Pinceladas de jazz, arte e livro no Balalaika

Publicação: 2019-12-06 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Entre pinceladas, acordes e letras, a vida cultural da Cidade Alta recebe mais um atrativo neste fim de semana: o Sábado de Ramos, projeto do Sebo Balalaika que estava ausente há três anos, está de volta com a sua proposta de integrar várias artes num mesmo espaço. Das 10 às 16h deste sábado, o público poderá ouvir a música de Joca Costa e Heliana Pinheiro, conferir a nova exposição do pintor Laércio Eugênio, e apreciar o lançamento da segunda edição de “Parnamirim Field – Último Pouso”, livro de Lenilson Antunes.
Ramos convoca o pintor Laércio Eugênio para exposição enquanto Lenilson Antunes lança “Parnamirim Field – Último Pouso”
Ramos convoca o pintor Laércio Eugênio para exposição enquanto Lenilson Antunes lança “Parnamirim Field – Último Pouso”


O Sábado de Ramos foi criado em 2013 por Severino Ramos Duarte, proprietário do Sebo Balalaika. “Eu queria agregar tudo que eu gosto e trabalho num lugar só e colocar em movimento: música, artes plásticas, literatura. De quebra, a gente ainda homenageava uma figura local. Nosso primeiro homenageado foi Deífilo Gurgel”, conta. O evento cresceu tanto que saiu do sebo e foi para a rua. Chegou a receber nomes como Terezinha de Jesus, Glorinha Oliveira e o maestro Frank Novais.   

O projeto seguiu forte até 2016, ano em que saiu de cena. Ramos conta que tentou vários editais de financiamento público para retomar o Sábado. Não deu certo (até o momento), mas a vontade de voltar foi maior. Ele conta que o momento de renascimento cultural da Cidade Alta, através do Beco da Lama, foi um bom estímulo para voltar – apesar de o Sábado de Ramos ter uma pegada diferente dos eventos mais festeiros. “O nosso público não é o mesmo das festas do Beco, mas no final todo mundo se integra. Essa é a proposta”, afirma. O projeto é mensal.
 
Letras e flores
O escritor Lenilson Antunes acredita que o momento está propício para relançar “Parnamirim Field”, livro lançado originalmente em 2009, e agora com segunda edição. “O livro é um romance histórico que se passa em Natal durante a 2ª Guerra Mundial, e neste ano se falou muito sobre isso. Muitos estudos, eventos e homenagens ao período. O livro usa a época como  cenário para as tramas”, diz. O romance, fruto de quatro anos de pesquisas, cria uma trama de espionagem envolta na província nordestina. Lenilson aborda curiosidades, como o 'bureau' do FBI em Natal, e até um campo de prisioneiros em Macaíba.

“Depois dos traços, flores” é o nome da exposição que Laércio Eugênio fará neste sábado. Serão 30 telas à mostra, exibindo o resultado dos cinco anos em que o artista trabalhou o tema floral de uma forma diferente. “As flores vieram porque eu queria um tipo de composição mais simples, que deixasse as pinceladas mais visíveis”, conta. Nas telas de Laércio, as cores e as luzes são até mais importantes que o desenho em si. “Eu procurei mais a impressão, a sensação da imagem”, ressalta. Esta é a segunda vez que ele expõe em Ramos, e a primeira vez que expõe esse tema. A mostra ficará aberta durante quinze dias.

All that jazz
A apresentação de Joca Costa e e Heliana, às 14h, fará um diálogo musical com o livro “Parnamirim Field”: uma viagem pelos clássicos do jazz. No repertório, muitos standards de Cole Porter, Tom Jobim, Duke Ellington, irmãos Gerswhin, Glenn Miller, entre outros. Joca Costa é referência para gerações de instrumentistas. atuou como requisitado instrumentista ao lado de nomes como Geraldo Azevedo, Gilberto Gil e Elba Ramalho com a qual se apresentou no Festival de Jazz de Montreuax, na Suíça.

Serviço:
Sábado de Ramos. Sábado, das 10 às 16h, no Sebo Balalaika, Av. Vigário Bartolomeu, 565, Cidade Alta. Acesso gratuito.




continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários