltaico instalado no interior potiguar, para reforçar a geração de energia. As usinas solares contratadas em leilão já somam investimentos de R$ 9,5 bilhões, no Brasil.

Habitação
Carro-chefe da economia do País, em novembro/2019, o mercado imobiliário de São Paulo manteve o bom desempenho do ano e surpreendeu em lançamentos e vendas de unidades novas, diz o Secovi/SP. Foram comercializadas 4.974 unidades residenciais novas. O resultado foi 43,5% superior ao total comercializado em outubro (3.467 unidades) e superou em 29,4% às vendas de novembro de 2018 (3.843 unidades).

Decreto
Publicado no Diário Oficial de ontem o decreto que altera o Regulamento do IPVA, para implementar as disposições da Lei Estadual nº 10.632, de dezembro de 2019. “Os veículos de passeio, adquiridos ou adaptados para uso de pessoas com deficiência física, visual, auditiva ou mental severa ou profunda, ou com Transtorno do Espectro Autista, diretamente ou por intermédio de seu representante legal, limitado a um veículo por beneficiário”.