Plano Diretor de Natal será revisado

Publicação: 2017-06-18 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Mariana Ceci
Repórter

Instrumento fundamental para definir a política de desenvolvimento urbano sustentável da cidade, o Plano Diretor de Natal passará por uma nova revisão após 10 anos sem atualizações. De acordo com as diretrizes que norteiam o plano de 2007, seu objetivo é garantir “o pleno desenvolvimento das funções sociais e ambientais da sociedade”, a fim de garantir o uso ecologicamente equilibrado do território. Com a primeira audiência marcada para o dia 20 deste mês, no Parque da Cidade, a expectativa para o momento inicial é que secretarias, conselhos municipais e técnicos vão debater qual é a cidade que se deseja ver nos próximos anos e quais são as melhores medidas para alcançar esse objetivo para a cidade.

Da última revisão do plano para o período atual, as mudanças que ocorreram nos contextos políticos, econômicos e sociais foram muitas. A crise econômica atingiu diretamente um setor imobiliário antes em plena expansão, e chegou à população através de números de desemprego que nacionalmente chegam a 14,2 milhões de desempregados, fazendo com que muitos se deslocassem para o trabalho informal a fim de garantir sustento à suas famílias.  De acordo com a titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) Virgínia Ferreira, “atualmente estamos com baixo crescimento econômico e um recuo das políticas econômicas e, principalmente, sociais. É nesse cenário que a gente está revisando esse plano diretor, além da herança muito pesada no cenário de violência. Fazer uma revisão em uma situação dessa implica em revisar o plano de uma cidade que está mergulhada na informalidade”, disse a secretária.

O Plano Diretor de Natal passará por uma nova revisão após 10 anos sem atualizações. Instrumento é fundamental para definir a política de desenvolvimento urbano sustentável da cidade
O Plano Diretor de Natal passará por uma nova revisão após 10 anos sem atualizações. Instrumento é fundamental para definir a política de desenvolvimento urbano sustentável da cidade

Para a secretária, o maior problema do plano atual é garantir a sua implementação. “Acredito que não teremos tantos conflitos dessa vez como houve na última atualização. Vamos apenas adequar algumas normas em relação à normas federais e atualizar o que precisa ser atualizado”, disse. A promotora Gilka da Mata, responsável pelo Ministério Público por fiscalizar o processo de revisão do plano, também acredita que não há tanto  o que ser atualizado no plano e que os problemas residem principalmente na implementação do que já existe “O plano diretor que temos é muito bom. Ele precisa apenas de algumas atualizações, mas no geral ele é excelente. O grande problema está no fato de que esse plano diretor não é implementado”, disse a promotora que acompanhou a revisão também em 2007.

Um dos grandes desafios, de acordo com Gilka da Mata, é garantir a participação plena da sociedade no processo “Nós vamos trabalhar arduamente no sentido de garantir que a população se aproprie dos conhecimentos em relação ao plano, porque é essencial que os habitantes conheçam a própria cidade. São as pessoas as principais afetadas pelos problemas gerados pelo crescimento desordenado e é importante que eles tenham acesso a um raio-x da cidade e possam opinar a respeito”, disse a promotora.

Para o Sindicato da Indústria da Construção Civil no RN (Sinduscon – RN), no entanto, há questões importantes que precisam ser revistas pelo Plano, como destacou a diretora executiva Ana Adalgisa Dias “Temos que começar a pensar o potencial que temos e como podemos utilizar esse potencial. Para isso, é preciso estabelecer algumas discussões sérias a respeito de qual é a cidade que queremos: queremos o adensamento ou o espalhamento? As pessoas acham que os profissionais da construção civil só estão interessados em destruir a cidade, mas isso não é interessante para ninguém. Todos querem viver em um lugar agradável. Mas precisamos discutir que lugar será esse, porque temos um enorme potencial não aproveitado”, disse a diretora.

Qual é a prioridade do Plano Diretor para cada órgão:
Gilka da Mata, representante do Ministério Público
“A função do Ministério Público nesse processo é garantir o cumprimento da lei e, principalmente, prezar para que haja participação plena da população nesse processo de discussão do plano. A participação social não pode ser apenas no papel. Estamos estudando cidades com ecossistemas frágeis como Natal, que tiveram um processo de participação positivo, como a cidade de Cascais, em Portugal, e queremos que esse processo se reproduza em partes aqui”

Virgínia Ferreira, Secretária de Meio Ambiente e Urbanismo
“O papel do plano é controlar o uso e a ocupação do solo, visando integrar a população que está sendo excluída da cidade. Sabemos que a cidade, por vários fatores, é um espaço muito mais de exclusão do que de inclusão e queremos mudar isso. Para isso é preciso discutir mobilidade, drenagem, esgotamento sanitário, tudo isso que influi diretamente no ecossistema e na qualidade de vida da população”

Ana Adalgisa, diretora executiva do Sinduscon

“As pessoas têm medo do processo de verticalização porque acham que a cidade pode virar uma Boa Viagem ou uma Copacabana, com paredões de prédios, mas o próprio plano diretor já impede que esse tipo de coisa aconteça. Queremos ir para áreas onde já há infraestrutura, onde as pessoas já trabalham e estudam, mas não moram. Esse processo de expulsão das pessoas da cidade é muito negativo: paga-se IPTU de outro município, mas os serviços utilizados são os de Natal. Queremos trazer essas pessoas para a cidade, para que elas possam viver e aproveitar esse espaço”

Entenda o Plano Diretor
O que é?
É o instrumento básico que vai determinar a política de desenvolvimento de cada município, definido no Estatuto das Cidades, uma Lei Federal. Ele orienta tanto o poder público quanto o privado a respeito da utilização do solo para ocupação e construção no espaço urbano.

Para que serve?
Para garantir uma melhor qualidade de vida na cidade, equilibrando o ecossistema com o desenvolvimento urbano e social, promovendo e regularização das construções, fazendo com que as necessidades da população em termos de infraestrutura sejam atendidas sem prejudicar de forma desnecessária o meio ambiente.

Para quem ele é obrigatório?
Ele é obrigatório para municípios com mais de 20 mil habitantes (Natal possui cerca de 877 mil), integrantes de regiões metropolitanas, áreas de interesse turístico e também em áreas de influência de grandes empreendimentos com significativo impacto ambiental a nível local, regional ou nacional. 

Quem é responsável pelo Plano?
O processo deve ser convocado pela Prefeitura, mas pode e deve contar com a participação do maior número possível de cidadãos, em articulação com o poder legislativo, conselhos municipais e representantes de setores interessados como a construção civil. Terminadas as discussões com a comunidade, o plano é transformado em lei pela Câmara Municipal.

Como ele será feito em Natal?
A partir da audiência pública do dia 20, serão inciadas discussões sobre os 7 pontos centrais do plano, que são:
1 – A política urbana
2 – O uso e ocupação do solo
3 – O sistema de áreas veres e arborização urbana
4 – A política de mobilidade
5 – Os instrumentos para a gestão urbana
6 – O sistema de planejamento para a gestão urbana
7 – As disposições gerais e transitórias do plano

Serviço
1ª Audiência Pública de Revisão do Plano Diretor de Natal
Quando? 20 de junho de 2017, às 9h
Onde? Auditório do Parque da Cidade


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários