PM que filmou líderes do PCC foi afastado e responderá processo administrativo e criminal

Publicação: 2017-01-21 10:38:00
Cledivânia Pereira
Editora Executiva

O cabo da Polícia Militar, João Maria Barros, que filmou e distribuiu imagens em redes sociais dos líderes do PCC que foram transferidos de Alcaçuz desde segunda-feira (16), foi afastado na manhã deste sábado (21) após a TRIBUNA DO NORTE divulgar as imagens.

Segundo informações repassadas pela Assessoria de Comunicação do Governo do Estado, o policial vai responder a um processo administrativo pela conduta inapropriada e a um processo criminal, já que estava expressamente proibido de entrar na área onde os presos estão custodiados (informação mantida sob sigilo).
Créditos: Reprodução/YouTubePolicial Jota Barros divulgou o vídeo de ameaças de integrantes do PCC ao Sindicato do CrimePolicial Jota Barros divulgou o vídeo de ameaças de integrantes do PCC ao Sindicato do Crime


No vídeo, três dos cinco líderes da facção que iniciou a rebelião de Alcaçuz e massacrou ao menos 26 integrantes de facção rival, aparecem fazendo novas ameaças. Ao final do vídeo, o cabo João Maria Barros  aparece dizendo que os líderes do PCC merecem ‘medalha de ouro’. Segundo informações do Comando da PM, o policial já havia sido expulso da corporação, mas conseguiu reverter essa decisão na Justiça. Integrante da área de Segurança do Governo do Estado e do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) informou à reportagem os motivos da expulsão, mas, minutos depois, ligou para explicar que a informação ainda não estava precisão.

Vídeo
Nas imagens distribuídas pelo cabo, José Francisco dos Santos, José Cláudio Cândido do Prado e Paulo da Silva Santos aparecem vestidos só de calção azul (farda de Alcaçuz) em uma sala com grade, mas com acesso fácil a Policiais Militares. Eles dizem que a guerra contra o Sindicato do RN não vai parar.

Em reportagem publicada pela TRIBUNA DO NORTE na última quinta-feira 19, documento e fontes ouvidas revelam que integrantes do Governo do Estado (incluindo representante da Polícia Civil) negociaram com os integrantes do PCC para tentar por fim à rebelião.

Pelo acordo que começou a ser colocado em prática pela equipe da Secretaria Estadual de Segurança, os líderes do PCC exigiram a retirada do grupo do Sindicato do RN de dentro de Alcaçuz, o que foi iniciado na última quarta-feira (18). O plano foi frustrado e no mesmo dia teve início uma onda de ataques violentos nas ruas de Natal, onde mais de 35 ocorrências foram registradas, entre incêndio de ônibus e veículos. 

Veja Vídeo:




Atualizada às 13h34 de 21 de janeiro de 2017.