Polícia Federal apreende mais 238,9 quilos de cocaína no Porto de Natal

Publicação: 2020-10-04 21:19:00
Três pessoas foram presas e 238,9 quilos de cocaína foram apreendidos no Porto de Natal pela Polícia Federal, no sábado (3). As informações só foram divulgadas neste domingo (4). Com a apreensão, a quantidade da droga descoberta no terminal do RN chega a 5,5 toneladas, desde 2019. 

De acordo com a PF, a droga seria enxertada em um contêiner que seguiria para a Europa. A ação aconteceu em conjunto com a Receita Federal. Em agosto deste ano a PF também apreendeu 704 quilos de cocaína no Porto. 

Créditos: Divulgação/PFApreensão 238,9 quilos de cocaína no Porto de Natal foi monitorada pela PF.Apreensão 238,9 quilos de cocaína no Porto de Natal foi monitorada pela PF.

A apreensão aconteceu após uma investigação que começou há cerca de um mês a PF sobre uma movimentação suspeita de pessoas e vários veículos em um galpão localizado em Emaús, no município de Parnamirim, Região Metropolitana de Natal. 

Sábado um caminhão deixou o local e foi acompanhado por “batedores” e seguidos de perto pelos policiais federais. Ao entrar na área do porto, o veículo foi interceptado e - após revista - os tabletes de cocaína foram descobertos na estrutura da carroceria.

O motorista foi preso em flagrante assim como os outros homens que davam cobertura e esperavam o desembaraço da 'mercadoria'. Além do caminhão, com eles, foram apreendidos, também, lacres de contêineres não utilizados e três carros.

Os suspeitos presos são paranaenses, de 21, 34 e 47 anos. Dois deles possuem antecedentes criminais e um é ex-policial militar do Paraná, expulso por crime de roubo. Eles permanecem custodiados na sede da PF, à disposição da Justiça. Todos se recusaram a responder interrogatório. 

Em nota, a Companhia Docas do RN, que administra o porto, declarou que "a apreensão demonstra, mais uma vez, que a intensificação das ações de vigilância na área portuária, sempre em parceria e com o apoio irrestrito da Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern), vem surtindo efeito".

Leia também: