Poesias de Vênus

Publicação: 2020-10-30 00:00:00
Alex Medeiros
alexmedeiros1959@gmail.com

Trinta de outubro é data de nascimento do poeta francês Paul Valery, um modernista que foi aluno de Mallarmé e tradutor de Virgílio. Foi um gênio na linguagem alegórica como representação do pensamento, sua obra é repleta de poemas ricos em metáforas, parábolas e fábulas. Ontem reli os poemas “Fragmentos de Narciso” e “Nascimento de Vênus”, e que me remeteram a um pequeno poema dos anos de mimeógrafo (Espaço Paralelo, 1983) e estimularam a compor o arremedo de soneto que vai logo abaixo. Boa sexta! 

Espaço paralelo

Nos sonhos noturnos
onde nos temos
viajamos a Saturno
e quando nos vemos
são sonhos diurnos
e somos de Vênus.

Aurora de Vênus

No ventre profundo da galáxia girando
a luz se espalhando nas minhas manhãs
signos borbulhando, nossos talismãs
nos astros, nas pedras, no mar espumando

Estrela das tardes, fulgor vespertino
meu olho menino nas noites brilhantes
tem riso a estrela que incita os amantes
nos sonhos-desejos de suor matutino 

E acende meu céu, incendeia meu verso
estrela morena de um outro universo
com pétalas que afloram o meu bem-me-quer

Essência de diva, de musa e de santa
que à noite, à tarde, de manhã se levanta
e encarna tão bela, tão plena mulher.

Na tua órbita

Meu verso é atividade
que ao te ver não trava
e se a saudade agrava
pouso em tua gravidade

Quando o calor abrasa
aquela paixão que arde
fico girando sem alarde
em volta da tua casa.

Créditos: Divulgação

Comunismo
A velha e atrasada esquerda latina aposta suas fichas numa retomada do estilo modorrento dos anos sessenta a partir da crise moral e econômica na Venezuela, Argentina, Bolívia e Chile. Voltam Che e Mao à cena universitária.

Censurado
Quem diria? O militante do jornalismo identitário, Glenn Greenwald, está irado nos EUA com o Intercept por ter censurado uma postagem onde ele critica a ausência de reportagens sobre os crimes e imoralidades do filho de Joe Biden.

Dois pesos
A senadora Hilary Clinton criticou o sistema eleitoral americano depois que obteve 2,9 milhões de votos a mais que Trump em 2016. Ontem, ela revelou que agora é uma eleitora do limitado colégio eleitoral do estado de Nova York.

Arrumação
Uma velha tese que há anos imaginei bem que poderia se materializar para impor um freio de arrumação ou um cavalo de pau no mundo. Que tal uma guerra civilizatória com um choque de culturas entre os chineses e os árabes?

Prêmio Camões
Ano passado deu Chico Buarque, e neste 2020 o vencedor é o português Vítor Aguiar e Silva, estudioso da literatura lusa nos séculos 16 e 17 e autor de obras sobre Luís de Camões. Vai receber pela escolha um prêmio de 100 mil euros.

Cinema
Não. Não estimulem a narrativa de um retorno à normalidade no funcionamento das salas de cinema. Não é nada normal um negócio com limites de clientes e com estes obrigados a usar a famigerada máscara. Não chamem de normal.

Picardia
Aliás, uma das postagens mais criativas e irônicas nas redes sociais sobre a reabertura das salas de projeção diz que “a volta das sessões de cinema terá uma primeira fase só com filmes brasileiros, pra garantir a não aglomeração”.

Figuraça
Na noite de terça-feira, um personagem histórico do futebol potiguar e mítico para o América apareceu nas calçadas dos bares Santiago’s, Zumbi e Pau-Brasil, em Candelária, durante jogo do Mecão: o ex-massagista Macarrão.










Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.